Bitcoin fecha o mês de maio com 11% de alta e opera acima dos US$ 69 mil

Pedro Augusto
| 2 min read

bitcoin

O Bitcoin (BTC) apresenta uma tendência de alta nesta segunda-feira (03/06), após encerrar o mês de maio com um ganho de 11%.

Enquanto isso, o Ether (ETH) teve um aumento de 24,6% no mesmo período, estimulado pela aprovação de seus primeiros fundos negociados em bolsa (ETFs) à vista pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC). Essa movimentação positiva no mercado de criptomoedas acompanha um momento favorável também em Wall Street, onde o índice Nasdaq registrou seu melhor mês desde novembro de 2023.

Mercado de criptomoedas alcança US$ 2,73 trilhões em valor de mercado global


Nas bolsas de valores dos EUA, os ETFs de Bitcoin à vista fecharam o pregão de sexta-feira (31/05) com um saldo líquido positivo de US$ 48,8 milhões, repetindo o desempenho do dia anterior. O destaque foi o ETF IBIT, da BlackRock, que apresentou um aumento de depósitos frente a saques totalizando US$ 169,1 milhões. Por outro lado, o ETF GBTC, da Grayscale, registrou saídas significativas de US$ 124,3 milhões.

No início da manhã de hoje, por volta das 10h no horário de Brasília, o Bitcoin registrava uma valorização de 2,7% nas últimas 24 horas, cotado a US$ 69.697. Já o Ether, a criptomoeda da rede Ethereum, apresentava uma alta de 1,4%, atingindo US$ 3.837, segundo informações do CoinGecko. O valor de mercado combinado de todas as criptomoedas do mundo está estimado em US$ 2,73 trilhões. Em termos de real, o Bitcoin mostra um aumento de 2,23%, cotado a R$ 365.990, enquanto o Ether cresce 0,82%, negociado a R$ 20.160, com cotações fornecidas pelo Mercado Bitcoin (MB).

Entre as altcoins, destaca-se Solana (SOL), que valoriza 1,1% e é negociada a US$ 166,41. O BNB, token da Binance Smart Chain, sobe 5,5%, atingindo US$ 632,22, e a Avalanche (AVAX) apresenta alta de 1,6%, cotada a US$ 36,13.

Biden enfrenta pressão do setor de criptoativos ao manter regras da SEC


André Franco, chefe de análise do MB, aponta um crescimento significativo no número de investidores globais em criptoativos. Segundo um estudo da Triple-A, o total de pessoas que investem em criptomoedas ultrapassou a marca de 500 milhões. Franco destaca que “agora são 562 milhões de investidores em cripto, um aumento em relação aos 420 milhões em 2023”. Ele também observa que os Emirados Árabes Unidos, Cingapura e Turquia são os países com maior proporção de população investindo em criptomoedas.

No cenário político, o presidente dos EUA, Joe Biden, demonstrou que há limitações no avanço da pauta cripto entre os democratas ao vetar uma resolução que eliminaria uma norma contábil da SEC. Esta norma exige que as instituições financeiras registrem criptoativos em seus balanços quando oferecem esses produtos aos seus clientes. Biden justificou que não apoiaria “medidas que comprometam o bem-estar dos consumidores e investidores”.

Por fim, do ponto de vista macroeconômico, o destaque desta semana será a divulgação do Relatório de Emprego dos EUA de maio na sexta-feira (07/06). Uma criação de vagas abaixo do esperado pode impactar positivamente os ativos de renda variável, pois um enfraquecimento do mercado de trabalho tende a diminuir a pressão sobre a inflação. Como resultado, isto possibilita ao Federal Reserve um cenário mais favorável para reduzir os juros nos Estados Unidos.

Leia Mais: