18 Dez 2021 · 12 min read

Adoção de Criptomoedas em 2022: O que Esperar?

  • Espera-se que mais instituições adotem o BTC como veículo de investimento e proteção contra a inflação.
  • A futura adoção do bitcoin como moeda legal depende muito de El Salvador.
  • Muitos governos podem se mover mais em direção aos CBDCs em 2022.
  • O uso de criptomoedas para pagamentos deve ganhar ainda mais impulso em 2022.

O mercado de criptografia está tendo um final forte em 2021, com vários criptoativos - incluindo bitcoin (BTC) - atingindo novas altas históricas. A questão é: continuaremos vendo uma adoção crescente de criptomoedas entre investidores, instituições e até mesmo governos no próximo ano?

Para a maioria dos analistas e observadores, 2022 será de fato mais um ano de adoção crescente das criptomoedas, tanto em termos de seu potencial como veículo de investimento e proteção contra a inflação, quanto em termos de sua utilidade para pagamentos. 

Claro, 2022 não será um mar de rosas para as criptomoedas quando se trata de adoção, com a rejeição governamental da criptografia (se não mais) provável em algumas nações. Dito isso, com o mercado mostrando sinais renovados de alta enquanto escrevemos isto, é provável que a tendência geral seja no sentido de mais adoção, em vez de menos.

2021: Quão precisas foram as previsões no ano passado?

Em 2020, os participantes da indústria previram que o bitcoin aumentaria o interesse de investimento de instituições em particular. De fato, foi isso que aconteceu, com o mercado altista atual sendo amplamente impulsionado por investidores institucionais.

Eles previram o crescimento em Ethereum (ETH) e finanças descentralizadas (DeFi), com este último (em termos de valor total travado) crescendo, de acordo com os dados da DefiLlama, de cerca de US$ 21 bilhões no início do ano para US$ 241 bilhões. Da mesma forma, o Ethereum é responsável por 67% desse valor, indicando o quão importante ele se tornou.

Outra coisa que os comentadores previram em nosso artigo sobre 'tendências de adoção' do ano anterior foi o crescimento das plataformas e protocolos de interoperabilidade, algo que permitiria às cadeias reunir recursos e valor. Isso foi particularmente verdadeiro no que diz respeito ao lançamento das várias pontes de cadeia cruzada que vimos durante este ano, como Wormhole, Avalanche Bridge e Harmony

Espere mais Instituições chegando

Dado que um novo mercado altista impulsionado por instituições parece estar emergindo, pode não ser nenhuma surpresa saber que os analistas estão prevendo ainda mais adoção institucional ao BTC e outras criptomoedas em 2022. Em parte, isso deve ser impulsionado pelos crescentes temores inflacionários, bem como pela crescente normalização da criptografia, algo ajudado pelos novos fundos negociados em bolsa (ETFs).

“Após o lançamento bem-sucedido do [ProShares] BITO ETF, os reguladores nos Estados Unidos e em outros lugares serão menos resistentes a mais bitcoin e outros ETFs criptográficos. Como resultado, espero ver uma maior adoção institucional de bitcoin e criptografia como um veículo de investimento no futuro”, disse Fawad Razaqzada, analista da ThinkMarkets.

Para o diretor da OKEx, Lennix Lai, a aprovação de ETFs realmente abre a porta para um aumento significativo na adoção institucional de criptomoedas em 2022.

“Definitivamente acreditamos que com o lançamento do Bitcoin ETF, ele atrairá maior adoção em todo o espectro. A razão é que os planos de aposentadoria mais tradicionais, os fundos de pensão e as contas de corretagem não aceitam investimentos em criptografia, que é onde o bitcoin ETF entra em ação”, disse ele ao Cryptonews.com.

Outros analistas concordam amplamente com essa visão geral, mesmo que observem que ela depende de vários fatores. Simon Peters, um analista da eToro, observa que os investidores institucionais respondem pelo aumento dos fluxos de bitcoin há várias semanas, e que essa tendência provavelmente continuará à medida que mais instituições vierem a adotar o BTC como veículo de investimento e proteção contra a inflação.

