31 Mai 2022 · 5 min read

10 grandes empresas brasileiras que já adotaram as criptomoedas

A adoção de criptomoedas está em marcha no Brasil – onde o governo praticamente incentivou a mineração ao isentar o imposto sobre as importações de plataformas de mineração.

E depois que um grande incorporador imobiliário revelou que começará a aceitar bitcoin (BTC) como pagamento por novos apartamentos (veja abaixo), o meio de comunicação brasileiro Exame listou nove “grandes” empresas domésticas que buscaram entrar no mundo das criptomoedas – à medida que mais brasileiros e empresas do país procuram entrar em um futuro baseado na Web 3. 

Mas a velocidade de adoção no país é tão rápida que, mesmo ao criar este artigo, outro grande player anunciou que iniciaria sua própria jornada nas criptomoedas, aumentando a lista para 10!

  • 99 -- A lista do Exame começa com um unicórnio tecnológico – um aplicativo de aluguel de táxis e veículos que foi fundado em São Paulo e hoje atende cerca de 300 cidades brasileiras. Embora tenha sido comprada pela gigante chinesa de aluguel de carros ‎Didi Chuxing (também conhecida como DiDi) em 2017, sua plataforma de pagamento eletrônico 99 Pay revelou recentemente que está procurando oferecer serviços financeiros relacionados a BTC e altcoin.
  • BTG Pactual – O maior banco de investimento do Brasil (e da América Latina) lançou o Mynt – uma plataforma de negociação de criptomoedas – em 2019 e já havia liderado o espaço com uma variedade de fundos negociados em bolsa (ETFs) com temas de criptomoedas.
  • Empiricus – Esta editora financeira deu o “mergulho de cabeça” nas criptomoedas – e agora lista as criptomoedas como uma de suas três maiores avenidas de negócios. Ela opera um ETF de criptomoedas e também investiu parte de seu patrimônio em um fundo de criptomoedas operado pela empresa doméstica Vitreo.
  • Mesmo -- Esta empresa é a OG do mercado imobiliário de criptomoedas no Brasil e, graças a um acordo com a exchange doméstica Mercado Bitcoin, já vendeu cerca de US$ 210.000 em propriedades em criptomoedas. Aceita BTC e Ethereum (ETH) para todas as propriedades que vende.
  • Gafisa – Como relatado anteriormente, a Gafisa – outra gigante do setor imobiliário – é recém-chegada à criptomoeda, mas está de olho no setor há mais de um ano. Ele oferecerá inicialmente 437 apartamentos à venda via BTC pay – mas provavelmente seguirá o exemplo da Even e permitirá que todos os clientes paguem em criptomoedas pelos imóveis que desenvolve. A empresa fez parceria com a exchange de criptomoedas Foxbit no projeto.
  • Havaianas -- A gigante dod calçados iniciou sua jornada criptográfica com um projeto de token não fungível (NFT): a empresa se uniu ao designer digital Adhemas Batista para uma venda NFT em 2021.
  • Reserva -- Outro gigante da moda que tomou a rota do NFT ultimamente, a Reserva “ganhou a mesma quantia de um mês inteiro de vendas em suas lojas físicas” com sua queda mais recente – com suas NFTs esgotando em apenas 50 minutos. A empresa também começou a aceitar pagamentos em BTC em 2018.
  • Nubank - Também relatado por Cryptonews.com, este neobanco em ascensão começou recentemente a oferecer a seus clientes acesso comercial a um número selecionado de criptoativos - com o objetivo de permitir um lançamento completo a todos os seus clientes num futuro próximo. O Nubank também investirá 1% de seu patrimônio em uma compra de BTC por meio de sua holding Nu Holdings.
  • Méliuz -- Este é um provedor de programas de fidelidade e cashback que tomou um caminho mais indireto para o mundo das criptomoedas – ao adquirir o Acesso Bank, a instituição financeira que realiza transações relacionadas a exchanges de criptomoedas no Brasil.
  • São Paulo FC - Um dos maiores clubes do futebol mundial, esta potência esportiva fez história esta semana ao se tornar o primeiro time brasileiro a aceitar o pagamento de cripto para ingressos de jogos em seu icônico Estádio do Morumbi. Em um relatório, a Exame observou que São Paulo agora aceitaria BTC e “outros criptoativos” após um acordo com a exchange de criptomoedas Bitso, que também é uma das patrocinadoras do clube. O clube aceitará uma variedade de tokens exóticos – incluindo os memecoins dogecoin (DOGE) e shiba inu (SHIB). Inicialmente, apenas os membros do fã-clube poderão usar as opções de pagamento de criptomoedas, mas isso provavelmente será expandido em breve para vendas gerais, explicou o meio de comunicação.

A Exame também apontou que empresas menores também são muito ativas no espaço criptográfico. Ele fez menção a startups, incluindo uma empresa de cannabis, uma fabricante de roupas íntimas absorventes e ainda outra empresa imobiliária – a última das quais agora está fazendo uma parte de seus negócios no metaverso da Decentraland.

O meio de comunicação observou ainda que uma pesquisa recente do provedor de carteiras CoinsPaid na região da América Latina mostrou que os consumidores têm uma atitude “positiva” em relação às empresas que aceitam criptomoedas como forma de pagamento.

____

Leia Mais:

Nova geração de investidores de criptomoedas assume a responsabilidade, diz investidor de tecnologia

2 em cada 10 pessoas em El Salvador ainda usam a aplicação Chivo Bitcoin do governo - Pesquisa