Líder da oposição chilena possui Ethereum – mas é um cripto-cético

Tim Alper
| 1 min read

Um líder do partido de oposição chileno pediu que as criptos fossem oficialmente reconhecidas como uma classe de ativos e alegou que ele possuía ethereum (ETH) – embora também se autodenomine um cripto-cético.”

Fonte: Giorgio Jackson Diputado / Facebook

De acordo com relatório do DF Mas, Giorgio Jackson, o fundador do partido político Revolução Democrática, que tem 10 cadeiras na câmara baixa, mais uma cadeira no Senado, explicou que possuía uma “pequena quantidade” de ETH, embora não tivesse divulgado o tamanho de seu investimento.

Jackson, um ex-engenheiro, estava falando em um evento operado pela Buda exchange de criptos. E ao discutir a ideia do Chile seguir o exemplo de El Salvador ao conceder para bitcoin (BTC) o status de moeda legal, disse:

“Não estou me excluindo da possibilidade [de seguir o exemplo salvadorenho], mas sou cético. E não há motivos suficientes agora para argumentar que é ideal ou ótimo ter uma criptomoeda como curso legal em qualquer país.”

No entanto, ele defendeu uma mudança legal, afirmando que embora uma série de questões regulatórias “pendentes” ainda afetassem o setor, os cripto-tokens “deveriam ser reconhecidos como ativos”.

Ele passou a delinear essas questões, mencionando a necessidade de medidas de combate à fraude, um sistema de proteção ao consumidor, o direito dos bancos de “vetar” transações e a capacidade de “realizar testes de rastreabilidade” em casos de possível evasão fiscal ou atividade criminosa .

Jackson acrescentou que as questões relacionadas à volatilidade também atrapalharam os planos de adoção de criptos e também opinou que tempos de validação lentos, custos de comercialização instáveis ​​e problemas de consumo de energia também podem fornecer barreiras à adoção convencional. Tratar de tais problemas não seria fácil, disse o líder político, pois em alguns casos, “a cura pode ser pior do que a doença”.

Independentemente disso, Jackson disse, “inovação e tecnologia” exigem ação, com fintech e legislação relacionadas às criptos sendo necessária “o mais rápido possível”.

Ele foi citado como tendo declarado que o mundo das fintech “não ficaria isento” da necessidade de apoio governamental e que “devemos analisar como podemos proteger as pessoas”.

Jackson concluiu:

“Precisamos aprovar uma lei de fintech e encontrar uma maneira de aplicá-la. A ideia de [permitir que o setor de fintech] desafie as instituições financeiras parece-me fundamental.”