Bitcoin e Inflação: se tornando um ativo real

James Butterfill, estrategista de investimento da maior empresa europeia de investimento em ativos digitais CoinShares.
____

Fonte: Adobe/Yuriy Shurchkov

  • Os preços ao produtor, estando expostos ao aumento dos preços das commodities, é onde a inflação começa a se mostrar feia. Em 7,1% para o mundo desenvolvido, isso está agora no 90º percentil dos números históricos.
  • O crescimento dos salários foi excepcionalmente alto durante a pandemia, distorcido pela demissão de trabalhadores de baixa remuneração. À medida que esses trabalhadores recuperam o emprego, nos próximos meses os salários têm maior probabilidade de cair do que de aumentar.
  • Os dados sugerem que o bitcoin (BTC) está começando a cumprir essa função de proteção contra a inflação. Observar as mudanças de preço do bitcoin em relação às mudanças na inflação mostra que essa relação está se tornando estatisticamente significativa.
  • Ainda não temos certeza do que acontecerá com a inflação nos próximos 5 anos, mas vemos a adição de ativos reais como uma medida prudente para proteger as carteiras do risco de cauda de que a inflação saia do controle.

Os sinais de um problema inflacionário potencial estão começando a se revelar, principalmente as condições de emprego restritivas (e o consequente aumento nos salários), juntamente com o aumento dos preços ao produtor em todo o mundo. No entanto, os investidores permanecem divididos, com as perspectivas para a inflação caindo em duas escolas de pensamento: aqueles que acreditam que os efeitos da inflação são mais transitórios por natureza, e aqueles que veem a inflação subir a ponto de ameaçar a estabilidade econômica.

Em uma escala global, os dados destacam que em uma perspectiva histórica a inflação corrente não é tão alta. Os níveis atuais são semelhantes aos observados após a crise financeira de 2008, que desde 1970, apenas o coloca no 55º percentil. É nos preços ao produtor, expostos ao aumento dos preços das commodities, que a inflação começa a despontar. Em 7,1% para o mundo desenvolvido, o número atual está no 90º percentil.

Durante esta fase de recuperação da COVID, o desemprego está caindo a um ritmo muito mais rápido do que na crise financeira global, o que significa que o mercado de trabalho está começando a esquentar. Por sua vez, isso infere que o crescimento dos salários deve seguir, como já vimos nos Estados Unidos este ano. No entanto, embora o crescimento dos salários tenha sido excepcionalmente alto durante a pandemia, isso foi distorcido pela dispensa de trabalhadores de baixa remuneração. À medida que esses trabalhadores recuperam o emprego, é mais provável que o crescimento dos salários diminua nos próximos meses, em vez de aumentá-lo.

Portanto, é muito difícil determinar se a inflação mais alta está realmente próxima. Existem alguns gargalos de abastecimento causados ​​pela interrupção no transporte marítimo global, questões mais amplas da cadeia de abastecimento e desafios de estoque que aumentam a inflação de curto prazo, mas isso não significa necessariamente que levará a problemas inflacionários de longo prazo. Portanto, acreditamos que continua sendo muito difícil dizer exatamente o que acontecerá com a inflação, embora reconheçamos que a questão está diretamente nas mãos dos banqueiros centrais, e a história sugere que eles serão mais reativos do que proativos.

A situação difícil dos banqueiros centrais

Podemos simpatizar com a situação difícil que os banqueiros centrais enfrentam. Pisar no freio monetário após tal política frouxa sem precedentes provavelmente causará deslocamento nos mercados de títulos, causando ainda mais volatilidade no mercado. O Federal Reserve dos EUA e outros bancos centrais estão presos pela própria liquidez que deveria aliviar o estresse do mercado - consequentemente, é muito difícil desfazê-la.

É por isso que os mercados estavam tão focados na recente declaração do FOMC (Federal Oversight & Monetary Committee) de junho. As atas da reunião do FOMC destacam que o Federal Reserve dos EUA está mantendo uma abordagem geral bastante dovish (mesmo que as atas tenham sido inesperadamente hawkish). Ao mesmo tempo, eles estão contemplando a ameaça inflacionária ao elevar as previsões de inflação e sinalizando a expectativa de taxas de juros mais altas em 2023. O FOMC continua a acreditar que a inflação é transitória por natureza e, portanto, está feliz que a inflação "esquente" por um enquanto.

