06 Set 2022 · 9 min read

América Latina: como está a regulamentação das criptomoedas em cada país

Regulamentacao das criptomoedas en America do Sul, Mexico y El Salvador

A América Latina é uma das regiões que mais adota criptomoedas e sua comercialização tem aumentado significativamente. A chegada da pandemia de Covid-19 significou a explosão de ativos digitais, aos quais os latinos rapidamente se apegaram. Alguns consideram as criptomoedas como uma poupança, outros como um investimento, enquanto outros a grande maioria toma isso como uma salvaguarda. A economia da América Latina é fraca e com um alta inflação: Bitcoin e stablecoins surgem como uma possível solução. Crypto News analisa como é a regulamentação das criptomoedas em cada um dos países da América do Sul, México e El Salvador.

Regulação de criptomoedas na Argentina

No momento, além de algumas tentativas das autoridades argentinas, não há
regulamentação sobre criptomoedas, embora estejam por trás de um controle fiscal. O decreto 796/2021 estabeleceu que as empresas que realizam transações com criptomoedas são cobrado com o imposto sobre créditos e débitos bancários. Isso não afeta o comprador. Enquanto isso, as bolsas locais são obrigadas a apresentar periodicamente "o regime informações sobre suas transações de acordo com a Resolução 4164/2019 da AFIP”.  investidores são afetados pelo já famoso e polêmico imposto de renda: a lei como "ganho" o resultado da compra e venda de moedas digitais.

Como os governos podem regular as criptomoedas? 

Isso é respondido por Santi Siri, criador da Prova de Humanidade: 

“Isto é como o mar, ninguém pode colocar fronteiras nele. Quando eu Eu transaciono cripto para cripto com alguém, que é criptografado e ninguém pode interceder. Os governos devem se adaptar e não impor. Sobre o mar construíram portos e agora eles podem fazer o mesmo com criptomoedas. Quando você quer passar para algo físico como um propriedade, certamente cobram um imposto”.

Regulação de criptomoedas na Bolívia

Sendo 2022, a Bolívia é um dos poucos países que ainda considera o Bitcoin e o resto da criptomoedas como um comércio ilegal. No território, desde 2014, é proibido e usá-lo pode acabar com o investidor na Justiça.
O Banco Central da Bolívia explicou que ativos digitais como o BTC têm altos riscos para investidores e considera que todos os seus utilizadores podem ser vítimas de fraudes cibernéticas porque "não são confiáveis".


Regulação de criptomoedas na Venezuela

A Venezuela tem uma inflação enorme e o Bitcoin funciona como uma reserva de valor para muitos cidadãos. Alguns deles, aproveitando os baixos custos de eletricidade, chegaram a estabelecer fazendas de mineração. O país é um dos líderes nessa área na região. Em 2018, as autoridades sancionaram um Decreto Constituinte para “regular as atividades relacionados a criptoativos no país, registrar todos os usuários que realizam atividades relacionadas a criptomoedas e aqueles usuários com interesse em ter licença para comercialização de ativos digitais”. Nesse mesmo ano, o Petro foi lançado na Venezuela. Este é um token que é executado no blockchain; que, segundo o governo venezuelano, é lastreado em reservas de petróleo e equivale a um barril. Embora isso não seja totalmente verdade: os preços entre os dois não mantêm essa correlação.
 

Regulação de criptomoedas no Chile

O Banco Central do Chile (BCCh) reafirmou em várias ocasiões que as criptomoedas "não possuem reconhecimento legal ou regulatório específico até o momento" e que não podem ser usado como moeda legal. Nem podem ser considerados uma moeda estrangeiro. Embora estejam por trás de sua própria moeda digital, o que é conhecido como CBDC (Central Bank Digital Currency), explicou a presidente do Banco Central, Rosanna Costa. Os primeiros testes estão acordados para o final de 2022 e o responsável garantiu que vai procurar que seja usado tanto para pagamentos online como offline.

Regulação de criptomoedas no Uruguai

Em 2017, antes do boom total das criptomoedas (o BTC fechou aquele ano perto de 20.000 dólares), o Uruguai se tornou o primeiro país do mundo a ter uma moeda digital: lançou o e-peso, que não usava blockchain. Isso foi testado por alguns meses em que foi usado como um "bilhete digital", que era rastreável e confiscável na ausência de criptografia. Embora os resultados tenham sido positivos, o país abandonou o projeto. E no momento não há planos para retomar esse ataque. O Bitcoin não é regulamentado, mas também não é considerado um ativo ilegal.

