25 Ago 2021 · 7 min read

O que é o metaverso? Um plano High-Tech para tornar o mundo mais Facebook

Nick Kelly, professor sênior de design de interação, Queensland University of Technology.
_____

Fonte: Adobe/wacomka

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, recentemente anunciou que a gigante da tecnologia deixará de ser uma empresa de mídia social para se tornar uma “empresa metaversa”, funcionando em uma “internet incorporada” que combina os mundos real e virtual mais do que nunca.

Então, o que é “o metaverso”? Parece o tipo de coisa sobre a qual os bilionários falam para ganhar as manchetes, como o chefe da Tesla, Elon Musk, espalhando “pizzarias” em Marte. Mesmo assim, considerando que quase três bilhões de pessoas usam o Facebook todos os meses, a sugestão de Zuckerberg de uma mudança de direção merece alguma atenção.

O termo “metaverso” não é novo, mas recentemente viu um aumento na popularidade e especulação sobre o que tudo isso pode significar na prática.

A ideia do metaverso é útil e provavelmente continuará por algum tempo. É um conceito que vale a pena entender, mesmo que, como eu, você seja crítico em relação ao futuro que seus proponentes sugerem.

O metaverso: um nome cuja hora chegou?

Os humanos desenvolveram muitas tecnologias para enganar nossos sentidos, de alto-falantes e televisões a videogames interativos e realidade virtual, e no futuro podemos desenvolver ferramentas para enganar nossos outros sentidos, como tato e olfato. Temos muitas palavras para essas tecnologias, mas ainda nenhuma palavra popular que se refira à totalidade do mash-up da realidade antiquada (o mundo físico) e nossas extensões fabricadas à realidade (o mundo virtual).

Palavras como “internet” e “ciberespaço” passaram a ser associadas a lugares que acessamos por meio de telas. Eles não capturam muito bem o entrelaçamento constante da internet com realidades virtuais (como mundos de jogos 3D ou cidades virtuais) e realidade aumentada (como sobreposições de navegação ou Pokémon GO).

Tão importante quanto, os nomes antigos não capturam as novas relações sociais, experiências sensoriais e comportamentos econômicos que estão surgindo junto com essas extensões para o virtual. Por exemplo, Upland mistura um reflexo virtual de nosso mundo com tokens não fungíveis (NFTs) e mercados imobiliários.

Upland é uma espécie de jogo de troca de propriedades 'metaverso' baseado em endereços do mundo real. Upland

O anúncio do Facebook fala de suas tentativas de imaginar como a mídia social dentro do metaverso poderia ser.

Também ajuda que “metaverso” seja um termo poético. Os acadêmicos têm escrito sobre uma ideia semelhante sob o nome de “realidade estendida” por anos, mas é um nome um tanto enfadonho.

“Metaverso”, cunhado pelo escritor de ficção científica Neal Stephenson em seu romance Snow Crash de 1992, tem um apelo muito mais romântico. Os escritores têm o hábito de reconhecer tendências que precisam ser nomeadas: “ciberespaço” vem de um livro de 1982 de William Gibson; “Robô” é de uma peça de 1920 de Karel Čapek.

Leia mais: Queremos uma realidade aumentada ou uma realidade transformada?

Neologismos recentes como “a nuvem” ou a “Internet das Coisas” permaneceram conosco precisamente porque são maneiras úteis de se referir a tecnologias que estavam se tornando cada vez mais importantes. O metaverso se enquadra nesta mesma categoria.

Quem se beneficia com o metaverso?

Se você passar muito tempo lendo sobre grandes empresas de tecnologia como Apple, Facebook, Google e Microsoft, pode acabar sentindo que os avanços na tecnologia (como a ascensão do metaverso) são inevitáveis. É difícil então não começar a pensar sobre como essas novas tecnologias irão moldar nossa sociedade, política e cultura, e como podemos nos encaixar nesse futuro.

Essa ideia é chamada de “determinismo tecnológico”: o sentido de que os avanços na tecnologia moldam nossas relações sociais, relações de poder e cultura, conosco como meros passageiros. Deixa de fora o fato de que em uma sociedade democrática temos uma palavra a dizer sobre como tudo isso se desenrola.

