14 Out 2021 · 1 min read

Putin diz que criptomoedas 'têm seu valor' e têm 'o direito de existir'

O presidente russo, Vladimir Putin, fez uma declaração surpreendentemente positiva sobre as criptomoedas - alegando que elas tem o “direito de existir” - e acrescentou que poderiam um dia encontrar um nicho nas economias “como meio de acumulação”.

Putin falava ao canal de notícias CNBC em uma entrevista sobre o tema energia, cuja transcrição foi postada no site do Kremlin. Durante a entrevista, ele foi questionado sobre a possibilidade de usar a criptografia como meio de pagamento nas negociações de exportação de petróleo.

Ele respondeu:

“Contratos de criptomoeda [financiados]? É muito cedo para falar sobre isso. Porque criptomoedas, é claro, podem ser usadas como uma unidade de conta [em negócios], mas são muito instáveis. Usá-los para transferir fundos de um lugar para outro [é viável]. Mas, na minha opinião, ainda é prematuro negociar [com criptografia] - especialmente quando se trata de negociar recursos de energia”.

O líder russo estava falando com a mídia como parte de um evento da Russian Energy Week, e como os preços do gás e do petróleo continuam subindo em todo o mundo. E quando pressionado em suas visões sobre criptografia, ele afirmou que “tudo tem o direito de existir” - até mesmo a criptografia.

Ele acrescentou:

“Veremos o quanto mais [a criptografia] irá. Talvez um dia [tokens] também possam se tornar um meio de acumulação. Veremos como o mercado se desenvolve. É um pouco cedo [para julgar as criptomoedas] no momento.”

E embora afirmasse que os criptoativos são “recursos eletrônicos” que “ainda não são apoiados por nada”, ele hesitou ao ser questionado por seu entrevistador se achava que as criptomoedas “não tinham valor”, respondendo:

“Por quê? [Criptomoedas] Tem valor. A questão aqui é apenas se ele pode ser usado como uma unidade de conta na compra e venda de petróleo. É só disso que estou falando. Para comercialização de energia, é necessário o uso de unidades tradicionais [de pagamento], principalmente no caso dos hidrocarbonetos.”