O problema é que essa abordagem “baseada em resultados” do Federal Reserve dos EUA, também conhecida como “vamos esperar que a inflação chegue antes de agir”, é arriscada. Particularmente porque algumas métricas tradicionais que rastreiam a inflação podem não ser confiáveis, dada a rapidez com que a economia mundial e a tecnologia estão mudando.

O comportamento do investidor também sugere que muitos não estão convencidos pela abordagem baseada em resultados. Os ativos sob gestão de produtos negociados em bolsa protegidos contra a inflação aumentaram 74% no último ano, devido a uma enxurrada de entradas desde meados de 2020.

Essas entradas recordes também destacam que talvez os temores inflacionários estejam se tornando um consenso, e não uma visão periférica. Também faz alusão ao ponto de muitos investidores acreditarem que o Federal Reserve dos EUA e outros bancos centrais estão potencialmente atrasados.

Independentemente do resultado da inflação, ainda existe um risco considerável de que os bancos centrais percam o controle da inflação. Com isso, os hedges de inflação estão se tornando cada vez mais populares, conforme destacado pelos fluxos de fundos mencionados. Há uma pequena seleção de ativos tangíveis que devem apresentar desempenho superior durante um surto de inflação, e acreditamos que o bitcoin é um deles.

Bitcoin como uma proteção contra a inflação

Conceitualmente, faz sentido que o bitcoin seja uma proteção contra a inflação. É o que um economista chamaria de “ativo real” - um ativo de oferta limitada e previsível que costuma ser precificado em dólares americanos. Portanto, se a oferta de dólares americanos ou de qualquer outra moeda fiduciária estiver aumentando, é provável que o bitcoin se valorize em relação a essas moedas, mesmo que seu poder de compra permaneça estagnado.

Os dados sugerem que o bitcoin está começando a cumprir essa função de proteção contra a inflação. Observando a variação dos preços em relação à variação da inflação nos dois anos desde a sua criação em 2009, destaca-se que a relação está melhorando, com um R2 atual de 0,30 (desde 2019). A propósito, a relação entre bitcoin e inflação é atualmente melhor do que entre inflação e ouro.

Citi compila um índice que rastreia a inflação inesperada, ou 'surpresa', medindo as previsões de inflação versus os resultados entregues.

Em níveis acima de zero, a inflação está acima do esperado. O Bitcoin também tem uma relação inicial, mas potencialmente atraente, com a inflação inesperada. Nossa análise destaca que o bitcoin parece reagir à inflação inesperada, aumentando quando os números de inflação fornecidos são maiores do que as expectativas.

Reconhecemos que a relação do bitcoin com a inflação é provavelmente inconclusiva neste momento, pois o tamanho da amostra é bastante baixo. Dito isso, é interessante notar que, com o passar do tempo, o relacionamento tem melhorado continuamente, adicionando credibilidade ao conceito de que o bitcoin é um ativo real.

O bitcoin está amadurecendo como um ativo

Há cada vez mais evidências de que o bitcoin está amadurecendo como um ativo. Após a declaração mais recente do FOMC (16 de junho), onde um tom inesperadamente hawkish foi expresso, os preços mudaram de forma muito semelhante ao ouro. Isso destaca que o bitcoin está se comportando como os investidores esperariam de um ativo real, ao se valorizar quando o dólar norte-americano cai e vice-versa.

Ainda não temos certeza do que exatamente acontecerá com a inflação nos próximos 5 anos, mas vemos a adição de bitcoin e outros ativos reais como uma medida prudente para proteger as carteiras do risco de cauda de inflação fora de controle. O que era originalmente uma ideia conceitual do bitcoin com credenciais de proteção contra a inflação, agora está sendo comprovado por meio do aumento da participação do investidor, conforme evidenciado por sua relação melhor com os preços ao consumidor.