Homem é condenado a 2 anos de prisão por fraudar cadastros em corretoras cripto

Pedro Augusto
| 2 min read

condenado

Um australiano foi condenado a dois anos de prisão por fraude de identidade cibernética, envolvendo a criação de contas de criptomoedas online utilizando documentos falsificados.

Em 21 de junho, a Polícia Federal Australiana (AFP) informou que um homem australiano de 31 anos foi condenado no Tribunal do Condado de Melbourne.

Inicialmente, o site Report Cyber, do governo australiano para denúncias de cibercrimes, recebeu uma reclamação de uma vítima em Nova Gales do Sul sobre a criação não autorizada de uma conta bancária.

As investigações da AFP descobriram que o criminoso utilizava carteiras de motorista falsas, contendo detalhes reais das vítimas mas com sua própria foto, para abrir contas em duas exchanges de criptomoedas.

Operação Stonefish revela rede de cibercrimes


Surpreendentemente, a prisão ocorreu após uma investigação internacional sobre um site que vendia tecnologia facilitadora de fraudes, permitindo o roubo de mais de US$ 670.000 de vítimas.

A Polícia Federal Australiana iniciou a “Operação Stonefish” em agosto de 2022, após uma investigação do Reino Unido sobre um site que oferecia serviços de spoofing por apenas US$ 25.

Uma vez inscritos, o site permitia aos usuários realizar atividades fraudulentas. Esses serviços incluíam fazer chamadas automatizadas, enviar códigos de verificação únicos e oferecer outros serviços enganosos para facilitar golpes.

Análises revelaram que a Austrália era um alvo popular para os usuários do site. Como resultado, as duas autoridades colaboraram para identificar vítimas do site e potenciais usuários na Austrália, o que levou à prisão de outros dois indivíduos, segundo um relatório separado da AFP.

Josh Simpson, da AFP, destacou o aumento do “Cybercrime-as-a-service”. Atividades criminais agora estão disponíveis online como serviços compráveis. Isso permite que qualquer pessoa com um computador e acesso à internet cometa facilmente crimes como fraude de identidade e roubo.

Portanto, é vital, mais do que nunca, que as pessoas envolvidas com criptomoedas eduquem-se sobre como identificar e se proteger contra fraudes cripto.

Réu condenado por fraude de identidade e outros crimes


Em novembro de 2022, oficiais da AFP realizaram uma busca na residência do homem em Boronia. Eles apreenderam carteiras de motorista em branco e falsificadas, um passaporte perdido e cartões em nome de outras pessoas.

Além disso, em seu computador, enontrou-se mensagens em uma plataforma de mensagens criptografadas discutindo crimes de identidade e a criação de documentos falsos.

Consequentemente, o réu enfrentou múltiplas acusações sob a Lei de Combate à Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo de 2006 e o Código Penal. As acusações incluíam fornecimento de informações falsas, manipulação de produtos do crime e posse de documentos falsos.

Além dos dois anos de prisão, instituiu-se um período de não liberdade condicional de 10 meses.

As autoridades enfatizaram a importância do caso ao destacar o impacto da fraude de identidade habilitada por ciberataques e a necessidade de cooperação global no combate a tais ofensas. Por fim, o superintendente detetive Tim Stainton acrescentou:

“O roubo da identidade de alguém pode ter implicações sérias para as vítimas e é um delito criminal grave, punível com tempo significativo na prisão.”

Leia Mais: