Bitcoin, a Crise da Ucrânia e o Dilema dos Bancos Centrais

James Butterfill é estrategista de investimentos e Christopher Bendiksen é o líder de pesquisa de Bitcoin na principal empresa europeia de investimentos em ativos digitais CoinShares

__________

Bitcoin (BTC) teve uma resposta imediata de preço à invasão da Ucrânia quando a notícia foi divulgada esta manhã. Tornou-se evidente que, atualmente, o bitcoin está se comportando como um ativo de risco, com preços caindo abaixo dos níveis de resistência técnica das médias móveis de 50 dias e 200 dias.

Esta tem sido uma tempestade perfeita para o bitcoin através da ameaça combinada de aumentos das taxas de juros nas principais economias, inúmeras propostas regulatórias e agora instabilidade geopolítica na Europa sacudindo os mercados globais, empurrando os preços do bitcoin para uma queda de 23% no acumulado do ano. Mais uma vez, no entanto, não acreditamos que isso mude os fundamentos de suporte de longo prazo para o bitcoin.

A Identidade fluida do Bitcoin

Sabemos que a identidade do Bitcoin, ou seja, a narrativa predominante que impulsiona os preços em um determinado momento, permanece muito fluida. Atualmente, a narrativa predominante está sendo impulsionada por especuladores sensíveis ao risco e à taxa de juros, e o bitcoin agora está se movendo de forma semelhante a outros ativos de risco. Isso não diminui suas propriedades como um ativo real que discutimos detalhadamente aqui.

Está claro para nós que o bitcoin ainda está em processo de estabelecimento de sua identidade e esse é um processo que pode levar décadas. É razoável supor que, durante esse período, pessoas diferentes usarão bitcoin para propósitos diferentes, com base em suas próprias necessidades e nas propriedades monetárias oferecidas pelo bitcoin.

Como escrevemos anteriormente, algumas das propriedades fixas , como sua oferta limitada e resistência ao confisco, o tornam altamente adequado como um ativo de refúgio a longo prazo. No entanto, isso não significa que todos o usarão para isso em um determinado momento. Qualquer ativo disponível gratuitamente com muitas propriedades benéficas verá diferentes usuários usando-o para diferentes propósitos.

Embora alguns usuários provavelmente o estejam usando como uma reserva de valor de longo prazo e um ativo de refúgio seguro no momento, muitos outros usuários não podem. E no final das contas, o que provavelmente estamos vendo agora é um sinal das proporções de usuários atuais que o usam como economia de longo prazo e refúgio seguro, versus usuários que o usam como um objeto de especulação financeira.

Embora o bitcoin permaneça em sua fase de monetização, não é estranho esperar que os especuladores estejam fortemente envolvidos na negociação e no fornecimento de liquidez, e eles não necessariamente usarão o bitcoin para qualquer um dos usos mais adequados. Eles provavelmente o usarão muito mais como um ativo de risco do que um refúgio seguro, pois estão investindo apenas para ganhar dinheiro e não assumindo que sua adoção futura será global.

Bitcoin – o ativo sem estado, uma faca de dois gumes

Escondidos aqui estão alguns outros grandes eventos macro que são altamente favoráveis ​​à adoção futura do bitcoin. Como exemplo perfeito, neste exato momento estamos testemunhando o regime de [Justin] Trudeau armar o sistema bancário canadense contra seus próprios cidadãos.

Esta é uma demonstração brutal e surpreendente para milhões de pessoas de que, mesmo em democracias ocidentais supostamente liberais, a situação política doméstica pode se deteriorar rapidamente a ponto de as proteções constitucionais de indivíduos serem suspensas e os governos cooptarem os bancos para atacar seus inimigos políticos. Ter uma separação entre dinheiro e Estado é claramente benéfico para os cidadãos em situações como esta.

Mas o bitcoin sendo um ativo sem estado totalmente independente é, obviamente, uma faca de dois gumes. Se alguém pode acessar livremente um sistema monetário, isso significa que seus inimigos também podem. Sob uma ordem global que é substancialmente aplicada usando o sistema monetário global baseado no dólar como uma ferramenta importante no kit de ferramentas diplomáticas, a capacidade de estados hostis acessarem trilhos monetários alternativos é um problema.

É de se perguntar se a invasão é o primeiro sinal de que a era das sanções de pressão política acabou. Se um líder como Putin, mesmo sob a ameaça das sanções mais rigorosas possíveis, ainda resolve invadir outra nação soberana, que poder as sanções ainda têm?

