O uso do Euro Digital como forma de investimento pode ser evitado

ECB. Fonte: AdobeStock / Noppasinw

 

O Banco Central Europeu (BCE) está avançando nas discussões sobre o projeto do Euro Digital. No entanto, os tomadores de decisão argumentam que é possível equipar a moeda digital do banco central (CBDC) com ferramentas eficazes que o impediriam de ser usado como forma de investimento - antes, seria usado apenas como meio de pagamento, segundo Fabio Panetta, Membro do Conselho Executivo do BCE.

O banqueiro disse em suas declarações ao Comitê de Assuntos Econômicos e Monetários do Parlamento Europeu, o legislativo da UE, que "uma dessas ferramentas implica limites quantitativos em participações individuais".

Ainda outra, disse Panetta, "envolve desencorajar seu uso como forma de investimento, aplicando uma remuneração desincentivadora acima de um determinado limite, com participações maiores sujeitas a taxas menos atraentes".

Panetta disse que a intenção do banco é incorporar ambos os tipos de ferramentas, limites e remuneração escalonada, no design do euro digital, acrescentando:

“Mais perto da possível introdução de um euro digital, decidiremos como combiná-los e calibrá-los para preservar a estabilidade financeira e nossa postura e transmissão da política monetária.”

As análises preliminares do BCE mostram que manter o total de participações digitais em euros entre 1 trilhão de euros (US$ 1,04 trilhão) e 1,5 trilhão de euros (US$ 1,56 trilhão) permitiria evitar efeitos negativos no sistema financeiro e na política monetária da UE, de acordo com Panetta.

"Esta quantia seria comparável com as atuais posses de notas em circulação", disse o banqueiro aos legisladores da UE. A população da área do euro é de cerca de 340 milhões, o que significa que “isso permitiria uma participação de cerca de 3.000 a 4.000 euros digitais per capita”.

Panetta argumentou ainda que,

“Ao mesmo tempo, ao projetar as ferramentas, buscaremos a simplicidade, tanto em termos de implementação técnica quanto de experiência do usuário. Queremos fornecer às pessoas um produto que seja fácil de entender e fácil de usar.”

As últimas observações vêm quando as instituições da UE continuam seu trabalho no Regulamento de Mercados de Criptoativos (MiCA) proposto, que deve fornecer uma estrutura legal para os mercados de criptoativos para os 27 estados membros do bloco.

____

Leia mais:

OpenSea: usuários podem economizar no custo do gás após migração para porto marítimo

Uma em cada sete pessoas ricas agora possui 'ativos digitais', diz pesquisa