04 Out 2022 · 4 min read

80% dos mineradores de Ethereum jogam a toalha após o merge - Preço do ETH cai 7%

O recente merge da Ethereum atingiu diretamente os mineradores do Ether, token da rede. O Hash rate é basicamente o poder computacional sendo aplicado à mineração e às transações em redes de blockchain que usam mecanismos de consenso do tipo Proof-of-Work. 

O site 2miners é dedicado ao acompanhamento dessa estatística. O referido site divulgou dados que parecem indicar que oito em cada dez mineradores de Ether, que é o token nativo da rede Ethereum, cessaram suas atividades depois do merge.

Merge alterou mecanismo de consenso da rede Ethereum

No dia 15 de setembro, finalmente aconteceu o merge que era tão esperado e havia sofrido alguns adiamentos. Esse processo de upgrade marcou a transição da rede Ethereum do mecanismo de consenso Proof-of-Work para o Proof-of-Stake, que tem como uma de suas vantagens um consumo 100 vezes menor de energia.

No entanto, como o mecanismo de consenso Proof-of-Stake não exige a mineração para verificar as transações, há dúvidas quanto ao que os mineradores de Ether farão com o caro hardware que vinham usando em sua atividade. Estima-se que eles já desativaram o equivalente a 5 bilhões de dólares em equipamentos.

Uma possibilidade é que vendam o poder computacional para outros empreendimentos. No entanto, o ex-minerador Christian Ander disse ao site Cointelegraph, especializado em criptomoedas, que se trata de uma opção consideravelmente menos lucrativa do que minerar Ether era. Ele afirmou não saber ainda o que fará.

Mineração de outras criptomoedas é alternativa para mineradores

Outra possibilidade é passar a minerar outras moedas, ou vender o equipamento a quem deseje fazê-lo. O ex-minerador de Ether Kevin Aguirre disse ao Cointelegraph que vendeu seu hardware a um ex-parceiro para esse fim.

Um alvo pode ser o token da rede Ethereum Classic, o ETC, que assistiu a uma disparada de sua cotação no último mês: 150%. Dito isso, há quem defenda que o ETC poderá ter um papel importante no futuro próximo e talvez venha a satisfazer os ex-mineradores de Ether. 

Por exemplo, Aydin Kilic, presidente da Hive Blockchain, o primeiro empreendimento de mineração de criptomoedas com ações negociadas, afirmou enxergar valor intrínseco em uma blockchain amplamente descentralizada que faça uso do mecanismo de consenso Proof-of-Work. Para ele, a Ethereum Classic pode ser essa rede, e seu token poder desempenhar um papel importante no mundo das criptomoedas.

Qual a diferença entre Ethereum e Ethereum Classic?

Em 2016, depois de um ataque hacker que roubou 60 milhões de dólares de uma DAO (sigla de Decentralized Autonomous Organization, ou seja, Organização Autônoma Descentralizada), a rede Ethereum foi submetida a um hard fork.

Em consequência do hard fork, a rede dividiu-se em duas: uma delas teve a história reescrita como se o ataque à DAO não tivesse acontecido, e a outra manteve-se inalterada. A primeira ficou com o nome Ethereum, e a segunda passou a ser chamada de Ethereum Classic.

Desde então, na maior parte do tempo, Ethereum Classic atraiu bem menos atenção que sua irmã, mas isso pode estar a caminho de mudar. Seu token tem até sido discutido como um possível destino para os ex-mineradores.

É preciso, contudo, lembrar que a capitalização de mercado de ETC, 5 bilhões de dólares, no início de agosto, corresponde a 2,5% daquela que o Ether possui. Além disso, um minerador de ETC disse ao site The Defiant, que faz cobertura de notícias do mundo das finanças descentralizadas, que está operando no prejuízo e que acredita que tal situação perdurará por tempo considerável.

Previsões para o Ether a curto prazo não são muito animadoras

Um dado interessante é que, a cotação em dólares de Ether está cerca de 15% abaixo de onde estava quando houve o upgrade e, recentemente, chegou a cair mais de 7%. É possível que esta última redução seja uma realização de ganhos que haviam acontecido mais cedo na semana, mas o panorama geral parece ser de certa descrença do mercado nas perspectivas de curto e médio prazo da moeda.

Enfim, ainda não se sabe o que os ex-mineradores de Ether farão. Alguns deles já optaram por uma direção, mas muitos deles ainda não conseguiram decidir ou estão esperando a situação se esclarecer antes de fazer uma escolha se vão ou não continuar com as atividade de mineração. Uma coisa é certa: a rede Ethereum mudou para sempre.

------------ 

Leia mais:

A reação do mercado NFT à fusão do Ethereum


Após a fusão da rede Ethereum, Dogecoin se torna a segunda maior criptomoeda em Proof of Work (PoW)

---------------------

 

---------------------