Meta gasta US$ 60 Milhões em Direitos e Marcas para Garantir Nome

A Meta, empresa controladora do Facebook, está determinada a gastar US$ 60 milhões para adquirir os direitos de nome de propriedade do banco americano Meta Financial Group, a última empresa divulgada em um documento regulatório recente. 

No início deste mês, o Meta Financial Group assinou um contrato de compra com a Beige Key LLC, uma empresa de responsabilidade limitada de Delaware. 

“A Beige Key é afiliada a nós e adquirimos esses ativos da marca”, disse um porta-voz da Meta Platforms - à Reuters. 

Um porta-voz do MetaBank também confirmou que a Meta Platforms estava envolvida no negócio.

O banco cedeu ao comprador, por US$ 60 milhões em dinheiro, todos os "direitos, títulos e interesses mundiais em e para" seus nomes e nomes comerciais, registros de marcas comerciais e direitos consuetudinários, nomes de domínio e contas de mídia social, bem como toda a boa vontade associada às marcas e nomes acima, afirma o documento.

Enquanto isso, a Meta está perseguindo seus planos de englobar grandes parcelas de realidade virtual em seu metaverso, Sebastien Borget, cofundador e COO do mundo virtual descentralizado de jogos The Sandbox, adverte que grandes empresas de tecnologia podem ameaçar um metaverso aberto baseado em blockchain. 

“Nosso objetivo é construir um metaverso aberto que possa enfrentar o que chamamos de competição que são os metaversos da Web 2.0”, disse Borget, citado pelo South China Morning Post . Ele acrescentou que sua principal consideração no momento é como defender o metaverso contra o domínio de empresas como a Meta.

A demanda por terrenos digitais no metaverso está crescendo, com uma única semana no final de novembro trazendo US$ 100 milhões em vendas de terrenos de token não fungível (NFT) nos quatro principais mundos virtuais: The Sandbox, Decentraland, CryptoVoxels e Somnium Space.

“A maneira como [Big Tech] projeta a visão de criar o metaverso realmente carece de diversidade”, argumentou Borget, acrescentando:

“Não achamos que essas empresas possam construir algo realmente divertido que seja atendido pelos usuários porque eles estão tão focados em seu modelo de negócios principal e como satisfazer os acionistas em vez de satisfazer os usuários que possuem o ativo, que possuem a governança de sua própria plataforma.”