Beam
Beam
BEAM

Beam

Como a primeira implementação do Mimblewimble a entrar no ar, o Beam se apresenta como uma moeda de privacidade escalonável e confidencial que visa dar a seus usuários controle total sobre os dados pessoais sem prejuízo ao desempenho.

O que é Beam?

Lançada no início de janeiro de 2019, a criptomoeda Beam é mais um representante da “nova onda” de moedas que implementa o protocolo Mimblewimble como seu principal truque. Junto com o lançamento de seu Grin, que ocorreu com apenas alguns dias de intervalo, o Beam faz parte do esforço para melhorar o que seus criadores consideram as deficiências das moedas de privacidade existentes, como Monero (XMR), Zcash (ZEC) e outras:

  • Maior controle sobre a privacidade. Os concorrentes do Beam são vistos como definidores de privacidade como um modelo que não torna as transações privadas por padrão. Em outras palavras, os usuários dessas moedas devem ativar os recursos de privacidade se não quiserem que suas transações sejam tratadas como públicas. Com o Beam, no entanto, todas as transações são tratadas como privadas por padrão, em vez de serem oferecidas como uma “opção”. Nas palavras da equipe por trás do projeto, os usuários serão a única parte capaz de determinar “quais informações estarão disponíveis e para quais partes, tendo total controle sobre seus dados pessoais de acordo com sua vontade e legislação aplicável”.
  • A privacidade pode ser combinada com o modelo de confidencialidade como um valor agregado. The Beam apresenta o conceito de transações confidenciais (mais sobre isso abaixo) e ativos confidenciais. Seus mecanismos inatos suportam a criação de vários tipos de ativos, como novas moedas, tokens imobiliários, dívidas corporativas, etc., que podem ser posteriormente trocados com a ajuda da plataforma Beam.
  • O Beam oferecerá escalabilidade avançada com base em manter seu blockchain compacto e enxuto. Além da privacidade, o Beam visa abordar a questão da escalabilidade para garantir a longevidade de seu “criptoverso”. As transações que ocorrem com o Beam não devem criar inchaço do blockchain. Seu protocolo Mimblewimble permite a remoção de dados antigos que são considerados irrelevantes para o processamento das transações atuais. Isso deve reduzir as demandas de sobrecarga computacional e melhorar a escalabilidade geral do sistema.
  • As transações com o Beam devem ser versáteis em escopo e facilmente auditáveis. O Beam usa a tecnologia “Scriptless Script” que fornece suporte para a integração de vários tipos de transações além do escopo daquelas focadas em meras transferências de valor. Com base nisso, o Beam oferecerá suporte para garantia, trocas atômicas e transações com bloqueio de tempo. Embora o foco na privacidade continue sendo a diretiva principal para o Beam, o sistema ainda visa cumprir as regras quando se trata de regulamentações: o Beam oferece suporte à integração de assinaturas digitais não passíveis de sua carteira. Mediante solicitação, os auditores autorizados podem receber permissão para verificar a lista completa de transações, juntamente com a documentação anexa relevante para elas.
  • Acessibilidade mais ampla. A equipe do Beam acredita que a excelência tecnológica não deve prejudicar a acessibilidade se a solução for ganhar a adoção mainstream ao longo do tempo. Para isso, eles projetaram carteiras para desktops e dispositivos móveis, cujo design de painel reflete o foco no uso diário por usuários individuais e empresariais.

Quais são os componentes da plataforma Beam?

O lançamento da mainnet do Beam significou o lançamento público dos seguintes componentes:

  • Aplicativo desktop wallet (com CPU miner node)
  • CLI (interface de linha de comando) wallet
  • Beam node
  • Mineradores autônomos OpenCL e Cuda

Além destes, Beam coin (BEAM) serve como a criptomoeda oficialmente designada do projeto.

Valor de Mercado Volume 24h Suprimento Circulante Suprimento Máximo
$7,125,110 $17963045 262800000.00000000 BEAM 0.00000000 BEAM

Imediatamente após o lançamento, a equipe do Beam prometeu que em 2019 seus membros trabalharão em componentes adicionais do ecossistema do Beam:

  • Pool de suporte
  • Atomic Swap com BTC mobile wallet
  • Integração de plataformas de pagamento (API)
  • Carteira bitcoin integrada

Como o Beam implementa o protocolo Mimblewimble?

A promessa da equipe do Beam de criar uma moeda combinando privacidade e escalabilidade sem custos mútuos baseia-se em grande parte na implementação bem-sucedida do protocolo Mimblewimble. O próprio protocolo recebeu o nome de um feitiço “Maldição da Língua” usado no universo fictício de Harry Potter. Em agosto de 2016, um criptógrafo usando o pseudônimo de “Tom Elvis Jedusor” (o nome francês do personagem Voldemort, em mais uma referência ao mundo de Harry Potter) publicou uma versão inicial do white paper Mimblewimble.

