Arthur Hayes acredita que a dinâmica de preços do BTC pós-halving pode ser negativa

Killian A.
| 4 min read

Com a proximidade do halving do Bitcoin, diversas projeções de preço e análises de mercado estão surgindo. Uma delas veio do bilionário e cofundador da BitMEX, Arthur Hayes. Ele acha que a dinâmica de preços do BTC após o halving pode ser instável e até mesmo negativa.

Essa visão é contrária a de que grande parte dos especialistas, os quais acreditam que o BTC pode ter bons rendimentos após o halving. Grande parte desses analistas de mercado se baseia no histórico dos halvings anteriores, quando o token teve um crescimento considerável mesmo dias após a queima.

A visão de Hayes leva em conta o mercado atual. Ele cita que o crescimento do BTC antes do halving, como está acontecendo agora, pode ser negativo após a queima. Isso porque o aumento de preço atual é resultado da procura por BTC na esperança de que o evento aumente o preço.

Consequentemente, quando a data do halving chegar, há uma grande chance de que os investidores vendam seus tokens rapidamente. A opinião do CEO foi exposta em um blog pessoal, com publicação no último dia 08 de abril.

O dólar americano pode afetar o mercado de criptomoedas

Em suma, um dos fatores de preocupação para o CEO da BitMEX é a produção e circulação da moeda americana. Para ele, a moeda centralizada dos Estados Unidos está se tornando escassa e isso tem prejudicado a liquidez da economia. Com a economia prejudicada e a liquidez comprometida, há grandes chances de que os investidores passem a procurar mais investimentos alternativos.

Dentre esses investimentos, as commodities e as criptomoedas são os mais procurados. Por força dessa visão, Hayes decidiu que não vai negociar usando a moeda americana até maio deste ano. A decisão de abster-se abrange o período de 15 de abril até 1 de maio. A primeira data é o prazo final para pagamento de imposto no país.

Já o dia 1° de maio é a data em que o Federal Reserve vai se reunir para discutir o cenário econômico. Para o CEO, o dia da reunião do Federal Reserve é um ponto de viragem no atual cenário. A data marca o fim de um período complicado da economia, retornando o cenário para um estado de maior liquidez. Com isso, ele acredita que o FED tomará medidas para aumentar o preço dos ativos e incentivar os investimentos.

Outras figuras importantes do mercado seguem otimistas

A visão de Hayes não é o padrão para o momento. Outros CEOs e especialistas do mercado seguem acreditando que o preço do BTC pode superar as expectativas após o halving. Esse é o caso do CEO da Ripple, Brad Garlinghouse, que prevê que o valor das criptomoedas pode dobrar ainda esse ano. Para ele, o grande impulso de valores veio por causa dos ETFs de criptomoedas.

Nesse sentido, após anos de espera por esse tipo de investimento, é natural que o mercado faça uma aposta alta na nova possibilidade de rendimentos. Além disso, os ETFs são mais fáceis de acessar e investir, devido aos preços. Para Brad, o halving do Bitcoin que se aproxima também é um fator de impulso.

Já Mateo Grego, por exemplo, analista da Fineqia, espera que o preço do BTC se mantenha próximo dos US$ 75 mil até a data do halving. Para ele, essa dinâmica de aumento até o evento é normal e pôde ser vista nos eventos anteriores. Inclusive, ele acredita que o preço do token pode ter influência desde a queima até 18 meses após o halving, oscilando entre picos de maior ou menor preço.

Essa onda de ânimo dos CEOs e especialistas pode estar centrada nas movimentações do mercado neste ano. Desde janeiro, os investidores movimentaram mais de US$ 646 milhões em produtos derivados das criptomoedas. Esse valor já supera os níveis registrados em 2023, mesmo sem chegar no final do primeiro semestre e a data estimada para o halving.

Atual dinâmica de preços do Bitcoin

É inegável que o BTC tem sentido a influência do halving e do lançamento dos ETFs de Bitcoin. Desde o final do ano, o token tem mostrado uma maior estabilidade de preço, ultrapassando níveis de resistência cada vez mais elevados. Em janeiro deste ano, por exemplo, o BTC deu um salto de preço e passou a ser vendido por mais de US$ 40 mil.

Depois disso, o token não regrediu de preço e, portanto, não voltou a ser comercializado na faixa de US$ 30 mil. Depois disso, o Bitcoin conseguiu firmar seu valor em preços cada vez maiores. Isso resultou na marca histórica de valor, quando o ativo chegou a US$ 73.737,94 em 14 de março. Mesmo com uma maior oscilação decorrente da proximidade do halving, os tokens ainda estão sendo vendidos por mais de US$ 70 mil.

Nas últimas 24 horas, o BTC teve um aumento pequeno, de 0,8%. Porém, considerando o movimento dos últimos sete dias, o crescimento do token foi de 7%. Apenas no último ano, o Bitcoin teve um aumento de mais de 135%, marcando definitivamente sua posição como maior token do mercado dae criptomoedas.

Por fim, existem grandes expectativas relacionadas com o halving e também com o futuro dos ETFs de Bitcoin. Mesmo que os aumentos esperados não se confirmem, há grande chances de que o mercado encontre um bom crescimento em breve, especialmente devido à desvalorização da economia centralizada.

Leia mais: