`
. 3 min read

Elliptic lidera avanço na busca por russos evasores de sanções

“Empresas forenses de criptomoedas”, como Elliptic e Chainalysis, parecem estar se destacando na mídia internacional – com suas ferramentas de análise de blockchain permitindo que eles supostamente façam avanços importantes na busca dos governos ocidentais por evasores de sanções russos que usam criptomoedas.

O cofundador da Elliptic, Tom Robinson, disse à Bloomberg que a empresa deu informações a autoridades ocidentais sobre uma carteira de criptomoedas “que pode estar ligada a autoridades e oligarcas russos sancionados”. A empresa – e a Chainalysis – estão trabalhando com uma série de agências e departamentos governamentais principalmente sediados nos Estados Unidos.

Robinson afirmou que a carteira em questão continha “propriedades significativas de criptoativos”.

A Elliptic deu a entender que esta carteira pode ser apenas a ponta do iceberg, no entanto, e alegou que estava “investigando ativamente” carteiras que acreditava estarem ligadas a “oficiais e oligarcas russos sujeitos a sanções”.

A empresa declarou:

“Estamos colaborando com agências governamentais e outras organizações para garantir que os responsáveis ​​por permitir a invasão brutal e ilegal da Ucrânia não possam usar criptoativos para esconder sua riqueza”.

Além disso, em uma postagem no blog, o CEO da Elliptic, Simone Maini, escreveu que a empresa “identificou mais de 400 provedores de serviços de ativos virtuais (VASPs), principalmente exchanges, onde criptomoedas podem ser compradas com rublos”.

Além disso, ela acrescentou, a empresa “também vinculou vários milhões de endereços de criptoativos” aos VASPs, observando que a maioria não era regulamentada e permitia que seus usuários acessassem seus serviços anonimamente.

E a empresa alegou ter “encontrado mais de 15 milhões de endereços de criptomoedas russos ligados a atividades criminosas”. Isso, afirmou a Elliptic, permitiria que os provedores de criptomoedas “examinem transações e carteiras para exposição dessa atividade e garantam que os lucros não possam ser escondidos”.

Além disso, Maini escreveu que sua empresa havia “identificado várias centenas de milhares de endereços criptográficos vinculados a pessoas sancionadas baseadas na Rússia” – acrescentando que esses endereços “vão além daqueles incluídos nas listas de sanções” e incluem “outros endereços que conseguimos associar com esses atores por meio de nossa própria análise”.

A empresa parece querer liderar o campo criando o que chamou de “melhores práticas em conformidade com sanções para criptoativos”.

Robinson também afirmou que, na semana passada, a atividade nas bolsas de rublo “triplicou em relação à semana anterior ao início da guerra no final de fevereiro”.

Ele foi citado afirmando:

“Não está provando ser realista que os oligarcas possam contornar completamente as sanções transferindo toda a sua riqueza para as criptomoedas. A criptografia é altamente rastreável. A criptomoeda pode e será usada para evasão de sanções, mas não é a bala de prata.”

Ele acrescentou que “em geral”, o “nível de conformidade com as sanções” entre os provedores de serviços de criptomoedas era “muito alto”.

No início deste mês, a Chainalysis – que afirmou anteriormente ter desenvolvido a capacidade de desanonimizar as transações CoinJoin – disse que forneceria uma variedade de suas ferramentas de análise gratuitamente para plataformas de criptomoedas que quisessem cumprir os requisitos das sanções.
____
Leia Mais:

Sanções da Rússia significam que Países podem fazer Transição para Reservas em Bitcoin – CEO da Pantera

Ministro da Ucrânia elogia Eficiência das Criptomoedas