A visão promovida por um “Jedusor” agora vive em dois projetos – Grin e Beam, que implementam suas interpretações dela. Com seu foco inicial em transformar o alegado “pseudonimato” do Bitcoin em verdadeiro anonimato, os objetivos de Mimblewimble estavam amplamente alinhados com o que a Beam pretendia alcançar, baseando-se principalmente em seus dois recursos principais:

  1. Transações confidenciais 
  2. Transação interrompida

O que são transações confidenciais?

As transações confidenciais implementadas com a ajuda do Mimblewimble utilizam o esquema de Compromisso Pedersen, que oferece seus recursos de “ocultação” com a ajuda da criptografia de curva elíptica. Isso permite que os usuários do Beam ocultem qualquer informação sobre o valor que é relevante para a transação em que estão envolvidos. Com esta abordagem, apenas as partes da transação (remetente e destinatário) sabem a quantidade de fundos que estão sendo negociados, com nenhum acesso permitido aos olhos de curiosos em potencial.

Para conseguir isso, Mimblewimble implementa ‘fatores cegos’ que criptografam a quantidade de criptomoeda que os usuários desejam enviar. Os fatores fazem isso atribuindo um valor aleatório pelo qual os valores reais de uma transação são multiplicados. Isso é seguido pela criação de uma única multi-assinatura que deve “cobrir” todas as entradas e saídas em uma única transação.

Por sua vez, o destinatário de uma transação seleciona aleatoriamente vários dos fatores cegos fornecidos pelo remetente. O recebedor pode posteriormente usar esses fatores como prova de propriedade que o autoriza a gastar as moedas. Há também uma chave pública multi-assinatura que é usada para verificação de transação, com apenas remetentes e destinatários “por dentro” de suas atividades, que são tratadas como parte de seu esquema de segredo compartilhado.

Como o Beam visa proteger os dados pessoais?

Ao contrário do que é encontrado em outros blockchains, o Beam pretende se livrar do sistema baseado no uso de endereços que são registrados no blockchain e usados ​​como prova de propriedade das moedas. Com o Beam, a propriedade do UTXO pode ser suficientemente confirmada verificando o valor e os fatores de cegamento apenas. A única coisa mantida no blockchain é o compromisso que se torna relevante uma vez que as carteiras estão preparadas para se envolver na transação.

Além de remover informações pessoais da estrutura do blockchain, cada endereço no Beam tem um intervalo de expiração regular de 24 horas, que está sujeito a alterações por meio da interface da carteira. Os criadores do Beam recomendam que seus usuários criem um novo endereço de recebimento para cada transação.

O impulso da Beam para melhor proteção da privacidade com blockchain levou-a a implementar o Protocolo Dandelion também. Esta solução também encontrou o seu lugar em outras plataformas de moedas, como a Zcoin, devido à sua capacidade de diminuir a probabilidade de “linkabilidade” para dados pessoais, como os relativos a endereços e transações. Enquanto Dandelion também encontrou seu lugar no Grin, os criadores do Beam afirmam que apenas sua plataforma suporta a adição de entradas e saídas falsas de chamariz.

Por fim, a Beam também implementa o Secure Bulletin Board System (SBBS), que possibilita que as carteiras troquem mensagens criptografadas de maneira segura, sem a necessidade de estar online ao mesmo tempo.

Como o CoinJoin do Beam funciona?

Com a implementação do protocolo Mimblewimble pelo Beam, o objetivo é ampliar o escopo das mudanças além do modelo tradicional baseado em endereço para incluir assinaturas e também chaves públicas e privadas. Beam quer se livrar de todos eles, preferindo se limitar a entradas e saídas apenas. Eles desempenham um papel fundamental na implementação da Beam de mais um trunfo tecnológico na forma de tecnologia CoinJoin.

Originalmente proposto pelo contribuidor do Bitcoin Core Gregory Maxwell, CoinJoin é uma estratégia de anonimato que combina os seguintes recursos:

  • Com o CoinJoin, várias transações são mescladas, com todos os remetentes registrados como enviando fundos para todos os destinatários.
  • Este sistema permitirá ofuscar as entradas, ou seja, os endereços a partir dos quais os pagamentos são feitos para os outros endereços que desempenham o papel de saídas.
  • Ao criar uma mistura de transações dessa maneira, a Beam pode apoiar sua reivindicação de oferecer melhor privacidade, uma vez que impede efetivamente que terceiros identifiquem qual pagamento específico foi para uma parte individual.
  • Ainda assim, a privacidade imposta dessa maneira não deve permitir que os usuários do Beam criem uma árvore de moedas mágicas em seu blockchain. Os sistemas de transações confidenciais do Beam são executados em criptografia homomórfica – garante que as partes autorizadas ainda possam verificar e confirmar a validade das transações feitas com o Beam, correlacionando o número de entradas e saídas. Se os valores resultantes forem iguais, a transação individual pode ser considerada válida, mesmo com a utilização de valores “cegos”.

