12 Out 2021 · 2 min read

“Repressão” de Stablecoin Local Cria Caso para Descentralização do Dinheiro

A Coreia do Sul está, sem querer, enviando outro aviso aos usuários de ativos digitais centralizados, mostrando que eles podem ser rastreados e controlados.

Desta vez, as autoridades do governo local na cidade sul-coreana de Iksan dizem que vão reprimir duramente os casos de uso ilegal de uma stablecoin local.

O Newsis relatou que o governo da cidade da província de Jeolla do Norte anunciou uma “repressão para erradicar a distribuição ilegal” do token Iksan Dairom. A moeda movida a Blockchain faz uso da tecnologia fornecida pela gigante das telecomunicações KT e seu ecossistema Good Pay baseado em smartphone.

Projetos semelhantes liderados pelo KT estão em uso em outras cidades sul-coreanas, como Gumi, Gimpo e Ulsan.

Os tokens são um substituto para os certificados de presente em papel que muitas cidades sul-coreanas costumavam emitir na tentativa de promover negócios locais que correm o risco de ser superados por grandes marcas nacionais ou internacionais.

De acordo com o site da cidade de Iksan, além das grandes superlojas administradas por conglomerados, várias outras empresas também estão proibidas de aceitar a Dairom como meio de pagamento, a saber: cassinos, jogos de azar e negócios relacionados a loteria, formas ilegais de especulação, lojas para adultos, casas de massagem e pubs que fornecem serviços relacionados a “entretenimento”.

No entanto, a cidade afirma ter evidências de que muitas empresas menores estão tentando desrespeitar essas regulamentações.

A cidade disse que estava usando a tecnologia Blockchain para analisar Big Data do sistema operacional em moeda local para “monitorar transações suspeitas, como usos fraudulentos envolvendo o token em “transações financeiras em tempo real”.

Iksan acrescentou que queria investigar casos em que os destinatários dos tokens obtiveram moedas “sem vender bens ou fornecer serviços”, bem como casos em que os pagamentos de tokens excederam o valor dos bens ou serviços.

Em alguns casos, os comerciantes parecem ter comprado tokens “repetidamente” “em nome de outra pessoa e depois os trocaram” por KRW fiduciário.

Multas no local seriam emitidas para delitos menores, acrescentou a cidade, acrescentando que buscaria processar os maiores infratores e cobrá-los com multas de até US$ 16.740.

Um porta-voz da cidade foi citado como tendo declarado:

“Faremos uma repressão contínua à distribuição ilegal. Impediremos a distribuição ilegal de Iksan Dairom e bloquearemos as transações ilegais na fonte [para ajudar] a revitalizar a economia local.”