13 Out 2021 · 1 min read

Regulador sul-coreano diz que regulamentações em DeFi e NFT estão chegando

A indústria de criptografia da Coreia do Sul está se preparando para outra rodada de regulamentações potencialmente restritivas - com um chefe de regulamentação financeira sugerindo que, após submeter exchanges de criptografia a algumas das regulamentações mais restritivas do mundo, os setores de finanças descentralizadas (DeFi) e de tokens não fungíveis (NFT) serão os próximos na fila.

Em uma entrevista com Maeil Kyungjae, o chefe da Unidade de Inteligência Financeira (FIU) Kim Jeong-gak disse que a Coreia do Sul estava de olho nas recomendações futuras sobre NFTs e DeFi da Força Tarefa de Ação Financeira (FATF), acrescentando que o nação se esforçaria por "consistência internacional".

Mas ele também acrescentou:

“Vamos considerar como [regular os dois setores] com os ministérios relacionados e refletir essas [decisões] com a lei financeira [emendada].”

Kim também disparou uma espécie de alerta para o setor de exchanges de criptomoedas, já recuperado de uma repressão que deixou apenas quatro plataformas de negociação podendo trocar moedas digitais pelo KRW fiduciário. Kim afirmou que a FIU pretendia "gerenciar e supervisionar as exchanges sob os mesmos padrões estritos dos bancos".

Ele alegou que a lavagem de dinheiro no mercado de criptoativos era mais provável de ocorrer do que em instituições financeiras altamente regulamentadas, como bancos.

Ele disse que os reguladores “precisam se concentrar mais nos” operadores de negócios de criptoativos e iriam “monitorar de perto” as empresas daqui para frente.

Até agora, apenas duas exchanges - a primeira plataforma de negociação do país, Korbit, e a líder de mercado Upbit, receberam licenças de operação completas da FIU, com os pedidos dos rivais Bithumb e Coinone ainda em análise. O restante da indústria de exchanges do país, outrora florescente, foi forçada a fechar ou a oferecer transações apenas cripto-para-cripto.

Os críticos dizem que o governo e os reguladores permitiram o surgimento de um “monopólio” ou “oligopólio” de quatro empresas, matando firmas promissoras e inovadoras ao longo do caminho.

Mas Kim ignorou essas críticas, alegadamente afirmando:

“A preocupação com os monopólios é um fenômeno que surge naturalmente durante o processo de implementação de um novo sistema.”