O nível de interesse em criptomoedas na América Latina é mais baixo no Chile – Pesquisa

Tim Alper
| 1 min read

Uma pesquisa constatou que os chilenos são as “pessoas menos interessadas em criptografia na região da América Latina” – e mais de um quarto dos entrevistados dizem que não têm ideia do que é o Bitcoin (BTC).

Em um estudo conduzido pela agência de relações públicas com foco na América Latina, Sherlock Communications, 2.700 pessoas de toda a região foram entrevistadas, com foco na Argentina, Brasil, Colômbia, México e Chile.

Mas enquanto apenas 74% dos chilenos disseram que “reconheciam” o BTC, esse número chegava a 92% na Argentina.

Na verdade, os argentinos parecem ser mais experientes em criptografia do que muitos outros países do mundo, com 41% dos entrevistados dizendo que já ouviram falar do token ethereum (ETH), a altcoin número um. Outros 30% dos entrevistados sediados na Argentina disseram que conheciam litecoin (LTC), com 16% também dizendo que sabiam o que era dogecoin (DOGE) .

Em contraste, entre 10% e 18% dos chilenos disseram que sabiam sobre qualquer uma dessas moedas.

Quando se trata de realmente fazer investimentos em criptomoedas, no entanto, os chilenos são muito mais cripto-cautelosos do que qualquer um de seus vizinhos.

Apenas 7% dos colombianos disseram não ter interesse em criptomoedas, com o mesmo número subindo para 12% no Brasil e mais expressivos 17% para os chilenos.

Em todas as cinco nações, cerca de um terço dos entrevistados disseram que desejam que seus governos introduzam mais regulamentações relacionadas à criptomoedas. Mas os chilenos foram os mais céticos de todos quando se tratou de avaliar a decisão de El Salvador de adotar o BTC como moeda legal.

Bem mais da metade dos brasileiros, mexicanos e colombianos pesquisados ​​disseram que apoiaram o movimento do BTC de El Salvador, com 48% dos entrevistados brasileiros dizendo que queriam que o Brasil também adotasse o bitcoin como moeda legal.

O Chile foi o que se destacou nesse aspecto, com apenas 36% dos entrevistados acreditando que o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, fizera a escolha certa.

Mais de um quarto dos entrevistados afirmou que não tinha dinheiro suficiente para fazer investimentos em criptomoedas, mas quase metade afirmou que a criptografia poderia ser uma ferramenta poderosa para fazer transferências internacionais de dinheiro e trocar moedas fiduciárias.

No verão deste ano, o líder da oposição chilena Giorgio Jackson, do partido da Revolução Democrática, instou o governo a reconhecer oficialmente a criptografia como uma classe de ativos e admitiu possuir uma quantidade não especificada de ETH.