22 Nov 2021 · 3 min read

Cripto Gaming pode Superar Outras Atividades de Blockchain no Futuro, Afirma Executivo da Atari

Um executivo da Atari sugeriu que a escalabilidade de jogos criptográficos pode um dia superar todas as outras atividades relacionadas à tecnologia blockchain juntas - explicando que os jogos criptográficos “podem se tornar um assassino de outros aplicativos na blockchain” porque “há muito mais jogadores do que comerciantes em todo o mundo”.

Maxime Bucaille, gerente de produto da grande fabricante de videogames Atari, estava falando em uma conferência organizada pela CoinGecko chamada “NFTs Gone Wild”, em um painel chamado “O que vem por aí para os Crypto Games?” Bucaille explicou que a Atari, que já foi a maior empresa de jogos do mundo, tem se concentrado em blockchain desde o "início de 2020" - e se concentrou principalmente em "educação" e "investimento".

No entanto, ele acrescentou que a empresa estava agora “desenvolvendo um produto metaverso” que “entraria online no segundo trimestre” do ano financeiro de 2022.

Bucaille acrescentou:

“Estamos realmente otimistas com o blockchain. A maior parte do nosso tempo agora está sendo gasto em blockchain [desenvolvimentos].”

Falando no mesmo painel, Robbie Cochrane, o cofundador e COO da ChainGuardians, uma plataforma de metaverso inspirada em ficção científica e tokens não fungíveis (NFTs), afirmou que o movimento da Atari "mostra o poder da interoperabilidade" - um fator que ele afirmou que “não existe” fora do campo do blockchain.

O evento foi presidido por Ethan Ng, o cofundador e CEO da WonderHero, que opinou que havia ainda mais potencial de crescimento no campo, já que “até mesmo os não jogadores podem se envolver” em jogos de blockchain. Ele afirmou que havia oportunidades para “comentaristas, membros da audiência e outros criadores de conteúdo [não relacionados a jogos]” não apenas se envolverem, mas também “serem pagos” por suas contribuições.

Mas Cochrane e Bucaille concordaram que, quando se trata de game-fi, a indústria ainda tem muitos rios a cruzar.

Game-fi refere-se ao fenômeno pelo qual os jogadores podem, de fato, monetizar sua jogabilidade ou ganhar tokens jogando. Os pioneiros do game-fi incluem títulos de jogos "play-to-earn", como o Axie Infinity da Sky Mavis, que permite que seus jogadores acumulem criptoativos ganhando no jogo, bem como criando e vendendo NFTs. 

Muitos se apressaram em chamar o game-fi de próximo grande motor de crescimento no espaço criptográfico, mas tanto Cochrane quanto Bucaille afirmaram que play-to-earn ainda estava em sua “fase de descoberta” - apesar do crescimento vertiginoso do Axie Infinity.

Cochrane afirmou:

“Todos testemunham o crescimento do Axie e o potencial que ele tem para perturbar as economias dos países. Mas existem desafios envolvidos para manter esse crescimento.”

Ele e Bucaille concordaram que os problemas podem ocorrer quando o Axie Infinity atinge o "pico" de crescimento ou se seu número de usuários começa a estagnar ou mesmo declinar.

Por outro lado, Cochrane afirmou que sua própria empresa "ainda não ativou nossa economia de play-to-earn", acrescentando que outras pessoas no espaço tiveram "que desligar" suas próprias funções de play-to-earn depois de um mês para mais ajustes.

O executivo da Atari concordou, ressaltando o fato de que, no caso das primeiras exchanges descentralizadas, a confusão era comum e foi “somente quando o Uniswap [UNI] apareceu que o modelo certo foi encontrado”.

Mas, observou ele, “a maioria das pessoas ainda não sabe como comprar no Uniswap e, em vez disso, tendem a comprar [tokens] nas principais exchanges [centralizadas]”, como a Coinbase. O mesmo é, opinou ele, atualmente verdade para o game-fi.

Os participantes também deram sua opinião sobre o futuro do metaverso. Cochrane destacou a importância do fato de que os IPs de jogos tradicionais (detentores de propriedade intelectual) “estão entrando no metaverso e nas economias descentralizadas”. Ele deu o exemplo das parcerias da Decentraland com marcas como Sotheby's e Coca Cola.

Bucaille afirmou que o recente pivô metaverso da Meta (a empresa anteriormente conhecida como Facebook) foi “certeiro”, explicando que o metaverso é essencialmente "mídia social 2.0".

Ele disse:

“No metaverso, você pode mostrar uma versão mais verdadeira de si mesmo. Comprar skins no metaverso tem mais valor do que comprar uma jaqueta Louis Vuitton, porque [o lugar] onde você tem mais exposição é onde você coloca mais investimento.”