. 9 min read

Como investir em créditos de carbono

AA..3

O aprofundamento da consciência da ameaça representada pela Mudança Climática deve aumentar o apelo dos créditos de carbono, seja como fruto de investimentos voluntários, seja como produto de novas ou mais severas medidas governamentais

Nessa situação, residem interessantes oportunidades para quem sabe como investir em créditos de carbono. Neste artigo, discutiremos como investir em créditos de carbono em 2022.

Como investir em créditos de carbono em 4 passos

Para começar a investir em créditos de carbono, é possível, por exemplo, usar a conhecida corretora eToro para comprar ativos dessa classe. Uma maneira de realizar isso é comprar cotas do fundo KraneShares Global Carbon ETF, de que trataremos em mais detalhes mais à frente.

Passo a passo de como investir em créditos de carbono na eToro

1. Abrir conta na corretora eToro

Entre no site da eToro. Então Clique no botão “Comece a Investir”. Com isso, você verá uma página com um formulário que deve preencher com seus dados. Além disso, deve ler os Termos e condições e assinalar o espaço apropriado para indicar concordância. Feito isso, aperta o botão “Aderir” para transmitir suas informações. 

2. Selecionar KraneShares Global Carbon ETF

Ir a https://www.etoro.com/markets/krbn para investir no KraneShares Global Carbon ETF, um fundo que investe em contratos de emissão de carbono no mercado futuro.

3. Realizar a transação

O investidor deve agora clicar no botão “Investir” e informar os dados (por exemplo, valor) relativos à transação e confirmá-los, efetivamente realizando a compra das cotas do ETF.

O que são ETFs?

Esta é apenas uma das opções interessantes para começar a investir em créditos de carbono, boa para iniciantes por ser através de um EFT. Para quem ainda não conhece, um ETF trata-se de um fundo de investimento, ou seja, pode-se fazer a analogia com uma cesta, onde o ETF é uma cesta com vários ativos dentro.

Dessa forma, ao comprar uma cota de um ETF como o KraneShares Global Carbon ETF, você estará adquirindo participação em todos os investimentos em que o fundo aplica. Isso é interessante no começo, pois é uma forma barata de diversificar seus investimentos. 

Ademais, os ETFs contam com uma equipe de gestão profissional, sendo assim, você pode investir em ativos selecionados por quem conhece do assunto. Por estas razões os ETFs costumam ser uma boa porta de entrada para o mundo dos investimentos. A medida que você for adquirindo mais conhecimento e conhecendo melhor o mercado, pode fazer suas próprias análises e focando os investimentos em ativos individuais.

Dicas para investir em créditos de carbono no Brasil com segurança

A seguir, apresentamos três dicas sobre como investir em créditos de carbono com segurança.

1. Pesquisar sobre o ativo em que está interessado

Isso vale para qualquer investimento, mas é especialmente relevante para o quer saber como investir em créditos de carbono com segurança. É importante que o investidor entenda a natureza do ativo (fundo, contrato futuro, criptomoeda, etc.) que está comprando, seu funcionamento e seu histórico. Procurar as opiniões de analistas e veículos confiáveis sobre ele pode ser bastante útil.

Caso se trate de um contrato futuro, por exemplo, o investidor tem de que ter certeza que compreende suas implicações. Caso seja um fundo, é importante que ele tenha uma ideia de que tipo de ativos o compõe, além de dar uma olhada mais de perto ao menos nas maiores posições do fundo.

É essencial verificar a confiabilidade do vendedor e/ou emissor do ativo, bem como do mercado ou intermediário, se houver, que efetua a transação. Exemplos de corretoras consideradas confiáveis são eToro, Binance e Libertex. Mercados como Intercontinental Exchange, do Chicago Mercantile Exchange ou New York Mercantile Exchange desfrutam de respeito. Então certifique-se de verificar se as plataformas são realmente confiáveis. 

2. Ficar atento ao mercado

É essencial ficar de olho em regulações, que está entre os maiores impulsionadores do mercado de crédito de carbono, tecnologias novas surgem enquanto outras se tornam obsoletas, as condições do mercado, etc. Inclusive vale salientar que as condições macroeconômicas que ditam boa parte do comportamento dos investidores. Também tenha em mente que as preocupações da sociedade variam com o passar do tempo em natureza e em intensidade.

Um investimento que mantinha bom desempenho pode passar a apresentá-lo mau, e um que há muito se desvalorizaram ou marcava passo, pode passar a destacar-se favoravelmente. É necessário, tanto quanto possível, entender as tendências que estão movendo os investidores, seu capital e, com ele, os preços e cotações dos ativos.

Acompanhar a trajetória dos ativos e ler as notícias e as análises análises em publicações e sites especializados pode fornecer importante peças do quebra-cabeça do mercado de créditos de carbono. No fim das contas, mesmo sendo algo essencialmente em busca da melhoria do planeta, o mercado de créditos de carbono segue as mesmas diretrizes dos mercados tradicionais, o que torna as verificações acerca do mercado igualmente importantes. 

3. Pensar em termos de portfólio

Em cada classe, escolha os de melhor qualidade e, presumivelmente, menor risco. Nem sempre as ofertas que parecem mais atraentes em termos de rendimentos prometidos ou previstos sãos os melhores para o investidor. Isso vale, especialmente para o inexperiente, que quer saber como começar a investir em créditos de carbono.

6 melhores créditos de carbono para investir agora

1. European Union Allowance (EUA) Futures Contracts

O investidor interessado em aprender como investir em créditos de carbono em 2022 pode se interessar pelo The European Union Allowance (EUA). Trata-se de um programa de concessão de permissões de emissão de gases causadores do efeito estufa.