O Bitcoin registrou entradas de capital totalizando US$ 95 milhões na semana passada, representando os maiores ingressos de todos os ativos digitais, de acordo com os dados da CoinShares. Embora os novos investimentos tenham desacelerado na semana passada, nesta corrida de alta de 8 semanas, eles agora totalizam US$ 2,8 bilhões, com entradas acumuladas no ano agora em um recorde de US$ 6,4 bilhões.

Peters acrescenta que a probabilidade de um maior envolvimento institucional com bitcoin aumentará se a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) aprovar um ETF à vista (ou seja, aquele em que o fundo realmente detém BTC).

“Os investidores (institucionais e de varejo) que estiveram interessados ​​em bitcoin e criptoativos de forma mais ampla, mas relutam em comprar o ativo subjacente devido a preocupações em torno de regulamentação/seguro, etc., podem se sentir mais confortáveis ​​em obter exposição por meio de um ETF”, ele disse.

Para Ben Caselin, chefe de pesquisa e estratégia da AAX, a aprovação de um Bitcoin ETF baseado em spot será vital para a adoção institucional da criptomoeda realmente decolar no próximo ano.

“Antes de vermos jogadores maiores entrarem no mercado, precisaríamos ver mais ETFs passarem a barra, incluindo ETFs com suporte físico. À medida que a pressão continua a aumentar sobre o Federal Reserve e os bancos centrais em geral, podemos esperar que mais capital flua dos hedges de inflação tradicionais para o bitcoin”, disse ele ao Cryptonews.com.

Outros sugerem que, embora a aprovação da SEC seja bem-vinda, as instituições continuarão adotando o bitcoin independentemente em 2022, simplesmente em virtude do crescimento do mercado em tamanho.

“À medida que o ecossistema cresce em escala, seu envolvimento é inevitável. Na margem, o movimento mais recente da SEC traz essa inevitabilidade um pouco mais perto”, disse Lou Kerner, o principal analista de criptomoeda da Quantum Economics.

Mais Adoção Legal?

Com El Salvador adotando oficialmente o bitcoin como moeda corrente em setembro, também há uma possibilidade distinta de que outras nações sigam seu exemplo em 2022. No entanto, isso depende de quão bem-sucedido será a adoção do BTC por El Salvador, com muitas nações em situações semelhantes principalmente observando à distância por enquanto. Conforme relatado, o CEO da grande exchange de criptomoedas BitMEX Alexander Höptner estima que “pelo menos cinco países” “aceitarão o bitcoin como moeda legal” antes do fim do próximo ano.

“Acho que a maioria dos países em potencial está apenas sentando e observando para ver como a economia de El Salvador evoluirá com a adoção do BTC como moeda com curso legal. Se for bem-sucedido, estou certo de que mais países seguirão o exemplo - se não totalmente como El Salvador, pelo menos de outras maneiras - especialmente aqueles com economias fracas e onde as crises monetárias prevalecem”, disse Fawad Razaqzada.

Ben Caselin também sugere que a futura adoção do bitcoin como moeda legal depende muito de El Salvador. No entanto, se as coisas correrem bem, existem outros países que podem ganhar com a adoção.

“Em países como México, Peru e Colômbia, as comunidades desbancarizadas representam mais de 50% da população. No Sudeste Asiático, em países como Filipinas e Indonésia, encontramos números semelhantes”, disse.

Embora ele não espere necessariamente que uma adoção mais formal aconteça em 2022, ele sugere que “veremos países sinalizando seu interesse” em se aproximar da criptografia no próximo ano. 

Por outro lado, alguns analistas dizem que é quase inevitável que outras nações se voltem para o bitcoin e outras criptomoedas de uma forma ou de outra, se não em 2022, não muito depois.

“Acho que há toda a possibilidade de que outros países sigam os passos de El Salvador e façam do bitcoin uma moeda legal. A maior parte do 'ruído' parece vir da América Latina neste momento”, disse Simon Peters.

Lou Kerner é ainda mais explícito sobre as chances do bitcoin e da criptografia nesse respeito, sugerindo que é principalmente uma questão de 'quando, não se'.

“Assim como a adoção institucional às criptomoedas é inevitável, também o é a adoção da criptografia por governos em todo o mundo. A adoção do bitcoin como moeda legal será cada vez mais atraente para governos menores sem moedas fortes”, disse ele.

