05 Jan 2022 · 3 min read

Bitcoin pode chegar a US$ 100 mil em Cinco Anos - Goldman Sachs

Um bitcoin (BTC) pelo preço de US$ 100.000 pode se tornar uma realidade se a criptomoeda continuar ganhando participação de mercado como um ativo de reserva, de acordo com uma nota do Goldman Sachs. Enquanto isso, o analista da Bloomberg Mike McGlone argumenta que 2022 pode ser o ano em que o ouro volta a brilhar.

No momento, o gigante dos bancos de investimento dos EUA estima que a capitalização de mercado ajustada para flutuação do bitcoin está pouco abaixo de US$ 700 bilhões, representando 20% de um mercado de reserva de valor composto de ouro e bitcoin. Para efeito de comparação, o valor do ouro disponível para investimento está atualmente em cerca de US$ 2,6 trilhões, escreveu o Goldman Sachs na nota publicada recentemente.

E enquanto Goldman disse que bitcoin pode “hipoteticamente” chegar a um preço de US$ 100.000 se alcançar uma participação de 50% do mercado de reserva de valor, ele também argumentou que o ativo digital continuará a tomar parte do mercado de ouro, conforme a adoção de criptomoedas cresce.

Os comentários sobre o bitcoin foram dados em uma nota privada escrita pelo co-diretor de estratégia global de FX e EM da Goldman Sachs, Zach Pandl.

Em termos de cronograma para a elevada meta de preço, o analista do Goldman escreveu que isso poderia acontecer nos próximos cinco anos, o que daria um retorno anualizado composto de 17% ou 18%.

Por último, a nota afirmou que as críticas em torno do consumo de eletricidade da rede Bitcoin - conhecido nos círculos bitcoin como 'energia FUD' - não impedirão os investidores de buscarem exposição à criptomoeda.

E enquanto o Goldman Sachs argumenta que o bitcoin vai continuar a conquistar quotas de mercado do ouro nos próximos cinco anos, o estrategista sênior de commodities da Bloomberg Intelligence Mike McGlone disse em um novo relatório que o ouro pode brilhar novamente em 2022.

Em uma comparação com o cobre metálico industrial, McGlone escreveu no relatório que o ouro superou o cobre nos últimos 10 anos "por razões que parecem mais duradouras em 2022".

Especificamente, McGlone argumentou que uma desaceleração no setor industrial da China poderia ser um mau sinal para os metais industriais, enquanto metais preciosos como o ouro poderiam se beneficiar.

Enquanto isso, a empresa de análise on-chain Coin Metrics disse na terça-feira em seu relatório State of the Network que, embora o bitcoin tenha visto uma popularidade crescente em 2020 e 2021 como uma proteção contra a inflação, as coisas podem mudar em 2022, à medida que os bancos centrais tomarem medidas para combater o aumento da inflação, especialmente nos EUA.

No entanto, o relatório também acrescentou que, embora a política monetária dos EUA possa se tornar mais restritiva, a inflação também está alta na zona do euro e em países como a Turquia.

“Com a inflação acima de 20%, os turcos já se voltaram para reservas alternativas de valor, que podem incluir bitcoin e outros criptoativos ou stablecoins lastreados em dólares”, disse o relatório, antes de finalmente acrescentar:

“Se estivermos realmente na era da Grande inflação monetária, mais instituições e indivíduos em 2022 em todo o mundo podem ser atraídos pela escassez garantida do bitcoin”, disse o relatório com referência ao termo cunhado pelo famoso administrador de fundos de hedge Paul Tudor Jones.

Às 11:13 UTC de quarta-feira, o BTC está sendo negociado a US$ 46.746. Ele permanece inalterado em um dia e cai 2% em uma semana.

____

Leia Mais:

- Metaverso: Cinco Coisas que você Precisa Saber

- 5 Novos Fundos Blockchain que você pode Investir Hoje