18 Out 2021 · 2 min read

Quatro Etapas para os Bancos se Prepararem para as Criptomoedas

Os bancos mundiais devem se preparar para a nova era das finanças descentralizadas (DeFi), preparando a tecnologia necessária para manter e trocar criptoativos e moedas digitais de Banco Central (CBDCs), de acordo com a um recente relatório da empresa de blockchain Cypherium e do Boston Consulting Group (BCG).

Cypherium e o BCG dizem que os bancos devem se preparar para a grande perturbação por meio das seguintes quatro etapas não-exaustivas:

  • Preparar para manter e trocar criptografia e CBDCs;
  • Integrar nova infraestrutura de criptomoedas em suas operações;
  • Atualizar os procedimentos de combate à lavagem de dinheiro (AML) e verificação de identidade para garantir a conformidade;
  • Explorar tecnologias e desenvolvimentos relacionados.

O relatório chegou à conclusão acima levando em conta vários desafios.

O estudo reconhece três grandes Bancos Centrais na vanguarda deste processo, nomeadamente o Banco Popular da China, o Sveriges Riksbank da Suécia e o Banco Central Europeu (ECB) - por estarem “à frente da curva em termos de experimentação de moeda digital”.

O BCE, por exemplo, propôs implementações centralizadas e descentralizadas para o Euro digital, afirma o relatório, acrescentando:

“Para reter um elemento de intermediação bancária, parece provável que a moeda será de fato construída sobre uma combinação de razão centralizada e razão distribuída, usando um sistema como a criptografia assimétrica. Ambos os livros darão poder ao banco central para supervisionar as transações."

Enquanto isso, os EUA ainda não anunciaram nenhum roteiro técnico relacionado ao seu projeto CBDC, mas "é provável que favoreça um projeto centralizado, como a China fez", de acordo com o estudo. 

A introdução de CBDCs e o aumento da popularidade das criptomoedas ameaçam os bancos tradicionais em duas direções: as grandes tecnologias podem assumir uma parte de seus mercados e as alternativas de dinheiro apoiadas pelo Banco Central podem tornar os bancos redundantes como intermediários, segundo o Cypherium e o BCG.

Dito isto, “na maior parte, é provável que os bancos continuem a atuar como distribuidores, mantendo algum equilíbrio no sistema”, de acordo com o relatório.

A forma como os bancos devem pensar sobre os CBDCs é da mesma forma que fariam abordar a introdução de qualquer novo método de pagamento oferecido pelos Bancos Centrais", disse o relatório.

"No mínimo, eles devem resolver os muitos mal-entendidos associados à tecnologia de blockchain e garantir que os sistemas existentes se provem necessários para as mudanças perturbadoras que virão”, conclui o relatório.