Após falência, FTX afirma que será capaz de reembolsar os credores – Total chega a US$ 11 bilhões

Killian A.
| 4 min read

A falida exchange FTX afirma que pretende ressarcir os seus credores e reembolsar todas as pessoas que foram vítimas do seu colapso, ocorrido no ano de 2022. O total estimado para a FTX devolver às vítimas chega a cerca de US$ 11 bilhões.

John Ray III substituiu Sam Bankman-Fried no cargo de presidente-executivo da FTX logo após o seu colapso. Ele disse que o reembolso pode ser viável com a venda da exchange e do restante dos seus ativos. O atual presidente-executivo da FTX acredita que isso poderia render mais de US$ 16 bilhões de dólares.

O valor que John Ray III acredita que pode obter com venda da exchange e do restante dos seus ativos está acima das dívidas da empresa. Por isso, o plano de John Ray III engloba a devolução de 100% dos valores dos pedidos de falência, acrescido de juros para credores não governamentais.

Alta do Bitcoin pode ajudar a FTX a devolver o dinheiro dos credores da empresa


Um dos fatores que contribui para a proposta de John Ray III é o fato de as dívidas da FTX serem em dólares. Além disso, muitos dos ativos possuem valor altamente especulativo.

Dessa forma, a valorização do Bitcoin, por exemplo, contribui com a proposta de devolução de valores feita pela FTX. Isso porque, na época do colapso da exchange, no final do ano de 2022, um BTC valia cerca de US$ 20.000. Agora, cada BTC é vendido por valor superior ao triplo disso.

Alguns dos principais especialistas sugerem que o Bitcoin já atingiu seu pico em US$ 70 mil neste ciclo de alta. Como resultado, o BTC pode encontrar algumas dificuldades para chegar a US$ 100 mil ainda este ano.

Outro impulsionador do preço do Bitcoin e das demais criptomoedas é o recente halving.  No momento de redação deste artigo, o Bitcoin (BTC/USD) revela uma leve tendência de baixa. O preço está em US$ 61.098. Isso reflete uma queda de 0,61%. A previsão de preços do Bitcoin está abaixo de US$ 61.764, o que indica uma potencial continuação da tendência de baixa.

Presidente-executivo da FTX quer ressarcir as vítimas


John Ray III, na condição de presidente-executivo atual da FTX, quer que os credores da FTX possam receber de volta o dinheiro que perderam. Dentre eles estão os ex-usuários da plataforma.

O atual presidente-executivo da FTX é um advogado especialista em reestruturação corporativa e entrou como CEO da exchange de criptomoedas FTX logo após o seu colapso.

O executivo John Ray III é um advogado com mais de 40 anos de experiência na área. Devido a isso, já participou de algumas das mais complicadas falências registradas na história. Também é conhecido por seus esforços na recuperação dos fundos das empresas. Mesmo assim, em termos práticos, as vítimas do colapso da FTX podem não ficar satisfeitas com a proposta de Ray.

Isso porque os investidores perderam as suas participações em criptomoedas, que tinham preços baixos da época, mas que subiram recentemente. Ou seja, as vítimas da FTX podem não ficar satisfeitas por terem deixado de obter os ganhos recentes.

A FTX também tem se fortalecido em razão da sua grande participação na startup de inteligência artificial Anthropic.

A referida startup é formada por um grupo de ex-funcionários da OpenAI. São pessoas que se demitiram após divergências com o ex-presidente-executivo, Sam Altman. A exchange vendeu essa participação em março deste ano, por US$ 824 milhões.

Relembre o caso do colapso da FTX que culminou na condenação de Sam Bankman-Fried


Sam Bankman-Fried é um empresário americano. Ele fundou a exchange de criptomoedas FTX. Nos últimos anos, foi apontado como o responsável por aplicar um golpe de mais de US$ 10 bilhões nos investidores da FTX e foi condenado a 25 anos de prisão.

Em razão do golpe que Sam aplicou, os investigadores do processo acreditam que os clientes da exchange FTX perderam cerca de US$ 8 bilhões. Os investidores de capital da empresa podem ter perdido mais de US$ 1,7 bilhão. Os outros prejudicados foram os credores do fundo de hedge Alameda Research, que perderam, aproximadamente, US$ 1,3 bilhão.

O ex-CEO da FTX recebeu acusações de ser o responsável por todo este prejuízo. Isso porque Sam teria sido o orquestrador de um esquema abrangente para roubar até US$ 10 bilhões dos clientes do FTX. De acordo com a promotoria, Sam gastou o dinheiro em projetos como investimentos de capital de risco, contribuições políticas e compras de imóveis de luxo nas Bahamas, onde a FTX estava baseada.

Outras acusações

Sam Bankman-Fried também foi acusado de criar um esquema secreto no código da FTX. Isso permitiria, em tese, que um fundo de hedge fundado por Sam, a Alameda Research, obtivesse bilhões de dólares em fundos de clientes.

Em seu julgamento, Sam Bankman-Fried se declarou inocente. Alegou sua inocência em relação a sete acusações de fraude, conspiração e lavagem de dinheiro.

Sam também afirmou diversas vezes que não conseguia se lembrar de muitos dos momentos importantes mencionados na narrativa da promotoria sobre o colapso da exchange FTX.

O ex-executivo também argumentou que o reembolso para todas as vítimas deveria ser levado em consideração para atenuar a sua pena. Porém, o juiz Lewis Kaplan, responsável pelo caso, rejeitou a alegação de Sam Bankman-Fried. Isso porque considerou ser enganosa, logicamente falha e especulativa. A proposta de devolução feita por John Ray III ainda requer aprovação dos tribunais. Isso deve ocorrer antes que os fundos possam ser distribuídos aos ex-depositantes da FTX.


 

Leia mais: