03 Out 2021 · 3 min read

Espera-se 'extrema volatilidade' à medida que os investidores de Bitcoin aprendem a avaliá-lo

Com modelos que variam do Stock-to-Flow (S2F) de Plan B ao Network Value to Transactions (NVT) de Willy Woo, encontrar a maneira correta de avaliar o bitcoin (BTC) provou ser complicado. Mas de acordo com Nik Bhatia, defensor do Bitcoin e autor de Layered Money, não há uma maneira única de fazer a avaliação BTC, apenas “uma infinidade de raízes firmes” que podemos explorar. 

Em um novo ensaio intitulado Avaliando Bitcoin e Diagnosticando sua Volatilidade Sem Precedentes, Bhatia argumenta que, com todos os diferentes modelos que são usados ​​atualmente por investidores e analistas de BTC, a “extrema volatilidade” não deveria ser inesperada. Na verdade, diz Bhatia, "deve ser a premissa básica" para o preço do BTC, dado que "ninguém sabe como ele deve ser avaliado".

Preço e volatilidade do Bitcoin:

Mais adiante no ensaio, Bhatia justificou sua posição de que não há um modelo correto apontando as grandes diferenças nas estimativas de preço entre o modelo NVT do analista on-chain Willy Woo e o modelo S2F de Plan B, que tenta avaliar o BTC usando metodologia semelhante à freqüentemente usada para ouro e prata.

A mesma diferença também foi apontada pelo próprio Plan B em um tweet na semana passada:

Comentando sobre os vários modelos de avaliação BTC, o popular autor escreveu:

“Um estudo honesto sobre a avaliação de bitcoins revela que seu crescimento deriva de uma infinidade de raízes firmes. Algumas das raízes são mais fáceis de calcular com análise on-chain e de taxa de hash, e outras são mais difíceis de quantificar, como os efeitos de rede que estão ocorrendo agora, conforme o bitcoin captura totalmente a atenção do mundo”.

Além disso, Bhatia também entrou em detalhes sobre sua grande visão para o futuro do bitcoin:

“Imagino que as moedas governamentais deixarão de existir em países sem economias globalizadas, à medida que as pessoas conduzem o comércio online em BTC ou em stablecoins vinculados ao US$ em vez de moedas instáveis ​​e governamentais não-digitais.” 

Ele acrescentou que acredita que uma geração inteira, já nascida, dificilmente terá um relacionamento com um banco tradicional. 

“Nesses cenários, o bitcoin emergirá como moeda de reserva mundial, batendo na porta do dólar. Como você avaliaria isso?”, Concluiu Bhatia.

E enquanto permanece otimista quanto às perspectivas de longo prazo do bitcoin, a última repressão chinesa às criptomoedas continua a manter os investidores em alerta para uma possível reação dos preços no curto prazo.

Conforme registrado pela conta do Whale Alert no Twitter no domingo, US$ 3,1 bilhões em BTC e US$ 2,4 bilhões em ethereum (ETH) já foram retirados das carteiras de exchanges pertencentes a Huobi, uma exchange com laços com a China Continental, e ainda mais para um número maior de endereços carteira desconhecidos. 

E embora isso não é necessariamente uma má notícia, isso mostra que a repressão regulamentar tem implicações reais para o que acontece na cadeia. 

Julgando conclusões da empresa de análise on-chain Santiment, a repressão pode até ter uma implicação positiva, visto que os detentores de bitcoins e criptomoedas são forçados a retirar fundos das exchages e, em vez disso, assumir a custódia pessoal deles. De acordo com a empresa, os saldos cambiais do BTC estão agora em seus níveis mais baixos desde maio de 2019, tornando-se "uma indicação sólida" de menor pressão de venda para o bitcoin.

Do lado negativo, no entanto, uma métrica conhecida como "all exchanges whale ratio" recentemente ultrapassou 0,5, um analista no site de análise on-chain CryptoQuant disse que os comerciantes deveriam "tomar cuidado". 

“Precisamos garantir que o preço fique acima de 40K. A ação do preço abaixo de 40 mil pode ser rápida e volátil”, alertou o analista sobre a perspectiva de preço de curto prazo do bitcoin.

 

Às 16:15 UTC, o BTC é negociado a US$ 41.842 e permanece quase inalterado em um dia. O preço subiu quase 4% em uma semana, reduzindo suas perdas mensais para menos de 15%.

____

 

 

Outras percepções: