25 Mai 2022 · 3 min read

Bancos explorando Blockchain, tokenização novamente é um 'sinal de fogo, estamos em um mercado em baixa'

Certos grandes bancos de investimento estão novamente explorando como a tecnologia blockchain e a tokenização de ativos podem tornar suas próprias operações mais eficientes - mas para alguns na comunidade de criptomoedas, os movimentos dos bancos em criptomoedas se assemelham a algo que já viram antes.

Entre os bancos que tomaram medidas para a adoção de blockchains desta vez está o JPMorgan, que desde dezembro do ano passado atraiu mais de US$ 300 bilhões em negócios para sua rede blockchain, informou na segunda-feira.

O principal banco americano agora se juntou ao rival francês BNP Paribas, com ambos os bancos usando tokens digitais para negociação de curto prazo em mercados de renda fixa. De acordo com a reportagem do Financial Times, o projeto envolve o uso de tokens para transações no chamado mercado de recompra, usado por instituições para emprestar ativos para necessidades de financiamento de curto prazo.

Os esforços foram descritos no relatório como um primeiro passo no uso de tokens digitais “em um dos elos cruciais do sistema financeiro global”. O relatório acrescentou que o JPMorgan está explorando se pode servir como uma porta de entrada para finanças descentralizadas (DeFi) para instituições financeiras e disse que mais bancos devem ingressar na rede no futuro.

O JPMorgan opera seu blockchain corporativo Lilink sob um braço separado da empresa conhecido como Onyx. O principal banco de investimento também lançou anteriormente um token digital centralizado conhecido como JPM Coin.

Vale a pena notar que o blockchain operado pelo JP Morgan não é um blockchain no sentido tradicional, mas sim um tipo centralizado e autorizado para uso interno. O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, disse anteriormente sobre blockchains que eles são “novas tecnologias reais que podem ser implantadas de maneira pública e privada, com permissão ou não”.

O Liink é descrito pelo JPMorgan como uma “solução de pagamentos bancários comerciais on-chain”. O banco afirma ainda em seu site que é a primeira rede baseada em blockchain que oferece operações de recompra “através da troca de dinheiro por garantias tokenizadas”.

“Sinal de fogo” no mercado

Embora alguns argumentem que os bancos que adotam a tecnologia blockchain é um sinal positivo, aqueles que estão na comunidade criptográfica há algum tempo talvez estejam menos impressionados.

Um grande número de movimentos semelhantes de empresas também foi visto em 2018, quando a criptomoeda já estava em um mercado de baixa após um mercado de alta no ano anterior. Entre as empresas que fizeram manchetes na época estava o JPMorgan com sua JPM Coin, além de várias outras instituições financeiras tradicionais preocupadas em perder 'a próxima grande coisa'.

A coincidência foi apontada por Maya Zehavi, uma empreendedora focada em blockchain e membro do conselho fundador do Fórum da Indústria de Blockchain israelense.

Escrevendo no Twitter, Zehavi chamou a notícia de que os bancos estão agora exibindo seus projetos corporativos de blockchain como um “sinal de fogo de que estamos em um mercado de baixa”. Apesar disso, ela deu crédito ao JPMorgan por ser uma das poucas empresas que realmente desenvolveu algo da última vez, “em vez de chamadas intermináveis, [prova de conceitos] e padrões”.

“[…] a maioria dos bancos globais entrou no FOMO nesses projetos que não foram a lugar algum, a não ser publicações no LinkedIn sobre inovação”, acrescentou Zehavi, usando a gíria para 'medo de perder'.

____

Leia Mais:

Nova geração de investidores de criptomoedas assume a responsabilidade, diz investidor de tecnologia

2 em cada 10 pessoas em El Salvador ainda usam a aplicação Chivo Bitcoin do governo - Pesquisa