29 Jan 2022 · 3 min read

Governos Locais Chineses e Empresas de Tecnologia tentam se envolver com Metaverso

As empresas governamentais chinesas e os governos locais estão começando a explorar as inovações relacionadas ao metaverso – embora estejam procedendo com cautela, dado o fato de que o país promulgou no ano passado sua mais rigorosa repressão às criptomoedas até o momento.

Com o resto do mundo da tecnologia entrando de cabeça no metaverso, os participantes chineses agora estão procurando uma maneira de seguir o exemplo, embora de uma maneira que lhes permita evitar as criptomoedas.

De acordo com o Securities Times, um dos primeiros governos locais a explorar a noção do metaverso foi Xangai, cuja Conferência do Trabalho Econômico do Comitê do Partido Municipal fez referência indireta aos desenvolvimentos do metaverso no final do ano passado.

O meio de comunicação observou que, em 21 de dezembro, a conferência concluiu que precisava “orientar as empresas” a “intensificar suas pesquisas” de “plataformas importantes” que permitem “interação entre o mundo virtual e a sociedade real no futuro”.

O meio de comunicação afirmou que essa declaração foi amplamente “considerada a primeira declaração positiva feita por um governo local [órgão] sobre o metaverso”. Ele também mencionou que Xangai, desde então, seguiu com promessas mais concretas sobre metaverso.

De fato, observou a agência de mídia, o termo “metaverso” foi usado “várias vezes” no mais recente plano quinquenal econômico e tecnológico do regulador de TI de Shangai. O plano faz inúmeras menções à “implantação prospectiva” do metaverso, ao lado da computação quântica, semicondutores de terceira geração e comunicações 6G.

A China tem feito questão de se posicionar como líder mundial em inovação blockchain – com a tecnologia defendida pelo próprio presidente Xi Jinping. No entanto, Pequim quer seu bolo e quer comê-lo também: o modelo que permite é o blockchain em redes privadas, sem espaço para criptomoedas.

Mas não é apenas Xangai que fez referência aberta ao metaverso: o mesmo meio de comunicação disse que encontrou referência ao termo nos planos de expansão da indústria de TI formulados por órgãos governamentais locais em Pequim, Wuhan e Hefei, onde os reguladores de TI falaram da necessidade de desenvolver o metaverso com o mesmo peso da tecnologia médica, Big Data e computação em nuvem.

O meio de comunicação também observou que Sun Taoran, CEO da Lakala, uma fintech afiliada da gigante de tecnologia Lenovo, lançou duas propostas relacionadas ao metaverso em Pequim. A Sun é membro da Conferência Consultiva Política do Povo (filial de Pequim). Uma das propostas refere-se à criação de um “parque industrial piloto” para o “desenvolvimento do metaverso de Pequim”.

Em novembro do ano passado, os participantes da indústria sob os anúncios da Associação de Comunicações e Móveis da China (CMCA) formaram o que chamaram de Comitê da Indústria Metaverso, com pesos pesados ​​da indústria como China Mobile e China Unicom se juntando como membros fundadores. Securities Times observou que “um segundo lote” de membros recentemente tinha sido aceito para a aliança, com 15 agora no total - trazendo membros da comissão para 65.

Como relatado anteriormente, com as criptomoedas agora proibidas, empresas de tecnologia grandes da nação – incluindo Tencent, JD.com e Alibaba – tiveram que reduzir seus planos de tokens não-fungíveis (NFTs), chegando ao ponto de lançar NFTs em blockchains privados, renomeá-los como “coleções digitais” e impor restrições de revenda em seus tokens.

Independentemente disso, as empresas avançaram com esses planos, enquanto a agência de notícias estatal Xinhua surpreendeu as comunidades com suas próprias ofertas (gratuitas) de “NFT” – embora tenha sido emitida em um blockchain privado.

____

Leia Mais:

- Investimentos em Cripto para 2022: Mais VC, Metaverso, Jogos e Questões Regulamentares

- Empregos de Criptomoedas Cresceram em 2021 - LinkedIn