13 Jul 2022 · 4 min read

BIS e IOSCO planejam criar conjunto de padrões para a indústria de stablecoins

Fonte: Adobe/photo_gonzo

 

O Bank for International Settlements (BIS) quer criar um conjunto de padrões para a indústria de stablecoins que cobrirá pagamentos, compensações e liquidações.

Em um relatório divulgado hoje e compartilhado com Cryptonews.com, o Comitê de Pagamentos e Infraestruturas de Mercado do BIS e a Organização Internacional das Comissões de Valores Mobiliários (IOSCO) delinearam sua “orientação final” sobre “acordos de stablecoin”.

A IOSCO é um órgão que cria padrões globais para os mercados de valores mobiliários em cerca de 115 jurisdições.

As organizações também declararam, em um comunicado à imprensa, que “desenvolvimentos recentes no mercado de criptoativos” trouxeram “novamente urgência para as autoridades abordarem os riscos potenciais representados pelos criptoativos, incluindo stablecoins de forma mais ampla”.

Os órgãos afirmaram que o que eles chamaram de um “arranjo de stablecoin” “sistemicamente importante” precisaria garantir que ele tenha “acordos de governança apropriados” em vigor.

Os emissores de tokens também precisam garantir que tenham uma estrutura operacional e de propriedade que “permita linhas claras e diretas de responsabilidade e prestação de contas”, escreveram os órgãos.

Os autores do relatório também enfatizaram a necessidade de transparência a esse respeito e uma estrutura de governança que “permita a intervenção humana oportuna conforme e quando necessário”.

Os autores destacaram a importância do gerenciamento de riscos, afirmando que os operadores de stablecoins devem “revisar regularmente” todos os “riscos materiais” inerentes ao lidar com partes relacionadas em seus ecossistemas. Isso pode incluir “infraestruturas importantes do mercado financeiro”, bem como “bancos de liquidação, provedores de liquidez, operadores de nós de validação e outros operadores de nós ou provedores de serviços”.

Elementos de “finalidade de liquidação” também são vitais, acrescentaram os autores, pois os operadores de stablecoins precisam “fornecer uma liquidação final clara e certa, no mínimo até o final da data-valor, independentemente do método de liquidação operacional usado” – de preferência em “ tempo real."

Além disso, os autores explicaram que os operadores de token precisavam “definir claramente o ponto em que uma transferência de uma stablecoin” por meio de um método operacional “se torna irrevogável e incondicional” – e garantir que uma “base legal clara” possa “reconhecer” e “suportar ” a finalidade das transferências.

Na frente dos acordos, os autores do relatório escreveram que os operadores de tokens precisavam garantir que tivessem “pouco ou nenhum risco de crédito ou liquidez”.

Além disso, eles precisavam esclarecer aos usuários quais são seus direitos estatutários quando se trata de fornecer aos detentores de tokens uma “reivindicação legal direta sobre o emissor” ou “interesse nos ativos de reserva subjacentes” para “conversibilidade oportuna” em “outros ativos líquidos, como como créditos sobre um banco central”.

Para minimizar “riscos de crédito e liquidez” em acordos como uma “alternativa aceitável ao uso de dinheiro do banco central”, o BIS e a IOSCO insistiram na necessidade de “clareza e exequibilidade” de possíveis ações judiciais. O mesmo deve ser aplicado no caso de reclamações relativas a sociedades gestoras que guardam ativos de reserva, bem como “garantias de terceiros”, continuaram os autores.

Os operadores também devem esclarecer o “grau” em que seus ativos de reserva podem ser liquidados “aos preços médios de mercado ou próximos deles.

O banco e seu parceiro também declararam que os fundos que apoiam uma stablecoin devem ser conversíveis em “circunstâncias normais e estressantes” e observaram:

“A capacidade de crédito, capitalização, acesso à liquidez e confiabilidade operacional do emissor da stablecoin, provedor das contas de liquidação e custodiante dos ativos de reserva.”

Os autores concluíram que os governos precisavam garantir que os novos regulamentos na frente de stablecoin se aplicassem não apenas aos emissores de tokens, mas também aos “gerentes de reservas e custodiantes” dos tokens de suporte de ativos.
____
Leia mais:

Celsius, apesar dos pagamentos é 'provavelmente insolvente', afirma regulad

INFINITY, campeões de eSports para o metaverso

---------------------