05 Jun 2022 · 5 min read

Os motivos pelos quais o 'o governo' não vai proibir ativos digitais

Benjamin Dean, diretor de ativos digitais da WisdomTree, empresa de gestão de ativos e fornecedora de fundos negociados em bolsa (ETF).

_____

Os 2022 viu uma série acontecer grandes mudanças nas políticas públicas para ativos digitais nos Estados Unidos, Reino Unido (Reino Unido) e União Europeia (UE). Longe de banir os ativos digitais, os novos anúncios feitos por esse governos são sinais claros e positivos de que os ativos digitais estão sendo integrados às estruturas regulatórias e legislativas existentes em diferentes partes do mundo. 

Agora que a escala e os benefícios dos ativos digitais são grandes demais para serem ignorados, os governos desses países estão tentando alcançar a Suíça e Cingapura. Este último agora, é casa para prósperos clusters do setor de ativos digitais devido às posições regulatórias e legislativas claras estabelecidas anos atrás.

O ecossistema de ativos digitais não é o velho oeste que já foi. Está amadurecendo, tornando-se mais seguro e mais pode se beneficiar à medida que se torna mais regulamentado.

Este é o mesmo processo pelo qual muitas tecnologias passam quando se tornam “parte do mobiliário”. O uso dessas redes se tornará uma segunda natureza, assim como muitos hoje não pensam mais duas vezes ao usar o Sistema de Posicionamento Global (GPS) para navegar em uma cidade em que nunca estiveram antes.

Escala que se tornou impossível de ignorar


O ecossistema de ativos digitais atingiu um recorde histórico de mais de US$ 3 trilhões em capitalização de mercado em novembro de 2021. Os benefícios que essa nova tecnologia traz – como maior velocidade, acessibilidade e transparência – estão se tornando grandes demais para serem ignorados. Ao mesmo tempo, os riscos potenciais – particularmente relacionados à segurança cibernética e atividades criminosas – são agora bem conhecidos.

O primeiro grande anúncio saiu dos EUA. Em março, a Administração Biden anunciou a “Ordem Executiva para o Desenvolvimento Responsável de Ativos Digitais”. Este é um documento de política que apresenta de forma clara os benefícios e riscos potenciais dos ativos digitais e, em seguida, atribui a várias agências federais a tarefa de investigar e fornecer recomendações sobre como os EUA podem continuar a ser “um líder global, crescente desenvolvimento e adoção de tecnologias digitais”, além de “defender-se contra certos riscos-chave, exigem uma evolução e alinhamento da abordagem do governo dos Estados Unidos aos ativos digitais”.

Não querendo ficar para trás, o Tesouro do Reino Unido anunciou sua intenção de tornar o Reino Unido o 'hub global de criptomoedas'. Embora os detalhes sejam escassos, algumas iniciativas iniciais incluem “legislar para um 'sandbox de infraestrutura do mercado financeiro' para ajudar as empresas a inovar; a realização de uma evento chamado 'CryptoSprint', liderado pela Autoridade de Conduta Financeira (FCA); trabalhar com o Royal Mint em um NFT e a criação de um grupo de engajamento para promover a aproximação com a indústria.”

Finalmente, a proposta Markets in Crypto Assets (MiCA) está sendo discutida por vários grupos de trabalho no Parlamento Europeu. Embora a redação real desta proposta esteja sob constante revisão, se continuar a progredir, será revisada pelo Parlamento, pela Comissão Europeia e pelo Conselho da Europa, no intuito de fornecer à UE uma estrutura unificada para regular os ativos digitais.

Os governos lidam com a nova tecnologia de maneiras diferentes

Cada governo adotará uma abordagem ligeiramente diferente com base em sua própria estrutura política doméstica no desenvolvimento do setor de ativos digitais em sua jurisdição e em outros imperativos políticos.

A abordagem pode levar tempo para se desenvolver e também pode evoluir com o tempo. Isso não é diferente das ondas anteriores de mudança tecnológica.

As ferrovias passaram por uma rodada de esforços legislativos no Reino Unido durante a década de 1840 para aumentar os padrões de segurança para vagões e linhas de trem. O mesmo aconteceu com a segurança automobilística nos Estados Unidos devido, em parte, ao trabalho de Ralph Nader na década de 1960.

A mais recente grande onda de tecnologia, a Internet, ainda está acontecendo. A governança da Internet, a proteção de dados e a privacidade ainda são tratadas de maneira muito diferente nos EUA. Já a União Europeia criou seu Regulamento e Diretiva Geral de Proteção de Dados (GDPR). Isso não aconteceu da noite para o dia - levou duas décadas para que o GDPR fosse desenvolvido e implementado.

Outro exemplo pode ser visto na forma como esse discurso é regulado online. A Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações dos EUA forneceu aos provedores de serviços online um refúgio seguro para a responsabilidade vinculada à conduta de seus usuários em suas plataformas. Isso foi implementado na década de 1990 e é parte do motivo pelo qual tantas empresas de mídia social têm sede nos EUA. Compare isso com a Lei de Serviços Digitais da UE, que é uma iniciativa relativamente nova que só sairá do papel em 2024 – quase 30 anos depois que a internet comercial foi criada. 
 

Pode haver muitas casas para a indústria de ativos digitais

Durante anos, uma pergunta recorrente sobre ativos digitais tem sido “o que acontece se ‘o governo’ proibir?”. Acontece que existem muitos governos – ninguém escolhe como a nova tecnologia será usada em todo o mundo.

Este é particularmente o caso do software de código aberto em um mundo conectado à Internet. Longe de banir os ativos digitais, muitos governos agora estão competindo para ser “a casa” das empresas que usam essa tecnologia.

Os governos que conseguirem encontrar o equilíbrio certo de medidas serão experimentarão uma nova onda de mudanças tecnológicas – incluindo empregos, receita tributária e bem-estar que geralmente a acompanham.

----------
Leia mais: 

Bitcoin, Ethereum e Altcoins deslizam, WAVES dispara

Governos e empresas precisarão desenvolver padrões e regras para o Metaverso - Painel de Davos