Para o Facebook e outras grandes corporações, determinadas a abraçar a “próxima grande novidade” antes de seus concorrentes, o metaverso é empolgante porque apresenta uma oportunidade para novos mercados, novos tipos de rede social, novos produtos eletrônicos de consumo e novas patentes.

O que não está tão claro é por que você ou eu estaríamos animados com tudo isso.

Uma história familiar

No mundo mundano, a maioria de nós está lutando contra coisas como uma pandemia, uma emergência climática e uma extinção em massa de espécies induzida pelo homem. Estamos lutando para entender como é uma vida boa com a tecnologia que já adotamos (dispositivos móveis, mídia social e conectividade global estão ligados a muitos efeitos indesejáveis, como ansiedade e estresse).

Então, por que ficaríamos entusiasmados com as empresas de tecnologia investindo incontáveis ​​bilhões em novas maneiras de nos distrair do mundo cotidiano que nos dá ar para respirar, comida para comer e água para beber?

Ideias do estilo metaverso podem nos ajudar a organizar nossas sociedades de forma mais produtiva. Padrões e protocolos compartilhados que trazem mundos virtuais díspares e realidades aumentadas em um único metaverso aberto podem ajudar as pessoas a trabalharem juntas e reduzir a duplicação de esforços.

Na Coréia do Sul, por exemplo, uma “aliança metaversa” está trabalhando para persuadir as empresas e o governo a trabalharem juntos para desenvolver uma plataforma nacional aberta de RV. Grande parte disso é encontrar maneiras de combinar smartphones, redes 5G, realidade aumentada, moedas virtuais e redes sociais para resolver problemas para a sociedade (e, mais cinicamente, obter lucros).

Reivindicações semelhantes de compartilhamento e colaboração foram feitas nos primeiros dias da Internet. Mas, com o tempo, a promessa inicial foi posta de lado pelo domínio de grandes plataformas e do capitalismo de vigilância.

A Internet tem sido um grande sucesso em conectar pessoas ao redor do mundo umas às outras e funcionar como uma espécie de Biblioteca de Alexandria moderna para abrigar um vasto estoque de conhecimento. No entanto, também aumentou a privatização de espaços públicos, convidou a publicidade a todos os cantos de nossas vidas, nos amarrou a um punhado de empresas gigantes mais poderosas do que muitos países e fez com que o mundo virtual consumisse o mundo físico por meio de danos ambientais.

Além do mundo único

Os problemas mais profundos com o metaverso são sobre o tipo de visão de mundo que ele representaria.

Em uma visão de mundo, podemos pensar em nós mesmos como passageiros dentro de uma realidade singular que é como um contêiner para nossas vidas. Essa visão provavelmente é familiar para a maioria dos leitores e também descreve o que você vê em algo como o Facebook: uma “plataforma” que existe independentemente de qualquer um de seus usuários.

Em outra visão de mundo, que os sociólogos sugerem ser comum nas culturas indígenas, cada um de nós cria a realidade em que vivemos por meio do que fazemos. Práticas como trabalho e rituais conectam pessoas, terras, vida e espiritualidade e, juntas, criam a realidade.

Um problema chave com a visão anterior é que ela leva a um “mundo único”: uma realidade que não permite outras realidades. Isso é o que já vemos nas plataformas existentes.

A versão atual do Facebook pode aumentar sua capacidade de se conectar a outras pessoas e comunidades. Mas, ao mesmo tempo, limita a maneira como você se conecta a eles: recursos como seis "reações" predefinidas a postagens e conteúdo escolhido por algoritmos invisíveis moldam toda a experiência. Da mesma forma, um jogo como o Player Unknown’s Battlegrounds (com mais de 100 milhões de usuários ativos) permite possibilidades ilimitadas de como um jogo pode ser jogado - mas define as regras pelas quais o jogo pode ser jogado.

A ideia de um metaverso, ao deslocar ainda mais nossas vidas para uma plataforma universal, estende esse problema a um nível mais profundo. Ele nos oferece possibilidades ilimitadas de superar as restrições do mundo físico; no entanto, ao fazê-lo, apenas os substitui por restrições impostas pelo que o metaverso permitirá.

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.