Cada unidade de EUA permite a seu detentores a emissão de uma tonelada de dióxido de carbono. É possível comprar os contratos futuros relativos a essas permissões, que são denominados em euros e são acessíveis através de corretoras como a eToro.

2. Vitreo Carbono

Para quem quer aprender como investir em créditos de carbono no Brasil, a existência de um fundo brasileiro que investe em créditos de carbono pode ser bastante interessante. Especialmente para o interessado em como investir em créditos de carbono com pouco dinheiro, o investimento mínimo nele é de 100 reais.

O fundo Vitreo Carbono, da gestora de patrimônio Vitreo, investe em contratos futuros de crédito de carbono europeus negociados através de ICE ECX Emission, ou seja, a empresa European Climate Exchange, que foi adquirida pela Intercontinental Exchange, Inc.

Como argumentam os defensores da Vitreo Carbono, os créditos em que ele investem têm demanda restrita enquanto a compra pelas empresas emissoras de gases do efeitos estufa é compulsória. Isso cria um efeito que favorece a valorização dos contratos. Por exemplo, nos quase três anos entre maio de 2018 e abril de 2021, o crédito de carbono valorizou-se 187%.

Como investir em créditos de carbono no Brasil nesse caso é bem fácil, pois o investimento no fundo Vitreo Carbono pode ser feito através da plataforma digital do BTG Pactual. 

 3. KraneShares Global Carbon ETF

ETFs são fundos negociados na Bolsa de Valores (por exemplo, na B3 brasileira ou na Bolsa de Valores de Nova Iorque). Eles selecionam os ativos que o compõem de modo a emular o desempenho de um índice (por exemplo, do mercado acionário ou do mercado de obrigações).

No caso do KraneShares Global Carbon ETF, o fundo emula o desempenho do IHS Markit’s Global Carbon Index. O índice contempla os ativos mais líquidos (ou seja, mais negociados e por isso mais fáceis de vender) do mercado futuro de créditos de carbono. 

Segundo a S&P Global, empresa especializada no fornecimento de informações e análises financeiras que administra o IHS Markit’s Global Carbon Index, os critérios são conhecidos e facilmente replicáveis, o que confere a ele transparência. Além disso, os dados que o alimentam são apurados e conferidos de maneira rigorosa, o que, em tese, garante a representatividade do índice.  

4. California Carbon Allowance (CCA) Futures Contract

O programa California Carbon Allowance (CCA) é um programa do tipo “cap and trade”, ou seja, existe um limite para as emissões das empresas que podem comprar ou vender permissões conforme sua necessidade de emitir gases do efeito estufa seja maior ou menor do que a cota que lhes foi destinada. Ele inclui o estado de Califórnia e, desde o ano de 2014, a província canadense do Quebec.

São emitidos mensalmente contratos futuros relativos às permissões de emissão totalizando cerca de US$ 1,5 bilhões de dólares. Eles podem ser negociados através da Intercontinental Exchange, do Chicago Mercantile Exchange ou do New York Mercantile Exchange.

Como o desempenho desses contratos futuros mostra pouca correlação com os desempenhos de outras classes de ativos, a inclusão deles no portfólio do investidor que deseja descobrir como investir em créditos de carbono pode ter um efeito de diversificação bem-vindo.

5. UK Allowance (UKA) Futures Contract

Outro tipo de contrato futuro para investir em créditos de carbono, é aquele que faz parte da UKA (United Kingdom Allowance), programa que abrange o Reino Unido. Apesar de ter sido lançado em tempos relativamente recentes, os contratos futuros do programa UKA constituem uma boa opção.

Esses contratos, cada um dos quais dá direito à emissão de 1000 toleladas de dióxido de carbono, podem ser negociados através da empresa Intercontinental Exchange.

Como em outros casos similares, as exigências do governo (no caso, do Reino Unido) de restrições à emissão de dióxido de carbono e outros gases causadores do efeito estufa, bem como a quantidade fixa de permissões disponíveis aos emissores tendem a favorecer a valorização, com o passar do tempo, dos contratos futuros de direitos de emissão.

Não é garantido que o valor desses papéis suba, mas é uma forte possibilidade tendo em vista o equilíbrio que existe entre oferta e procura.

Criptomoedas ou ETFs: Qual a melhor maneira de investir em créditos de carbono?

Além de fatores objetivos, há de se considerar o perfil de cada investidor, fatores como sua tolerância a risco vão influenciar muitas das decisões no mundo dos investimentos. Entretanto, algo que pode ser considerado bom para todos os investidores é a diversificação.

Diante disso, você não necessariamente precisa escolher entre os dois, mas pode criar uma carteira de investimentos diversificada, com vários ativos que cumpram cada um sua função dentro da sua carteira. Os ETFs, podem entrar como a parte do portfolio que visa maior estabilidade, pois contam com equipes gestoras profissionais que focam em investimentos seguros, o que consequentemente entrega um retorno menor, porém, mais previsível.

Por outro lado, o investimento em criptomoedas pode trazer retornos “astronômicos”, contudo, assim como em qualquer investimento de renda variável, a possibilidade de retorno é diretamente proporcional ao risco. O que pode causar um efeito devastador em sua carteira de investimentos caso a mesma não esteja bem balanceada.

Levando tudo isso em consideração, provavelmente a melhor aposta seja colocar uma parte maior dos investimentos em créditos de carbono em ETFs, uma parte em contrato futuros e uma porcentagem menor em tokens.

Mas sem deixar de considerar que os investimentos em crédito de carbono devem corresponder a apenas uma parte dos seus investimentos totais. Pois assim como se deve diversificar em ativos diferentes, sua concentração em setores também deve ser o mais variada possível.

 

---------------------