A teoria do jogo monetário também parece desfavorável para as potências ocidentais. Tendo usado sanções de forma bastante liberal nas últimas décadas, seus oponentes geopolíticos naturalmente procuraram soluções alternativas. Não é difícil imaginar que, em algum momento, os custos de sanção constantes de participar do sistema monetário global baseado no dólar superarão os custos de abandoná-lo completamente. Quanto mais duras as sanções forem impostas a uma nação, mais cedo essa virada ocorrerá. O Banco Central da Rússia está bastante avançado em seu trabalho de implementação prática de um rublo digital.

As potências ocidentais agora precisam traçar uma linha aparentemente impossivelmente tênue: aplicar sanções de forma muito frouxa, e a Rússia as ignorará, avaliando seus custos insuficientes para superar os benefícios da invasão. Aplique sanções com muita força, e a Rússia pode julgar a própria participação na ordem monetária baseada em dólar como muito cara e procurar uma alternativa.

Se isso acontecer, não apenas enfraqueceria severamente o poder futuro do conjunto de ferramentas de sanções, mas enfraqueceria o efeito de rede global do próprio dólar americano, diminuindo sua utilidade e, portanto, valor como dinheiro.

Bitcoin e Mineração para contornar Sanções?

O Irã é um bom exemplo em que as sanções às exportações de petróleo foram contornadas com a venda de suas reservas de energia nos mercados globais, usando efetivamente a mineração de Bitcoin para contornar embargos comerciais. A Elliptic estimou que cerca de 4% do total das exportações iranianas de petróleo em 2020 poderiam ter sido derivados da mineração de Bitcoin. No entanto, permanece discutível se o uso do Bitcoin para contornar sanções pode ser implementado de maneira significativa.

Caso desejem fazê-lo, a Rússia tem os recursos energéticos e o poder de mineração sob seu controle para buscar uma estratégia semelhante. De acordo com nossa pesquisa, no final de dezembro de 2021, ~6,8% das operações globais de mineração de Bitcoin estavam localizadas na própria Rússia e outros ~8,2% estavam localizados no Cazaquistão - efetivamente um estado cliente russo.

Dada a abundância de energia barata disponível na Rússia, usar a mineração como um fluxo de receita alternativo para recursos energéticos é um cenário totalmente plausível. Aos preços atuais do bitcoin de ~ [US$] 35.000, o poder de hash combinado da Rússia e do Cazaquistão geraria uma receita anual de [US$] 1,7 bilhão - não o suficiente para compensar os prováveis ​​custos das sanções, mas também não é nada e é provavelmente o suficiente para fazer negócios com contrapartes dispostas.

Essa fraqueza de preço é uma oportunidade?

A recente fraqueza dos preços precipitou a infame “cruz da morte” em 15 de janeiro de 2022, que muitas vezes é interpretada como um presságio negativo para futuros movimentos de preços. Nossa análise destaca que esses pontos fracos de preço relacionados ao “death-cross” normalmente têm sido oportunidades de compra em vez de um ponto de venda, com retornos médios após o evento de death cross sendo de 50% ao ano após o evento.

Curiosamente, embora a resposta dos preços à crise da Ucrânia tenha sido negativa, não vimos os mínimos intradiários de [US$] 33.000 fixados em 24 de janeiro de 2022. 

O Bitcoin sofreu a tempestade de preços perfeita recentemente, mas vale a pena notar que é um jovem ativo com uma identidade fluida, e que atualmente está sendo dominado pela especulação de risco. Permanece um grupo central de investidores que continuam a ver o potencial de longo prazo do Bitcoin como um ativo inflacionário (real), que também vê os benefícios de um ativo sem estado e uma proteção contra o fracasso da política monetária, como evidenciado pelas entradas contínuas de fundos.

A inflação adicional de commodities causada pelo conflito na Ucrânia representa um verdadeiro dilema para os banqueiros centrais que estão tentando manter os mercados estáveis ​​e o desemprego baixo. Os fundamentos do Bitcoin não mudaram e, no geral, acreditamos que essa recente fraqueza de preço representa uma oportunidade de longo prazo, e não um ponto para fugir.

__

O artigo foi publicado pela Coinshares no Medium em 24 de fevereiro. 

____

Leia Mais:

- Invasão da Ucrânia pela Rússia: Bitcoin deve desempenhar um papel em ambos os lados

- Ucrânia supera a Rússia em Adoção de Criptomoedas conforme a Guerra se inicia