17 Jan 2023 · 7 min read

Brett Harrison diz que deixou FTX US por desacordos sobre “práticas de gestão”

Imagem: Twitter / @BrettHarrison88

Brett Harrison, ex-presidente da FTX US, revelou que deixou a bolsa cripto devido à deterioração da relação com Sam Bankman-Fried e seus adjuntos sobre as práticas de gestão.

Em uma longa postagem no Twitter no sábado (14/01), Harrison compartilhou alguns detalhes sobre seu tempo na FTX US, o braço americano da FTX, onde trabalhou por 17 meses antes de partir no final de setembro de 2022. Na ocasião, ele não revelou porque estava deixando a função, mas disse que permanecerá como consultor na empresa.

Agora Harrison diz que disputas com Sam Bankman-Fried e seus adjuntos sobre práticas de gestão na FTX o forçaram a deixar o cargo. Ele disse:

"A verdade é que a FTX US não era para mim o trabalho de sonho que parecia para a indústria e mídia por algum tempo, e minha partida não foi abrupta."

Harrison detalhou que Sam Bankman-Fried, que era seu antigo colega na Jane Street, pediu-lhe que se juntasse à FTX US "casualmente" no final de março de 2021. "Meus primeiros meses na FTX US foram maravilhosos", disse Harrison, acrescentando que trabalhou em grande parte independentemente de Sam Bankman-Fried.

O antigo chefe de criptografia disse que defendia "o estabelecimento da separação e independência das equipes executiva, jurídica e de desenvolvedores da FTX US" da FTX International, medida que Sam Bankman-Fried discordava.

"Vi naquele conflito precoce sua total insegurança e intransigência quando suas decisões foram questionadas, seu rancor e a volatilidade de seu temperamento."

No entanto, Harrison disse que seu crescente desacordo com Sam Bankman-Fried o levou a ficar isolado da comunicação sobre as principais decisões. Em abril de 2022, ele diz ter feito uma reclamação formal por escrito e advertiu que iria "demitir-se se os problemas não fossem resolvidos".

"Em resposta, fui ameaçado em nome de Sam que seria demitido e que Sam iria destruir minha reputação profissional. Fui instruído a retratar formalmente o que tinha escrito e a entregar um pedido de desculpas ao Sam que tinha sido redigido para mim."

Na semana passada, em resposta a um usuário do Twitter que perguntou a Harrison o que sabia sobre FTX US, ele respondeu: "Eu vou compartilhar a tempo".

Antes de se juntar à FTX US, Harrison havia trabalhado por quase dois anos na Citadel Securities, empresa criadora de mercado, e mais de sete anos como chefe de tecnologia de sistemas de negociação na empresa de investimentos Jane Street.

Em dezembro, The Information noticiou que Harrison está procurando levantar US$ 6 milhões para uma nova empresa cripto focada na construção de software para grandes investidores, com uma avaliação de US$ 100 milhões. Em recente postagem no Twitter, ele também observou que tem lutado para encontrar investidores devido a seu envolvimento com a FTX.

Anthony Scaramucci confirma investimento na Crypto Software Company

Ex-diretor de Comunicações da Casa Branca, Anthony Scaramucci confirmou que vai fazer um grande investimento em uma empresa de software cripto liderada pelo ex-presidente da bolsa de derivativos FTX.

O investimento marca a primeira incursão de Scaramucci no mercado de criptomoedas e é visto com uma indicação de confiança no potencial futuro da indústria.

As negociações entre Anthony Scaramucci e FTX começaram há mais de um ano. Em setembro de 2022, a FTX Ventures adquiriu uma participação de 30% na Skybridge Capital, fundada por Scaramucci, que teve um curto período como diretor de Comunicações da Casa Branca em 2017.

O plano de Anthony Scaramucci de investir na empresa cripto de Brett Harrison foi noticiado pela Bloomberg.

