Regulador Polonês visa Scamcoins, mas Permite Anúncios de Criptomoedas

| 2 min read

O regulador polonês afirma que tem monitorado cada vez mais anúncios de investimentos alternativos por influenciadores de mídia social poloneses, recentemente acusando algumas pessoas de promover esquemas Ponzi – mas aparentemente não está investigando anúncios relacionados à criptomoedas, com algumas exceções. 

As informações fornecidas pelo Escritório de Concorrência e Proteção ao Consumidor (UOKiK) indicam que a agência não está investigando anúncios relacionados à criptomoedas na Polônia, a menos que eles anunciem scamcoins, sejam enganosos para os investidores e os informem sobre os riscos potenciais relacionados a tais investimentos.

“Desde o início da pandemia, observamos um número crescente de vários investimentos alternativos anunciados online, inclusive nas redes sociais. Entre eles estão […] esquemas de Ponzi. Infelizmente, para fazer com que tais empreendimentos pareçam legítimos, tais entidades usam imagens de pessoas famosas do mundo dos negócios ou da política”, disse um porta-voz do UOKiK ao Cryptonews.com.

O representante da agência disse que, segundo a lei polonesa, tanto a organização quanto a promoção de esquemas Ponzi são ilegais, e o UOKiK está atualmente “conduzindo uma série de investigações nas quais pressionou acusações contra os chamados agiotas, ou seja, pessoas que tentam convencer os consumidores a investir seu dinheiro em tais projetos.”

No ano passado, a agência deu início à sua campanha contra influenciadores online engajados na promoção de esquemas Ponzi com a primeira grande multa a ser imposta a tal pessoa. Um youtuber polonês foi multado em PLN 450.000 (US$ 109.000), de acordo com o porta-voz.

Questionado sobre se havia alguma limitação em anúncios relacionados à criptomoedas, o porta-voz negou, dizendo que “é proibido promover sistemas do tipo esquema Ponzi” e “enganar os consumidores”.

“Além disso, se um influenciador promove por meio de seu canal um investimento definido e apresenta os benefícios que ele pode trazer, ele também deve informar explicitamente ao consumidor sobre os riscos relacionados a esse investimento”, afirmou o representante da agência.

As potenciais penalidades financeiras que poderiam ser impostas pelo órgão fiscalizador por violação dos interesses coletivos dos consumidores podem totalizar até 10% do faturamento anual de uma entidade para cada uma das práticas ilegais identificadas.

Além disso, o UOKiK diz que compartilha os resultados de suas investigações com as agências polonesas de aplicação da lei, o que pode desencadear mais problemas jurídicos para influenciadores envolvidos em atividades ilegais. 

Os esquemas Ponzi são processados ​​na Polónia ao abrigo do art. 286 do Código Penal do país. O envolvimento em tais fraudes é punível com penas de prisão de seis meses a oito anos.

No ano passado, o regulador alertou o público sobre o suposto scamcoin DasCoin, ordenando que o operador do token cessasse suas “atividades ilegais”. A declaração ocorreu após uma investigação lançada por promotores poloneses sobre os criadores do DasCoin. No que foi possivelmente o maior esquema Ponzi relacionado à criptografia da Polônia, os supostos fundadores do scamcoin enganaram os investidores em cerca de US$ 66 milhões.

O desenvolvimento mais recente ocorre em um momento em que anúncios relacionados à criptografia estão atraindo a ira de vários reguladores e tomadores de decisão em toda a Europa. No Reino Unido, uma campanha publicitária massiva com sede em Londres iniciada por floki inu (FLK), um memecoin que leva o nome do cachorro Shiba Inu do chefe da Tesla Elon Musk, pressionou alguns políticos locais a pedirem a proibição de anúncios de produtos financeiros não regulamentados exibidos pelo Transporte para Londres (TfL).