30 Ago 2022 · 3 min read

Adoção ganha ritmo na América Latina

Source: Adobe/Val Thoermer

 

A adoção de criptomoedas está em marcha no Brasil, onde o Banco Central do país encomendou a um gigante bancário comercial a construção de uma solução DeFi para seu protótipo de moeda digital do banco central (CBDC). Enquanto isso, do outro lado da fronteira na Argentina, uma cidade diz que aceitará pagamentos de impostos feitos com stablecoins atreladas ao dólar – enquanto a capital Buenos Aires também quer entrar na ação.

Em comunicado oficial, o Banco Central do Brasil disse que selecionou o Itaú Unibanco, uma das maiores instituições financeiras comerciais do país, para trabalhar na criação de uma série de stablecoins, incluindo um token atrelado ao real fiduciário.

Esta stablecoin será usada em conjunto com outros tokens atrelados a fiat. Estes serão atrelados a outros grandes decretos globais. Embora os detalhes sejam até agora escassos, parece que o Banco Central quer analisar a maneira como vários CBDCs podem ser usados ​​em plataformas digitais.

O Banco Central chamou o projeto de “pool de liquidez DeFi” e o descreveu como uma “plataforma que permite custódia, câmbio e investimentos alternativos por meio da tecnologia blockchain e contratos inteligentes”.

O Itaú foi solicitado a formular um “caso de uso” que incluirá “criar um pool de liquidez, com tokens que emulam stablecoins que [são atrelados a 1:1] com o real, dólar e outras moedas fiduciárias”.

O Banco Central falou da necessidade de criar uma solução cujas “operações” sejam “semelhantes às soluções de liquidez DeFi que atualmente operam no mercado [de criptoativos]”.

O Banco Central também pediu ao Itaú e a vários outros players tradicionais de finanças e cripto-espaço para trabalhar em uma série de projetos relacionados a criptomoedas e blockchain. Os projetos são idealizados pelo Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas do banco.

O Banco Central pediu a uma empresa que trabalhasse em “uma ponte” que permitiria que seu protótipo real digital interoperasse com outras redes blockchain existentes – usando a blockchain Celo (CELO). Outra empresa foi solicitada a criar “uma solução para tokenizar ativos no blockchain para descentralizar os riscos de crédito”.

Enquanto isso, Ambito informou, junto com o Infobae, que a cidade argentina de Mendoza começou a aceitar pagamentos de impostos em várias stablecoins.

A cidade, famosa como um centro produtor de vinho, anunciou que havia “incorporado nova tecnologia” em sua “plataforma de processamento de pagamentos” que “agora permite que os contribuintes usem criptomoedas para pagar seus impostos”.

No entanto, stablecoins não são consideradas criptomoedas, e parece que a cidade não está pronta para mergulhar no bitcoin (BTC) – e só aceitará pagamentos feitos em DAI, tether (USDT), USD coin (USDC) e outras principais moedas indexadas ao dólar.

A cidade parece ter superado a capital Buenos Aires para o posto com sua nova medida de adoção – os meios de comunicação explicaram que uma iniciativa semelhante na capital está em fase de conclusão.

As autoridades da cidade foram citadas afirmando que "estão trabalhando para que isso aconteça o mais rápido possível. Estamos apenas esperando as exchanges [de criptomoedas domésticas] para nos ajudar a implementar essa medida".

Diego Fernández, Secretário de Inovação e Transformação Digital de Buenos Aires, foi citado como tendo afirmado:

“Falar sobre criptomoeda é falar sobre inovação, liberdade e oportunidade. Usando a tecnologia, surgiram novas formas de pagar e economizar. Queremos que as pessoas possam pagar [seus impostos] usando as ferramentas que já utilizam.”

____
Leia mais:

AVAX sobe após fundador negar acusações

Senado brasileiro quer contratar especialistas em criptomoedas

---------------------