Regulação de criptomoedas no Brasil

Assim como a Argentina, o Brasil está interessado em regular as criptomoedas, que gozam de muito popular no território. No entanto, com as eleições de dezembro de 2022, os planos de criptografia ficaram em segundo plano. O que está avançado é o real digital, o CBDC do Banco Central. Foram vários projetos apresentados e seus estudos já começaram. Como destacou o presidente, 

Roberto Campos Neto, "hoje não há Banco Central no mundo que não esteja neste processo de estudar uma moeda digital”. Vale ressaltar que o Brasil se tornou o primeiro país da América Latina a lançar um ETF de Bitcoin em 2020.

Regulação de criptomoedas no Paraguai

Parecia que o Paraguai se tornaria a meca das criptomoedas e estava perto de lançar sua própria lei: a Lei Bitcoin. Este, aprovado pelo Congresso local, foi vetado pelo Poder Executivo, dono da última palavra. De acordo com vários relatórios, a lei visava registrar tanto mineradores individuais quanto
corporativa e lhes daria uma licença. Além disso, eles seriam descontados no preço do eletricidade: eles pagarão apenas 0,05 dólares por quilowatt-hora.
Também seria criado um registro para aqueles que prestam serviços de negociação ou custódia. de criptomoedas para terceiros, como uma bolsa local, por exemplo. Por enquanto tudo voltou a ficar paralisado.

Regulação de criptomoedas no Peru

Como ocorre em quase toda a América Latina, o Peru não proíbe transações ou operações de criptomoedas; portanto, é legal que pessoas/pessoas jurídicas executar. Essas ações, que não são penalizadas, também não são tributadas. Com o sol peruano perdendo força e se desvalorizando por conta da pandemia, estima que mais de um milhão de peruanos possuem criptomoedas. Recentemente Num Finance Lançou a primeira stablecoin que tem a moeda local como referência.

Regulação de criptomoedas na Colômbia

O caso da Colômbia é particular e muito diferente do resto da América Latina: não há lei no Bitcoin, mas isso pode ser lançado pelos cidadãos. Camilo Suárez, presidente da AsoBlockchain Colombia, é o responsável pela elaboração do projeto que será enviado ao Congresso.
 

“Esta será a primeira vez na história que os cidadãos se organizam e se reúnem para propor um sistema financeiro alternativo. Depois que isso acontecer, tenho certeza que o comunidades de outros países farão o mesmo para se empoderarem com a legislação”, destacou Suárez.


Regulação de criptomoedas no Equador
 

Equador, dono de uma economia dolarizada, proposta pelo gerente do Banco Central do Equador, Guillermo Avellán, regularão as criptomoedas durante o primeiro trimestre de 2022. Perto do terceiro, ainda não havia grandes novidades a respeito. As autoridades frisaram que o objetivo será "delimitar o campo de ação para evitar crimes como lavagem de dinheiro e fraudes.” Como em quase toda a América do Sul, os ativos Os tokens digitais são legais, mas não podem funcionar como moeda de troca de maneira oficial.

Regulação de criptomoedas no México

O México está se movendo lentamente em termos de regulamentação de criptomoedas. Em 2022, A Governadora do Banco do México (Banxico), Victoria Rodríguez Ceja, começou a analisar uma forma possível de regular os ativos digitais. 

“A regulação que atua nesses ativos é uma situação que ocorre em mercados desenvolvidos emergentes, e as autoridades dos mercados desenvolvidos elevaram a precisa regular isso. Esses grupos de bancos centrais, dos quais o Banxico participa, são está revisando este tópico para continuar protegendo os participantes do sistema financeira", disse o governador.

“Criptomoedas são ativos que não são lastreados pelo Banxico. Não é uma moeda curso jurídico. A legislação emitida sobre esses ativos deixou a liberdade de realizar operações com tais ativos fora do sistema financeiro e as obrigações são impostas apenas às empresas que são engajados em realizar operações com eles, estabelecer medidas e controles para prevenir lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo”, acrescentou.

Regulação de criptomoedas em El Salvador

Criptomoedas e principalmente Bitcoin geram medo em muitos países do mundo devido à sua rastreabilidade. Isso não foi um freio para Nayib Bukele ou El Salvador, mas serviu como combustível: o presidente fez da nação a primeira a aceitar o BTC como moeda corrente legal. Apesar das advertências do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos Estados Unidos, o país
A América Central continuou com sua missão. Hoje, além de aceitar o Bitcoin, ele o gera usando o energia vulcânica para a minha.

-------

Leia mais:

Geórgia segue o líder de regulamentação de criptomoedas da UE

Quais são as empresas com mais bitcoins?

---------------------