04 Out 2021 · 2 min read

FMI estimula emissão de CBDCs para contornar o amplo crescimento das criptomoedas

O Fundo Monetário Internacional (FMI) tornou-se o mais recente grande organismo global a entrar em ação com um apelo aos governos do mundo para lutar contra a adoção de criptomoedas - ou sofrer as consequências.

Em seu novo Relatório de Estabilidade Financeira Global, o FMI abordou os “desafios da estabilidade financeira” do “ecossistema criptográfico” em um capítulo dedicado e sugeriu que os líderes econômicos lutassem contra a criptografia - emitindo suas próprias moedas digitais do banco central (CBDCs).

Em uma postagem de blog, o FMI reconheceu que as criptomoedas oferecem “pagamentos rápidos e fáceis”, bem como “serviços financeiros inovadores” e “acesso inclusivo a partes do mundo que antes não eram bancárias”.

Ele escreveu que o “ecossistema de criptografia também está florescendo, repleto de exchanges, carteiras, mineradores e emissores de moeda estável”.

Mas também alertou que a criptografia está repleta de "riscos de proteção ao consumidor que permanecem substanciais devido à divulgação e supervisão limitada ou inadequada", observando que algumas moedas foram "provavelmente criadas apenas para fins de especulação ou mesmo fraude absoluta".

O FMI alegou que a "criptonização" era um risco nas "economias emergentes", onde a "adoção de criptomoedas" "ultrapassou a das economias avançadas", devido a fatores como "credibilidade fraca do banco central e um sistema bancário vulnerável", bem como redes de pagamentos inadequadas.

Essa criptonização, acrescentaram os autores, “pode reduzir a capacidade dos bancos centrais de implementar efetivamente a política monetária” e trazer “riscos de estabilidade financeira” por meio de “riscos de financiamento e solvência decorrentes de descasamentos de moedas”. Também pode causar danos aos consumidores e comprometer a integridade financeira, observaram. 

A solução, segundo o FMI? Mais regulamentação, mais policiamento - e mais CBDCs.

Os autores do relatório escreveram:

“Os formuladores de políticas devem implementar padrões globais para criptoativos e aprimorar sua capacidade de monitorar o ecossistema criptográfico ao abordar as lacunas de dados. Os mercados emergentes que enfrentam riscos de criptonização devem fortalecer as políticas macroeconômicas e considerar os benefícios da emissão de moedas digitais de banco central.”

Em uma escala global, o FMI declarou que “os formuladores de políticas devem priorizar a realização de pagamentos transfronteiriços mais rápidos, baratos, mais transparentes e inclusivos” - usando planos elaborados pelo G20.

Também apelou aos reguladores nacionais para “priorizar a implementação dos padrões globais existentes” e reforçar os protocolos aplicáveis ​​de títulos, pagamentos, compensação e liquidações.

Os emissores de stablecoins receberam mais um aviso de uma possível tempestade regulatória à frente, com os autores concluindo que "à medida que o papel das stablecoins cresce", as regulamentações "devem ser proporcionais aos riscos que representam e às funções econômicas que atendem". As regras “devem ser alinhadas”, sugeriu o órgão, com “entidades que fornecem produtos semelhantes”, como “depósitos bancários ou fundos do mercado monetário”.