Ainda há esperança para 4 exchanges na Coreia do Sul, outros players desistem

Tim Alper
| 2 min read

O turbilhão de fechamentos de exchanges cripto na Coreia do Sul parece estar prestes a chegar ao auge essa semana – com mais grandes exchanges anunciando fechamentos ou suspensões temporárias antes de um prazo regulamentar que se aproxima na próxima sexta-feira. Mas pode haver ainda esperança, com o número de exchanges prontas para solicitar licenças definido para o dobro.

Para se candidatar a autorizações de operação, as exchanges devem garantir serviços bancários autenticados por nome real com um banco doméstico e certificação de sistema de gerenciamento de segurança de informação (ISMS). Cerca de 30 plataformas garantiram o último, mas o primeiro está se revelando um assunto muito mais espinhoso. Os bancos estão extremamente relutantes em fazer negócios com as exchanges depois de serem informados de que devem absorver o risco de possíveis hacks, lavagem de dinheiro e fraude nas plataformas das exchanges de criptomoedas de parceiros.

As quatro maiores exchanges do país (Bithumb, Upbit, Korbit e Coinone), que já oferecem serviços bancários em nome real para seus clientes, já enviaram seus pedidos. Mas a grande maioria das 60-90 exchanges da Coréia do Sul deve fechar ou suspender temporariamente as negociações utilizando moeda fiduciária, à medida que continuam a procurar parceiros bancários.

No entanto, recentemente, o Chosun Ilbo relatou que um grupo de quatro plataformas de negociação, a saber Gopax, GDAC, Hanbitco e Huobi Coreia, afirmaram que “será capaz de se registrar depois de garantir uma parceria de conta bancária em nome real pelo prazo final em 24 de setembro.”

Independentemente disso, outras grandes plataformas estão menos confiantes: Flybit, IBEX, Coredax e cerca de cinco outros se juntaram a empresas como a Foblegate anunciando que só oferecerão negociações cripto-para-cripto à medida que buscam soluções bancárias, enquanto a mesma mídia acrescentou que outras plataformas ligeiramente menores como ChainX anunciaram recentemente que fechariam seus negócios para sempre.

Mais políticos sul-coreanos passaram a criticar o governo e a regulamentação da Comissão de Serviços Financeiros (FSC) por causa da “crise de desligamento”. De acordo com Gukjae News, o MP Cho Myung-hee da oposição empresarial pró-cripto lançou um ataque violento ao governo, rotulando Seul de “irresponsável” e perguntando “Quem será o responsável pelo fechamento em massa de exchanges e os danos subsequentes aos seus clientes?”

Ela também pediu a extensão do período de carência para exchanges:

“Não é tarde para fazer uma investigação precisa e analisar os danos industriais que serão causados ​​pelo fechamento de exchanges [cripto], para ouvir mais vozes do setor, e adotar medidas que promovam o desenvolvimento industrial e, ao mesmo tempo, protejam os clientes. O futuro não pode ser regulamentado.”

Enquanto isso, a notícia parece ter desencadeado uma queda acentuada nas aberturas de novas contas em exchanges cripto domésticas. O Munhwa Ilbo relatou isso, após um grande aumento no número de clientes que usam as quatro maiores exhanges no primeiro trimestre do ano, o número de novos clientes em todas essas exchanges “despencou em mais de 90% no segundo trimestre”.

O mesmo meio de comunicação acrescentou que a quantidade de dinheiro que os novos clientes estavam depositando em suas carteiras recém-criadas também estava diminuindo, com exceção do Bithumb, que viu um aumento de 21% no tamanho dos depósitos de novos usuários, as três plataformas restantes viram os depósitos de novos usuários diminuir em 89-95%.