`
. 4 min read

Joaquín Moreno do BTC em espanhol: “O freio na adoção está no medo da mudança”

Um recém-chegado às criptomoedas não apenas analisa o preço e a utilidade dos ativos, mas questiona se eles estão atrasados. Essa mesma pergunta também foi feita por Joaquín Moreno do BTC em espanhol no final de 2013 e início de 2014. Naquela época, ele achava que sim. No entanto, ele partiu em seu caminho de querer ensinar.

Em outubro de 2014, publicou o primeiro vídeo no YouTube, sendo pioneiro em espanhol, e hoje, quase oito anos depois, tem mais de 100.000 seguidores na plataforma de vídeos. Seu conteúdo é educativo e valioso. O argentino que mora no México conversou com a Crypto News sobre tudo: seus primórdios, o crescimento do canal, o presente e o futuro do Bitcoin.

Quando e por que você começou no mundo das criptomoedas?

Entrei por acaso, quase por engano. Me formei engenheiro industrial pelo ITBA em 2006 e depois de algumas coisas acabei trabalhando como gerente de produto de uma empresa. Na época eu queria mudar, criei um perfil em uma página para empreendedores e recebi um e-mail do ZipZap, que se interessou por mim. Eles queriam que as pessoas comprassem Bitcoin em uma loja física. Naquela época eu tinha ouvido, mas não tinha prestado muita atenção, achei caro, valia 300 dólares. Depois comecei a participar da comunidade BTC na Argentina e a ZipZap abriu um escritório no Bitcoin Center (hoje é Bitcoin Argentina e fica em Marcelo T. de Alvear 405, CABA). Naquela época, quando eu estava falando sobre Bitcoin para as pessoas, era como se um alienígena tivesse caído. Nós éramos esquisitos.

E como foi?

Em 2014, para a empresa, surgiu a possibilidade de ir à North America Bitcoin Conference, na qual o Ethereum foi apresentado. Naquela época havia um excesso de otimismo nos Estados Unidos e dizia-se que em 2020 o mundo inteiro estaria usando Bitcoin para pagar no supermercado. Estamos em 2022 e isso não acontece. Eu estava ciente de que tudo era muito experimental e não um sprint, mas uma maratona. Ao longo dos anos percebi que o maior freio na adoção está no medo das pessoas à mudança e não no desenvolvimento da tecnologia. Há muito mais a fazer, mas o freio é isso. De 2017 até agora, atingiu uma aceleração significativa em termos de adoção.

Como surgiu o BTC em espanhol?

Vi a necessidade de criar conteúdo e comecei a trabalhar nisso. Antes, ele fazia vídeos de vela, então ele tinha o conhecimento e as habilidades. Tive que estudar e aprender. Consegui entrar em contato com os patrocinadores e saiu um lote de vídeos. Eles me contataram do Brasil e também lançamos o BTC em português. Naquela época eu adoraria ter mais dinheiro para investir, mas eu não era um investidor. Ele cobrou em BTC, mas gastou em BTC. No escritório ele pagava a comida dessa forma, por exemplo.

Depois de cinco anos de pé, você retomou.

Sim, desde 14 de outubro de 2019 recomecei com mais vídeos. Aí viria a pandemia e em junho de 2020 levei mais profissionalmente, um vídeo toda semana, com um formato novo e coisas melhores.

Quão perto estamos de comprar com Bitcoin no supermercado como você ouviu em 2014?

Mais perto do que nunca. Hoje você pode encontrar pessoas que vivem usando apenas BTC. Com certas limitações, mas você pode viver. Há também um longo caminho a percorrer. Estima-se que apenas 1% da população tenha BTC. Se você olhar através de uma lente a 30.000 pés, como dizem os gringos, há um longo caminho a percorrer. Hoje o ser humano tem uma ferramenta para ser dono e responsável por um valor monetário. Antes você tinha que confiar em um banco, não mais. Coisas inimagináveis ​​podem ser feitas, por isso existe o medo da mudança.

Por que você não fala sobre preços?

Porque eu não sou um especialista. A ideia não é falar de preços, mas de dicas e ferramentas. Globalmente, as pessoas estão começando a fazer perguntas sobre o que é dinheiro, como funciona, e queremos que o conteúdo seja útil para as pessoas que procuram resolver um problema. Eles nunca verão um vídeo meu onde eu diga por que subiu ou por que caiu. Faço um conteúdo específico, sem muitas voltas e há um trabalho de pesquisa.

O que você diria para alguém que não sabe nada sobre Bitcoin?

Cada pessoa tem sua própria jornada dentro desse mundo e a dica é que abram a cabeça. Ser capaz de questionar coisas que eles consideravam garantidas. O que é dinheiro, como funciona, coisas que não se ensinam na escola. O desejo de aprender nunca precisa ser extinto. Convido todos aqueles que estão ansiosos e curiosos a se fazerem as perguntas mais profundas. Há o clique de que algo está errado e que a solução é o BTC.

———-

Leia mais:

“Melhor Performance do Metaverso” é incluída em prêmio da MTV e mais notícias

Propriedade de criptomoedas nos EUA aumenta para 13%: ‘ consumidores esperavam comprar a queda’ – pesquisa