20 Set 2021 · 4 min read

Bitcoin e outras criptos caem junto com ações conforme riscos de falência da Evergrande aumentam

À medida que os problemas relacionados ao gigante de desenvolvimento imobiliário China Evergrande continuam a aumentar, os investidores em tudo, de ações a bitcoin (BTC) e o mercado cripto mais amplo estão preocupados com os potenciais efeitos de contaminação que um “momento Lehman” chinês poderia ter.  

Como a segunda maior incorporadora imobiliária da China, a China Evergrande detém mais de US$ 300 bilhões em dívidas, colocando a empresa como “a incorporadora imobiliária mais endividada do mundo”, de acordo com a CNBC.

A empresa viu repetidamente seus ratings serem cortados por agências internacionais de classificação, e ela mesma advertiu em várias ocasiões que poderia dar um calote em sua dívida.

E embora à primeira vista não esteja relacionado ao bitcoin, alguns participantes da indústria estão cada vez mais preocupados com o impacto que uma inadimplência chinesa tão grande poderia ter, e possivelmente já teve, nos mercados de criptomoedas.

Entre aqueles que expressaram preocupação está Alex Mashinsky, fundador e CEO da firma de criptomoedas e empréstimos Celsius Network, que disse que “uma cascata de inadimplências no sistema financeiro global” poderia arrastar o bitcoin com ele.

“O fato de o BTC não ser capaz de superar [US$] 50k pode ter mais a ver com a China do que com o regulamento FUD”, acrescentou o CEO.

Além disso, o Tether, emissor do USDT, foi forçado a emitir um comunicado na semana passada, afirmando que a empresa nunca teve nem agora detém qualquer papel comercial, dívida ou títulos emitidos pela Evergrande. 

Enquanto isso, conforme relatado pelo South China Morning Post na segunda-feira, rachaduras também começaram a aparecer em outras partes do setor imobiliário chinês. Entre as incorporadoras imobiliárias que agora estão sendo observadas de perto estão Guangzhou R&F e Fantasia Holdings, ambas as quais viram suas classificações de crédito cortadas para "negativas" pelas agências de classificação Fitch e S&P Global Ratings nos últimos dias.  

“A pior parte é que não apenas a China Evergrande está entrando em colapso, mas também outras construtoras chinesas estão se afogando no tsunami causado por ele”, disse Zhou Chuanyi, analista da empresa de pesquisa de crédito Lucror Analytics em Cingapura, citado pela agência de notícias. 

Os problemas até agora levaram a uma forte queda do mercado de ações tanto na bolsa de valores Hang Seng de Hong Kong, quanto nos mercados de ações dos EUA, com o Hang Seng sendo negociado com queda de 3,3% no dia e o US S&P 500 definido para abrir em queda de 0,9% hoje mais tarde.

Enquanto isso, o porto-seguro tradicional, o ouro, foi negociado ligeiramente, ganhando 0,17% no dia, a partir das 09:30 UTC.

Nos mercados cripto, o bitcoin caiu 6% nas últimas 24 horas, para negociação a US$ 45.211, depois de cair de mais de US$ 48.800 no sábado.

"Depois de fechar acima de US$ 47.000 no sábado, o BTC ultrapassou a média móvel de 50 dias ontem. Alguns atribuíram a queda repentina à atual situação de Evergrande na China, que já causou turbulência nos mercados tradicionais. Analistas sugeriram que uma semana agitada está à frente, com um recuo potencial para tão baixo quanto US$ 41.000, embora um suporte importante permaneça em US$ 44.000", disse Jonas Luethy, do setor de vendas da corretora de ativos digitais GlobalBlock, com sede no Reino Unido, em um comentário por e-mail.

Da mesma forma, o  token nativo da Ethereum ETH caiu 7,7% nas últimas 24 horas, para negociação a US$ 3.172.

Apesar da venda observada nos mercados cripto hoje, as liquidações ainda estavam em níveis bastante baixos tanto em bitcoin quanto em outros cripto ativos até o momento. 

Nas últimas 24 horas, a volatilidade observada no BTC causou a liquidação de US$ 303 milhões, com a esmagadora maioria sendo posições longas que foram fechadas à força na Binance, de acordo com dados do Bybt.com.   

Para a ETH, a situação foi semelhante, com pouco mais de US$ 200 milhões liquidados no mesmo período.

E embora o bitcoin - ainda visto por muitos como um 'ativo de risco' - tenha sofrido até agora, analistas da indústria de criptografia apontam para fortes fundamentos da cadeia como um motivo para ser otimista.

Conforme descrito no último Market Intel Report da Chainalysis, os sinais em cadeia sugerem que a maioria dos detentores de bitcoins permaneceram otimistas durante o mês de setembro, dado que os fluxos de moedas nas exchanges “diminuíram rapidamente” nos dias após a liquidação de 7 de setembro.

“Na verdade, as baleias, tanto no bitcoin quanto no ethereum, parecem estar se estabelecendo por um longo período de retenção, com muitas das baleias que entraram no primeiro trimestre de 2021 continuando a resistir”, escreveu Philip Gradwell, Economista-chefe da Chainalysis.