11 Out 2021 · 2 min read

O sistema financeiro está em 'uma era de ruptura' - Chefe do BIS

Tanto o mundo quanto o sistema financeiro como o conhecemos estão em uma “era de ruptura”. Mas, em vez de deixar a “ruptura seguir seu curso”, os bancos centrais devem “aproveitar o poder da inovação” para que os melhores elementos do sistema financeiro atual possam ser preservados, de acordo com Benoit Cœuré, chefe do Centro de inovação do Banco de Compensações Internacionais (BIS).

Falando na Conferência sobre a Economia Mundial em Genebra, Suíça, na quinta-feira, Cœuré disse que “as criptomoedas, o rápido aumento das finanças descentralizadas (DeFi) e os sistemas de identificação digital” estão causando disrupções dos antigos sistemas.

E embora o funcionário do BIS admitisse que as novas tecnologias “podem promover uma maior eficiência”, ele também disse que elas têm o potencial de gerar “instabilidade financeira, perda de privacidade e exclusão financeira”.

No entanto, apesar de suas afirmações, criptomoedas descentralizadas, como Bitcoin (BTC) podem fazer o oposto e oferecer maior privacidade e inclusão financeira. 

Em ambos os casos, mais especificamente, Cœuré apontou para os riscos que ele vê nas stablecoins, e em particular as chamados “stablecoins globais”, como o projeto Diem do Facebook

“Eles são promovidos como uma forma de fornecer pagamentos internacionais mais rápidos e baratos e uma inclusão financeira mais profunda. E eles fazem”, disse Cœuré, antes de alertar que também “apresentam riscos significativos:”

“Eles podem criar ecossistemas fechados ou 'jardins murados' que fragmentam o sistema monetário, potencialmente recebendo grandes volumes de pagamentos fora do sistema que tem bancos centrais em seu centro.”

Morover, o chefe do Centro de Inovação do BIS, também alertou que as stablecoins podem representar riscos para a própria estabilidade financeira. Para resolver isso, Cœuré disse que stablecoins - se consideradas "sistemicamente importantes" - devem seguir "padrões internacionais para sistemas de pagamento, compensação e liquidação para salvaguardar a estabilidade financeira [...]."

Além disso, Cœuré, um economista francês que já foi membro do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE), disse que a história do dinheiro privado "não é uma leitura feliz" e que "os emissores privados sempre escolheram os lucros" sempre que conflitos surgiram entre manter o dinheiro estável e ganhar dinheiro.

"É aqui que entram os bancos centrais", continuou Cœuré, antes de passar a explicar como uma moeda digital de banco central "bem projetada" (CBDC) poderia se tornar um "meio seguro e neutro de pagamento e liquidação" no tempo à frente.

No entanto, ele admitiu que essa interrupção é mais complicada do que pode parecer.

“A inovação tecnológica também poderia atrapalhar a condução da política monetária? Esta poderia ser a próxima linha de batalha. Existem tantas dimensões para esta questão, e certamente não tenho todas as respostas”, disse Cœuré.

Às vezes chamado de 'banco central dos bancos centrais', o BIS é uma instituição financeira internacional com sede em Basel, Suíça. A instituição pertence a 62 bancos centrais de todo o mundo e é liderada pelo ex-governador do Banco do México, Agustín Carstens.