29 Dec 2022 · 4 min read

Tribunal na China decide que NFTs representam propriedade virtual e são protegidos por lei

Fonte: AdobeStock / Corgarashu

Um tribunal em Hangzhou, na China, decidiu que os NFTs são considerados propriedade virtual e são protegidos pela lei chinesa. A decisão veio de um caso envolvendo uma disputa entre um cliente e uma plataforma que foi contratada para vender uma coleção de tokens.

O tribunal afirmou que as coleções NFT têm as características de direitos de propriedade, como valor, escassez, controlabilidade e legibilidade, além de possuir "atributos exclusivos de propriedade virtual de rede".

"O contrato envolvido no caso não viola as leis e regulamentos, nem viola a política real e a orientação regulatória de nosso país para evitar riscos econômicos e financeiros e deve ser protegido pela lei de nosso país."

Os NFTs carregam a expressão artística do criador e têm o valor dos direitos de propriedade intelectual relacionados, acrescentou, além de serem ativos digitais criados no blockchain.

"Portanto, as coleções digitais NFT pertencem à categoria de propriedade virtual [...] diferente de objetos tangíveis ou intangíveis em contratos de venda em geral", afirmou. "As cobranças de NFT, um novo tipo de propriedade virtual online, devem ser protegidas pelas leis de nosso país como objeto de transações entre as duas partes."

O tribunal observou, no entanto, que quando se trata de atributos legais de cobranças NFT, a lei chinesa "atualmente não os estipula claramente".

Dito isto, as transações nesses tipos de casos são iguais à venda de produtos digitais online e, como tal, são atividades de comércio eletrônico – reguladas pela Lei de Comércio Eletrônico da China, argumentou o tribunal.

Company v. Wang

A declaração explica que o réu no caso é uma empresa digital com sede em Hangzhou, que opera uma plataforma de comércio eletrônico especializada na venda de obras de arte digitais. Do outro lado dessa batalha judicial, como autor da ação, estava o usuário da plataforma, conhecido pelo pseudônimo de Wang.

O que ensejou a disputa judicial é que a plataforma cancelou a compra de uma coleção NFT – o que Wang alegou ter sido feito sem o seu consentimento.

Em fevereiro, a empresa anunciou que uma "uma coleção digital NFT blind box" seria vendida em quantidades limitadas. Também afirmou que um número de telefone celular "consistente com a autenticação de nome real deve ser preenchido" ao fazer uma compra, enquanto pedidos inválidos sem autenticação de nome real, informações pessoais incorretas etc. seriam eliminados e a compra reembolsada.

Wang afirmou que comprou uma dessas caixas por ¥ 999 (US$ 143) após preencher seu número de celular e informações pessoais, mas que a empresa nunca a entregou, devolvendo o dinheiro a Wang após 10 dias. Portanto, ele pediu o cumprimento do contrato ou o pagamento de uma indenização de ¥ 99.999 (US$ 14.325).

A empresa, por sua vez, alegou que o número de telefone celular e o número de identificação fornecidos por Wang ao fazer o pedido eram imprecisos, por isso efetuou o reembolso. Além disso, segundo a empresa, o contrato não havia sido concluído naquele momento e, mesmo que fosse, teria sido rescindido nos termos do contrato, devido a informações incorretas fornecidas pelo comprador. Por fim, os itens já foram vendidos, portanto, enviá-los para Wang após o processo seria impossível.

Reivindicações rejeitadas

O anúncio feito pela empresa, com todas as instruções por ela fornecidas, foi um convite formal aos interessados ​​para fazer uma oferta, disse o tribunal. Quando Wang "apresentou com sucesso" o pedido de uma caixa, formou-se um contrato vinculativo entre as duas partes.

No entanto, o anúncio deixou claro que a plataforma tinha o direito de rescindir qualquer contrato em caso de informações imprecisas. A julgar pelos detalhes da ordem apresentada por Wang, "o quarto dígito do número do celular e o sexto dígito da carteira de identidade que ele preencheu não atendiam aos requisitos", disse o tribunal. Isso, junto com o reembolso enviado a Wang, deu à empresa o direito de rescindir o contrato.

Embora Wang tenha solicitado que o contrato fosse cumprido, não havia base legal para isso, pois não havia mais contrato. Além disso, uma vez que não houve quebra de contrato, o pedido alternativo de Wang para uma compensação de ¥ 99.999 não tinha "nenhuma base factual e legal correspondente" e o tribunal não concedeu o pedido.

Portanto, o tribunal rejeitou a reivindicação de Wang.

---------------------