Scaramucci aposta alto em seu próximo empreendimento comercial

Harrison, ex-presidente da agora extinta bolsa cripto de Sam Bankman-Fried, FTX, está recebendo alguma ajuda financeira de Anthony Scaramucci, que declarou sua intenção de usar recursos próprios para apoiar Harrison nesta época de crise.

Harrison disse à Bloomberg News:

“Sinto-me privilegiado por ter Anthony como meu mentor e amigo desde que me envolvi na indústria cripto, dois anos atrás. Estou extasiado por fazer parte de seu empreendimento de investimento e certo de que sua orientação será extremamente valiosa durante este novo começo.”

A empresa cripto de Harrison está tentando levantar até US$ 6 milhões em financiamentos. Os produtos de software são projetados para fornecer aos traders uma assistência algorítmica para uma variedade de estratégias.

Enquanto isso, clientes japoneses da FTX podem reaver dinheiro em fevereiro

A subsidiária japonesa de câmbio de criptomoedas FTX deve retomar as retiradas a partir de fevereiro, de acordo com um alto funcionário japonês.

Mamoru Yanase, diretor-geral adjunto do Departamento de Desenvolvimento Estratégico e Gerenciamento da Agência de Serviços Financeiros, disse que a FTX Japan reembolsará os fundos aos clientes a partir do próximo mês.

A declaração vem após um juiz de falência de Delaware ter permitido à FTX vender quatro unidades de negócios, incluindo sua subsidiária japonesa.

"Temos estado em estreita comunicação com a FTX Japan", disse Yanase, acrescentando que eles esperam "tomar medidas adequadas" com base em um cronograma de retirada anunciado pela empresa em meados de fevereiro do mês passado.

Se o plano for bem-sucedido, seria um exemplo raro de investidores recuperando uma parte de seus fundos após a falência. A título de comparação, os usuários da Mt. Gox, que já foi a maior bolsa de criptomoedas do mundo e que entrou com pedido de proteção contra falência em 2014, ainda não receberam seus fundos.

"Os ativos dos clientes foram devidamente segregados" pela unidade japonesa, disse Yanase, alegando que questões técnicas têm impedido os usuários de acessar seus fundos até o momento. O regulador também disse que entende que não houve "nenhuma objeção" ao plano de saque em relação ao depósito do Chapter 11 da empresa matriz nos EUA.

John Dorsey, um juiz de falência de Delaware, permitiu à FTX vender sua subsidiária japonesa e três outras unidades de negócios, incluindo a plataforma de compensação de ações Embed e o braço de derivativos LedgerX e FTX Europe.

O banco de investimentos Perella Weinberg está agora autorizado a iniciar o processo de venda. Os avisos de venda serão publicados em cerca de três dias úteis, com indicações de interesse a serem recebidas entre 18 de janeiro para Embed e 1 de fevereiro para FTX Europe e Japão.

Relembre o caso FTX/Sam Bankman-Fried

A FTX e seu grupo de empresas cripto entrou com pedido de falência no Chapter 11 no início de novembro. Sam Bankman-Fried, fundador da FTX, foi preso mais tarde nas Bahamas depois que os promotores americanos apresentaram formalmente acusações criminais contra ele. SBF acabou sendo extraditado para os EUA, onde foi libertado da prisão após depositar uma caução de US$ 250 milhões em um tribunal de Nova York.

O Distrito Sul de Nova York nominou SBF em oito acusações criminais, incluindo fraude e conspiração bancária por uso indevido de fundos de clientes. Separadamente, a SEC acusou SBF de "orquestrar um esquema para defraudar investidores acionários na FTX".

Enquanto isso, a FTX International tem conseguido até agora recuperar mais de US$ 5 bilhões em dinheiro e ativos líquidos que podem ser usados para pagar os credores.

 

Leia mais:

9 novas criptomoedas listadas em bolsa para investir em 2023

Quantum Pro 360 é confiável? – Uma avaliação completa sobre o robô de trading

Previsão de preços do Shiba Inu - Esta memecoin ainda pode oferecer bons ganhos em 2023, à medida que o preço aumenta?

 

 

---------------------