10 Jun 2022 · 1 min read

Previdência Privada em criptomoedas é realidade distante no Brasil

Desde que o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos agiu para impedir a incorporação de criptomoedas na opção dos planos de aposentadoria privados, conhecidos como 401 (k) - plano previdenciário com menos impostos para funcionários de empresas privadas - o debate sobre esse modelo chegou à pauta dos governos, inclusive no Brasil. 

A falta de normatização no país em relação às criptomoedas, segundo a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi), é o principal entrave para o avanço desse modelo.

 Enquanto a discussão nos Estados Unidos esquenta, com a reação de senadores e congressistas, a maior administradora de planos de previdência dos Estados Unidos, a Fidelity Investments, aguarda um posicionamento mais favorável à adoção do novo modelo. 

A empresa, em parceria com a MicroStrategy, conhecida como “a maior acumuladora de Bitcoins”, planeja oferecer a opção aos seus funcionários ainda este ano. 

Realidade distante no Brasil 

Ainda que pautado em regime de urgência na Câmara dos Deputados, o marco regulatório das criptomoedas, continua sem avanços, deixando para um futuro muito distante a possibilidade de planos de aposentadoria complementar adotarem criptoativos.

A  Fenaprevi reforça que sem legislação específica, fica inviável a entrada das aposentadorias nesse mercado. 

--------

Leia mais:

13% dos canadenses tinham Bitcoin em 2021, acima dos 5% em 2020

Bolsa brasileira de criptomoedas Foxbit é forçada a pagar o cliente em alegação 'perdida' do Ethereum