Governos e empresas precisarão desenvolver padrões e regras para o Metaverso - Painel de Davos

O metaverso cria uma série de oportunidades para usuários e empresas, mas empresas e governos precisarão criar regras que regem as transações e o conteúdo, de acordo com os participantes de um painel realizado durante a edição deste ano do Fórum Econômico Mundial em Davos.

O painel, Shaping a Shared Future: Making the Metaverse, apresentou uma variedade de pontos de vista sobre as possíveis implicações do metaverso e a implantação do ecossistema de realidade estendida (XR) para os consumidores do mundo e as empresas que atendem às suas necessidades.

Philip Rosedale, fundador da Linden Lab, a empresa por trás do mundo virtual Second Life, disse que a experiência do metaverso pode ter um impacto positivo nas sociedades, pois pode trazer diferentes grupos sob um conjunto comum de regras e valores.

O Second Life sempre se considerou um país”, disse Rosedale e acrescentou: 

“[E] acho que, da mesma forma que a ONU surgiu… cairemos em um conjunto mais singular de regras para propriedade intelectual, privacidade.”

Omar Sultan Al Olama, ministro de Estado para Inteligência Artificial, Economia Digital e Aplicações de Trabalho Remoto dos Emirados Árabes Unidos, disse que o metaverso poderia servir como uma espécie de ponte que, até muito recentemente, teria sido difícil de entender. 

No entanto, é provável que o metaverso também apresente vários riscos, pois as transações processadas por ele ainda precisariam ser supervisionadas pelos governos para garantir que os usuários recebam os ativos digitais pelos quais pagam.

“Se você paga por esse [produto], alguém precisa impor isso”, disse ele. “As pessoas querem ir ao metaverso para experimentar conteúdo que nunca viram antes… e precisamos construir algumas regras básicas.”

Chris Cox, diretor de produtos da Meta Platforms, proprietária do Facebook, disse que as empresas que oferecem seus produtos e serviços por meio do metaverso também precisarão ser submetidas a um tipo de sistema de classificação de conteúdo semelhante aos implementados nas indústrias de música e cinema.

“Você quer padrões internacionais, especialmente para coisas que são transfronteiriças, como conteúdo de terrorismo”, segundo Cox. “Você quer que as empresas tenham seus próprios padrões comunitários, que definam suas próprias regras… em conformidade com as leis internacionais e também as leis estaduais.”

Peggy Johnson, CEO da empresa de realidade virtual Magic Leap, acredita que o metaverso oferece uma oportunidade para reinventar algumas das premissas que regem a internet.

“Devemos explorar todas essas coisas agora por causa do que aprendemos no passado”, disse ela.

____

Leia Mais:

Nova geração de investidores de criptomoedas assume a responsabilidade, diz investidor de tecnologia

2 em cada 10 pessoas em El Salvador ainda usam a aplicação Chivo Bitcoin do governo - Pesquisa