19 Set 2021 · 3 min read

Pagamentos com Bitcoin: Por que deixou de ser grande no Japão

Quando se trata de adoção ao bitcoin (BTC), poucos países podem se comparar - pelo menos em termos de compromisso - a El Salvador, uma nação onde agora você pode pagar por tudo em BTC, desde cuidados odontológicos até o tempo em um estúdio de gravação. Mas, antigamente, o Japão era o país em que todos no mundo cripto olhavam com inveja.

Roger Ver, antes conhecido como o "Jesus Bitcoin", afirmou a famosa frase que Tóquio, a capital do país onde ele agora reside, era "a cidade mais amigável do mundo com bitcoins".

Como os tempos mudaram (até Roger mudou para o campo Bitcoin Cash (BCH)). Agora, pagar com bitcoin se tornou uma tarefa difícil na maior parte do Japão, incluindo a capital. Ironicamente, porém, a fome japonesa por BTC não mostra nenhum sinal de cumplicidade.

Nos primeiros dias deste site, Cryptonews.com relatou que os clientes podiam comprar de tudo, desde enguias a óculos, usando BTC.

No entanto, já se foram os dias em que grandes varejistas estavam se atropelando na pressa de começar a aceitar pagamentos cripto. Em vez disso, na verdade, ficou mais difícil gastar seu BTC, mas mais fácil do que nunca comprá-lo. 

A criptomoeda está disponível na maioria das milhares de lojas de conveniência 24 horas do país na forma de cartões pré-pagos, enquanto grandes empresas - incluindo gigantes do comércio eletrônico, operadores de aplicativos de bate-papo e pesos pesados ​​financeiros - lançaram exchanges cripto que conectaram perfeitamente com seus aplicativos e plataformas financeiras.

Depois de um começo tão promissor, os pagamentos com Bitcoin não decolaram no Japão. Enquanto os observadores olhavam para El Salvador, alguns perguntavam por que isso acontecia.

Em uma reportagem do The Sankei News, jornalistas explicaram que após o pico no final de 2017, quando os gigantes do varejo Meganesuper (óculos) e Bic Camera (eletrônicos) anunciaram planos para aceitar BTC nas lojas em todo o país, não houve "grande expansão", exceto para alguns outliers “como shoppings online e restaurantes privados”.

O meio de comunicação citou Takahide Kiuchi, economista sênior do Nomura Research Institute, afirmando que os varejistas achavam que o BTC é muito volátil para ser usado como forma de pagamento. Os autores do artigo sugeriram às empresas japonesas, em vez disso, que voltassem sua atenção para os planos de adoção relacionados ao desenvolvimento da moeda digital do Banco Central (CBDC).

As empresas estão olhando com atenção para o Banco Central do Japão, que começou a pilotar um protótipo digital do iene em abril deste ano.

Kiuchi afirmou:

“Se um CBDC altamente confiável fosse introduzido e amplamente adotado, os benefícios da digitalização, como as inovações da sociedade sem dinheiro, levariam à revitalização econômica.”

Stablecoins locais também foram sugeridos como uma solução para o excesso de dependência do Japão de dinheiro como forma de pagamento. É uma ironia que o dinheiro ainda seja o rei em um país tão tecnologicamente avançado como o Japão. O Japan Times relatou que apenas 27% dos pagamentos foram feitos sem dinheiro em 2019, com o restante sendo todos feitos em notas e moedas. A pandemia de coronavírus e as iniciativas de pagamento sem contato afetaram isso, com um aumento notável nas compras online.

Mas há ainda uma montanha para escalar, se é que o governo pretende atingir a meta de 40% de pagamentos sem dinheiro em 2025.

A mesma mídia também apontou para o hack do Coincheck, que polarizou a opinião da maioria das pessoas em cripto e desestimulou muitas empresas japonesas à ideia de adoção.

Independentemente disso, nem todo mundo abandonou a ideia de aceitar o pagamento BTC completamente. No início deste ano, a gigante do varejo Rakuten anunciou que permitiria a seus clientes recarregar suas contas de pagamento eletrônico com bitcoin.

E se a revolução do bitcoin disparada em El Salvador vier bem, talvez as empresas japonesas se inspirem nos pagamentos em BTC mais uma vez. A infraestrutura, em muitos casos, ainda está em vigor. A última peça e a mais elusiva do quebra-cabeça, sem dúvida, é reconquistar corações e mentes: reconquistar a crença popular nas credenciais de pagamento do BTC.