Bancos Centrais e seus Tokens

Dito isso, Anndy Lian, presidente da exchange de criptomoedas BigONE e assessor digital chefe da Organização de Produtividade da Mongólia, afirma que as nações desenvolvidas estarão mais interessadas nas moedas digitais do banco central (CBDCs) em 2022 do que em bitcoin ou qualquer outra criptomoeda pública.

“O verdadeiro impulso da criptografia dos governos terá mais probabilidade de vir na forma de moedas digitais do banco central, principalmente na China. Lá, o banco central está procurando usar o blockchain na camada de emissão para seu sistema digital de yuans, que é centralizado”, disse ele ao Cryptonews.com.

Ele acrescenta que um impulso em direção aos CBDCs pode ser catalisado pelo Facebook (agora - Meta), com seu aplicativo Novi sendo lançado como um projeto piloto limitado aos Estados Unidos e Guatemala em outubro.

“Se as iniciativas do Facebook decolarem, isso pode estimular os governos a agir, se não a criar sua própria moeda digital, apoiando o crescimento de soluções do setor privado com melhores regulamentações e suporte. Um bom exemplo dessa abordagem está na Ucrânia, que votou quase unanimemente pela legalização e regulamentação das criptomoedas apenas um dia após a adoção oficial do bitcoin em El Salvador”, acrescentou.

Lou Kerner também sugere que muitos governos podem se mover mais em direção aos CBDCs em 2022, particularmente aqueles que se sentem ameaçados pelo bitcoin e outras criptomoedas públicas e descentralizadas.

“As moedas digitais do banco central serão atraentes para outros governos que buscam alavancar a tecnologia para fornecer melhor infraestrutura financeira para uso interno ou global. Haverá alguns governos que resistirão por medo de perder o controle, como os países que resistiram à internet”, afirmou.

E quanto aos pagamentos?

Os CBDCs nos trazem a questão dos pagamentos, porque embora pareça provável que os investidores adotarão cada vez mais o bitcoin e outras criptomoedas como proteção contra a inflação, não está claro se o público em geral usará cada vez mais essas moedas para fazer pagamentos.

Para Fawad Razaqzada, o aumento do uso de pagamento seguirá o aumento do investimento, com mais detentores e proprietários igualando mais oportunidades de usar criptomoedas para comprar bens ou serviços.

“Essa tendência provavelmente ganhará impulso à medida que mais instituições se envolverem. Portanto, não tenho dúvidas de que 2022 poderia estabelecer um novo recorde para transações criptográficas para pagamentos de bens e serviços reais”, disse ele.

Alguns analistas sugerem que o uso de criptomoedas para pagamentos já está ganhando força e que, portanto, só ganhará mais impulso em 2022.

“O uso de criptomoedas para 'fazer pagamentos' já está crescendo rapidamente. Há mais de US$ 125 bilhões em stablecoins em circulação, usados ​​para fazer pagamentos”, disse Lou Kerner.

Ele acrescenta que as criptomoedas já estão sendo usadas, por exemplo, para incentivar os membros da comunidade a fornecer valor para a comunidade, de jogos (por exemplo, Axie Infinity) a redes de talentos (por exemplo, Braintrust).

“Esperamos que essa atividade continue a crescer em 2022 e muito além, semelhante à forma como o e-commerce continua a crescer 27 anos depois que a Amazon começou a vender livros”, disse ele.

Da mesma forma, Anndy Lian é outro observador que defende que 2022 só vai cimentar o que já está acontecendo em 2021.

“A tendência de maior uso da criptografia para pagamentos já começou, com a notícia recente nos Estados Unidos de que a rede de cinemas AMC em breve estará aceitando pagamentos de criptomoeda. Apenas alguns meses depois que o PayPal decidiu permitir que os consumidores dos EUA usassem criptografia para fazer compras e notícias de que a Mastercard ofereceria suporte a pagamentos de criptomoedas em sua rede”, disse ele.

Apesar dessas incursões significativas, Ben Caselin recomenda um certo grau de cautela, argumentando que, embora vejamos o uso de bitcoins em El Salvador, por exemplo, ainda estamos em uma fase de crescimento onde a volatilidade do mercado limita o uso diário de muitas criptomoedas.

Ele diz: “Para que o Bitcoin se torne um sistema de pagamento diário e moeda, é necessário mais adoção [...] Pode levar mais alguns anos até que possamos ver o Bitcoin sendo mais usado para pagamentos diários em todo o mundo.”