 

 

O Beam pode realmente “eliminar” o problema de escalabilidade?

A implementação do protocolo Mimblewimble pela Beam significou obter acesso aos seus recursos de cut-through que suportam seus esforços para fornecer melhor escalabilidade. Todo o processo funciona assim:

  • Como descrito acima, o esquema de compromisso de Pedersen permite a fusão de transações que variam de A a C, permitindo-lhe “passar por” B, como um intermediário.
  • Como as saídas intermediárias que formam um único bloco são apresentadas como uma única grande transação, o sistema pode armazenar apenas o estado atual sem a necessidade de fazer o mesmo para todo o histórico de transações.
  • Depois que um novo node se torna parte da rede pela primeira vez, ele pode começar a trabalhar apenas com o histórico compactado, ou seja, aquele que contém informações sobre o estado do sistema e cabeçalhos de blockchain. Como não há necessidade de recuperar todo o histórico de transações, essa abordagem deve reduzir significativamente a quantidade de informações de que um node precisa para começar a minerar ou verificar novos blocos.

Como a Beam planeja garantir uma mineração “mais justa”?

Com o Beam, os blocos são minerados usando a Prova de Trabalho emparelhada com o algoritmo Equihash. Os desenvolvedores do Beam mencionam Equihash no mesmo fôlego que Mimblewimble, descrevendo-o como uma solução estável e amigável para GPU alinhada com seu objetivo de garantir uma distribuição de moedas mais justa. O BEAM espera descentralizar sua rede desde o início – isso deve ser feito desencorajando a mineração baseada em ASIC no intervalo inicial de não mais de 18 meses e permitindo a mineração de moedas BEAM com GPUs.

Embora isso não signifique deixar os mineradores de ASIC em apuros, a ideia geral é fornecer aos mineradores de CPU e GPU uma vantagem no período inicial do ciclo de vida da plataforma. Essa abordagem também deve fornecer melhor hashrate e parede criptográfica para a plataforma Beam. Para incentivar ainda mais os mineradores, os primeiros cinco anos da Beam terão distribuição de recompensas em bloco com a proporção de 80% das recompensas indo para os mineradores e os 20% restantes sendo divididos entre a Fundação Beam, funcionários, investidores, fundadores e conselheiros.

Disponibilidade de moedas BEAM e concorrentes

Embora as comparações com Grin pareçam inevitáveis, o CEO do projeto Beam Alexander Zaidelson não trata a Grin como um concorrente direto, preferindo chamá-la de “co-concorrente”, com o qual a cooperação em certos pontos é uma opção possível.

Apesar das semelhanças tecnológicas, duas criptomoedas Mimblewimble diferem muito em sua abordagem aos modelos de negócios. Enquanto Grin se concentra em manter o projeto à tona com a ajuda de doações da comunidade, Beam começou como uma startup mais ou menos padrão, com um objetivo de longo prazo de deixar suas operações nas mãos de sua fundação sem fins lucrativos. Enquanto a identidade do(s) criador(es) de Grin permanece um mistério, o site de Beam tem uma lista de membros da equipe que recebem salários e participam na captação de dinheiro dos investidores para o projeto.

Com base nisso, a Beam deseja ser uma solução mais amigável para os negócios entre as duas, dividindo seus esforços de desenvolvimento em duas direções principais: BEAM Core, que é focado em tecnologia, e BEAM Compliance, que oferece recursos opt-in de auditabilidade pelos quais as empresas podem trabalhar na conformidade regulamentar e cooperar com os auditores, se necessário.

Enquanto outras moedas de privacidade, como Monero e Zcash, são consideradas concorrentes da Beam em áreas como escalabilidade, auditabilidade e confidencialidade, o projeto também enfatiza parcerias, como a recente envolvendo a Litecoin. Com base nisso, a equipe do Beam ajudará a Litecoin a introduzir recursos de privacidade e fungibilidade, auxiliando-os na implementação do protocolo Mimblewimble.

A moeda BEAM está disponível para negociação em exchanges de criptomoedas, como Hotbit e BitForex.