Argentina pode seguir exemplo de El Salvador em adoção cripto?

| 4 min read

Presidente da CVM argentina elogia adoção do Bitcoin por El Salvador

O presidente da Comissão Nacional de Valores Mobiliários (CNV) da Argentina, Roberto E. Silva, fez elogios à política de El Salvador relativa ao Bitcoin (BTC).

As declarações de Silva ocorreram durante reunião com o presidente da Comissão Nacional de Ativos Digitais (CNAD) de El Salvador, Juan Carlos Reyes. Também esteve presente a vice-presidente da CNV, Patricia Boedo.

Aliás, um dos focos do encontro foi justamente a experiência da nação centro-americana com as criptomoedas. Afinal, El Salvador foi o primeiro país do mundo a adotar o Bitcoin como moeda legal.

A CNAD regula todos os ativos digitais, além de outros instrumentos financeiros digitais. No entanto, a Superintendência Financeira e o Banco Central de Reserva de El Salvador também são reguladores do BTC, já que essa é uma de suas moedas oficiais.

Argentina busca inspiração em El Salvador


O encontro entre os representantes da Argentina e de El Salvador ocorreu na quinta-feira (23), em San Salvador, capital salvadorenha.

Durante o encontro, o presidente da CNV destacou o conhecimento que a CNAD tem a oferecer devido à vanguarda na experiência com criptos:

“El Salvador emergiu como um dos países líderes, não apenas no uso do Bitcoin, mas também se destacou no mundo dos ativos criptográficos. Criou uma comissão específica, a Comissão Nacional de Ativos Digitais (CNAD), e por isso tem uma experiência que é muito valiosa para a CNV neste momento.”

Silva também sinalizou para uma possível colaboração oficial entre os países:

“Queremos estreitar os laços com a República de El Salvador e, por isso, vamos explorar a possibilidade de assinar acordos de colaboração com eles.”

Santa Ana, El Salvador

A vice-presidente da CNV, Patricia Boedo, já havia visitado o país centro-americano em março deste ano, quando participou de reuniões técnicas com supervisores da CNAD.

Na ocasião, os principais temas na agenda de Boedo com os salvadorenhos foram o desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários e elementos-chave da regulação de criptoativos. Aliás, ela lembrou a visita anterior durante a reunião da última semana.

“Quero destacar a experiência de El Salvador quando se trata do mundo dos ativos criptográficos. Tive a oportunidade de trocar experiências durante a visita àquele país e parece-me fundamental continuar a estreitar laços com uma república que é pioneira no assunto e tem vasta experiência nele.”

Já Reyes aproveitou para “vender o peixe” do órgão salvadorenho:

“A Argentina é pioneira em tecnologia, e a CNV quer trabalhar com a indústria de forma eficiente e criar uma regulamentação adequada. Agradecemos a abordagem com a CNAD de El Salvador, uma autoridade supervisora ​​inovadora e com experiência na indústria de ativos digitais, responsável por aplicar um quadro regulatório robusto nesta matéria.”

Argentinos ignoraram contato anterior de El Salvador


A aproximação oficial entre Argentina e El Salvador para tratar de criptomoedas representa uma mudança de rota importante.

Afinal, a CNV já havia ignorado uma oferta de ajuda no ano passado. Na ocasião, foi um conselheiro do governo salvadorenho, Max Keiser, quem fez contato.

Em 2023, logo após a vitória de Javier Milei na corrida presidencial argentina, Keiser publicou um post no X (antigo Twitter) oferecendo ajuda.

No entanto, apesar de citar o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, essa foi uma proposta extraoficial. Portanto, algo bem diferente do que ocorre agora, com o encontro entre representantes dos dois países.

Além disso, após ter sido ignorado pelas autoridades argentinas, Keiser fez críticas a Milei, afirmando que ele teria cometido seu “primeiro grande erro”.

Essa crítica foi dirigida a uma nova obrigação de registros para as corretoras argentinas de criptomoedas. A regulamentação entrou em vigor em março de 2024.

Na ocasião, o próprio presidente da CNV, Roberto E. Silva, defendeu a importância do novo conjunto de leis:

“Trabalhamos contra o relógio para avançar no cumprimento da Lei n.º 25.246 que reforma o Sistema Regulador Nacional de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo e hoje apresentamos hoje a criação do registro PSAV antes do final da visita do GAFI ao país, considerando sua recomendação sobre o tema.”

Portanto, a regulamentação serviu para adequar o mercado local de criptos às recomendações do GAFI (Grupo de Ação Financeira Internacional).

Por isso, Keiser voltou ao X para acusar Milei de nunca ter se dedicado a entender o Bitcoin. Segundo ele, o presidente argentino sofreria as consequências desse erro.

Encontro em El Salvador pode indicar virada de chave


Após esse estranhamento inicial, ainda há a expectativa de que o governo argentino adote uma postura mais favorável ao crescimento do uso de criptos no país.

Os contatos com representantes de El Salvador são um indício importante de que há algo concreto nesse sentido. Mas há muito mais ocorrendo na Argentina neste momento.

A forte inflação no país, por exemplo, já vem empurrando muitos argentinos para o Bitcoin. Afinal, essa é uma forma de se proteger da desvalorização do peso local.

Nos últimos dias, o BTC bateu o recorde de preço na Argentina. E isso ocorre justamente em um momento em que a oferta de dólares recua no país.

Aliás, nesse cenário de disparada dos preços e escassez do dólar, não é apenas o BTC que se valoriza. O Ethereum e diversas stablecoins passaram a se tornar mais comuns em carteiras no país.

Leia mais: