Bitcoin Diamond
Bitcoin Diamond
BCD

Bitcoin Diamond

Bitcoin Diamond (BCD) é um fork do Bitcoin, com o objetivo de oferecer confirmações de transações mais rápidas, taxas mais baixas e mineração mais inclusiva. Eles removeram o algoritmo SHA-256 para oferecer uma mineração mais descentralizada.

 

Valor de Mercado Volume 24h Suprimento Circulante Suprimento Máximo
$14,215,209 $4458533 189492898.00000000 BCD 210000000.00000000 BCD

A história do Bitcoin Diamond começou em novembro de 2017 com mineradores de Bitcoin chamados “Team Evey” e “Team 007” que estavam insatisfeitos com a forma de operação do protocolo Bitcoin Core. Embora o Bitcoin tenha sido a primeira criptomoeda a ganhar reconhecimento popular, eles sentiram que ainda não cumpriu o que foi prometido como a visão original de Satoshi Nakamoto, ou seja, transações rápidas e acessíveis em todos os valores, proteção à prova d’água de privacidade e acessibilidade para novos usuários. Essas foram as áreas que aqueles que empurraram para o hard fork do blockchain do Bitcoin viram como uma oportunidade de tentar construir sobre as alegadas deficiências do Bitcoin. Embora compartilhe o objetivo principal de sua criptomoeda “mãe” no sentido de que tem a ambição de se tornar uma rede global descentralizada para a troca de ativos, o Bitcoin Diamond também deseja fazer as coisas de forma um pouco mais diferente em vários segmentos técnicos e operacionais.

O Bitcoin Diamond Aumenta o Tamanho do Bloco

O que o Bitcoin Diamond queria melhorar inicialmente eram os tempos de transação na plataforma Bitcoin. Como os blocos BTC foram limitados a 1 MB de tamanho, originalmente permitia que a plataforma realizasse entre 2 e 7 transações por segundo, o que reduziu o número de transações por segundo.

Os desenvolvedores do Bitcoin Diamond viram a necessidade de ter o tamanho de bloco de 1 MB como uma sobra dos primeiros dias da história do Bitcoin, o que limitou sua capacidade de escalar com o aumento do número de usuários. Com um tamanho de bloco maior, eles esperavam evitar que os blocos ficassem congestionados com a quantidade de transações pendentes, assim como seu mempool. Em vez disso, o tamanho de bloco maior deveria aumentar o número de transações processadas e entregar um tempo médio de transação mais rápido.

Para conseguir isso, o Bitcoin Diamond ofereceu suporte para tamanhos de bloco maiores, elevando o limite relacionado para 8 MB. Embora ambas as plataformas tenham o mesmo tempo de bloqueio de dez minutos, o Bitcoin Diamond esperava fornecer suporte para uma quantidade oito vezes maior de informações com base nesse aumento. Além disso, a capacidade de transação dos blocos deveria ser fornecida com um aumento de cinco vezes. Combinado com o implementado processo de Testemunha Segregada, o BCD é anunciado como capaz de realizar 100 transações por segundo.

O Bitcoin Diamond também decidiu aumentar o bloco de unidades para permitir mais transações de armazenamento com o objetivo de otimizar o armazenamento em sua rede e manter a geração de blocos isolados no mínimo.

Ao mesmo tempo, a equipe BCD teve que se livrar dos temores iniciais da comunidade, que acreditava que o aumento do tamanho do bloco acabaria prejudicando os esforços de descentralização do Bitcoin Diamond por causa da manutenção mais exigente dos nodes completos. Isso levou a Bitcoin Diamond a colocar esforços adicionais na implementação de outras soluções para melhorar seu desempenho.

Implementação da Rede Lightning com BCD

Como esses números ainda eram menores em comparação com as velocidades de transações oferecidas pelas plataformas de processamento de pagamento, como Visa ou Mastercard, o Bitcoin Diamond precisava dar mais um passo na criação de um ecossistema convincente o suficiente para tempo real e pagamentos de alta frequência. Para tanto, a equipe Bitcoin Diamond optou pela implementação da Lightning Network como seu protocolo de pagamento de segunda camada no blockchain. A implementação desse recurso na rede BCD entrou no ar em julho de 2018. Ao mesmo tempo, o Bitcoin também começou a implantar os recursos da Lightning Network no mesmo ano.

A Lightning Network foi projetada para facilitar as transações em tempo real, colocando uma parte das transações fora da cadeia de bloqueio, enquanto o sistema de contrato inteligente ajuda no gerenciamento dessas operações no canal fora da cadeia. O próprio blockchain é então usado para verificar o estado final da transação. Os usuários podem enviar fundos para outros usuários da rede, desde que haja um conjunto de canais que os conectam. Em teoria, isso deve resolver o problema de escalabilidade com o número crescente de usuários em uma rede e trazer o número de transações com suporte consideravelmente maior do que o Bitcoin Diamond poderia lidar sem a Lightning Network.

A implementação da Lightning Network também teve sua lógica de negócios para o Bitcoin Diamond, já que a plataforma espera se estabelecer como a principal criptomoeda para as partes que fazem pagamentos frequentes de valores altos e baixos. Com este sistema sendo implantado na rede BCD, esses sujeitos estarão indiscutivelmente protegidos do pagamento de taxas cujo valor exceda o da própria transação, ou cujas confirmações demorem de vários minutos a algumas horas.

Preocupações com a Lightning Network

Existem algumas preocupações em relação ao futuro da Lightning Network como a plataforma para o processamento de grandes quantidades de transações na rede Bitcoin Diamond. Isso tem a ver com a liquidez das conexões que precisam existir entre as partes envolvidas nas transações. Para que a Lightning Network faça seu trabalho, ela deve ser capaz de enviar pagamentos de um segmento da rede para outro. Os canais que ajudam a processar transações fora do blockchain principal devem apresentar apenas fundos suficientes, ou seja, liquidez neles para tornar todo o processo bem-sucedido.

O software que o remetente BCD utiliza para essa finalidade deve descobrir a rota completa para o destinatário antes de começar a encaminhar o pagamento. O problema é que os grandes pagamentos não podem ser divididos em menores, o que significa que cada etapa (ou “salto”) ao longo da rota deve ter capacidade ou liquidez suficiente para fazer o pagamento. Além disso, a rota também deve ser a mais barata (ou seja, com as taxas fora da rede mais baixas) e apresentar pelo menos vários saltos para oferecer anonimato.

Isso levantou algumas preocupações entre a comunidade de usuários de BCD, que temem que a demanda por uma grande quantidade de capital para essas transações levaria, em última instância, ao estabelecimento de centros centralizados que se concentrariam no fornecimento de nodes como um serviço. Eles expressam a preocupação de que os usuários sejam incentivados a usar grandes hubs com liquidez suficiente para suportar grandes pagamentos.

Resta saber como a rede Bitcoin Diamond responderá a essas preocupações, uma vez que evitar a centralização de qualquer forma foi proclamado como uma das razões para seu fork do blockchain Bitcoin. Em qualquer caso, os desenvolvedores descreveram a implementação da Rede Lightning como um processo contínuo marcado por testes de campo e adoção gradual de acordo com seu desempenho no campo.

 

Buscando Acessibilidade com Bitcoin Diamond

A visão inicial do Bitcoin Diamond de se tornar uma moeda mais rápida, acessível e barata significava trabalhar para melhorar os limites do sistema de transações do Bitcoin, mantendo o que foi demonstrado que funciona bem.

Apesar da popularidade do Bitcoin, os desenvolvedores do Bitcoin Diamond sentiram que a plataforma se tornou bastante cara para o uso regular. Com seu preço indo acima de seis mil dólares americanos, provavelmente se tornou difícil para um usuário médio adquirir essa moeda. Bitcoin Diamond optou por uma abordagem diferente e aumentou significativamente o fornecimento total de suas moedas para 210 milhões de BCD, em comparação com 21 milhões de BTC. Os usuários que possuíam 1 BTC antes da bifurcação tiveram sua moeda adquirida no valor de 10 BCD correspondentes. 170 milhões dessas moedas foram disponibilizadas para o mercado geral, enquanto o restante é reservado para uso pela comunidade na forma de pools de recompensa.

De acordo com os desenvolvedores do Bitcoin Diamond, as transações cada vez mais lentas no Bitcoin não foram os únicos problemas com os quais a plataforma teve de lidar. Ele também enfrentou os problemas de pagamentos de limite de pagamento cada vez mais altos para novos e potenciais usuários. Os desenvolvedores do Bitcoin Diamond sentiram que a divisão do blockchain original do Bitcoin possivelmente criou mais capacidade para transações e, portanto, reduziu o custo do limite de participação. Para conseguir isso, o Bitcoin Diamond também optou por taxas de transação mais baixas, que foram percebidas como muito altas no caso do Bitcoin.

Ao mesmo tempo, esse impulso em direção a uma maior acessibilidade deve tornar o Bitcoin Diamond mais prontamente adotado entre as pequenas e médias empresas e os usuários que procuram a criptomoeda adequada para transações menores com produtos baratos. A Bitcoin Diamond firmou recentemente uma parceria comercial que lhe permitirá trabalhar no estabelecimento do BCD Bazaar, uma plataforma de e-commerce que usará criptomoedas como meio exclusivo de pagamento e transações.

O Bitcoin Diamond pode oferecer uma mineração mais inclusiva?

Em sua tentativa de se tornar uma moeda mais acessível, o Bitcoin Diamond também concentrou seus esforços em oferecer uma mineração mais inclusiva com sua plataforma. Ele tornou a mineração de moedas BCD gerenciável com recursos de hardware menores, graças à implementação de um novo algoritmo de Prova de Trabalho em sua rede, denominado X-13. Este algoritmo possibilitou aos usuários minerar suas moedas BCD com unidades de processamento gráfico (GPUs), ou seja, placas gráficas.

Ao contrário do que acontece com o algoritmo SHA-256 do Bitcoin, o X-13 do Bitcoin Diamond torna a vida muito mais difícil para os proprietários de hardware de mineração especializado, o que os coloca no que os desenvolvedores do BCD descrevem como uma posição de vantagem injusta sobre os mineradores regulares. Isso significa que todo o hardware ASIC para mineração baseado no algoritmo do Bitcoin torna-se ineficaz para minerar BCD. Ao mesmo tempo, os fabricantes desses tipos de hardware terão muito mais dificuldade em tentar encontrar soluções semelhantes personalizadas para Bitcoin Diamond devido à complexidade envolvida em tal esforço. Desta forma, os proprietários de hardware especializado não poderão ultrapassar os que possuem sistemas médios, enquanto a existência de ASICs não poderá colocar em risco a mineração descentralizada na plataforma Bitcoin Diamond.

Ao mesmo tempo, os usuários são convidados a ingressar nos pools de mineração Bitcoin Diamond, nos quais seu poder de hashing é combinado em uma tentativa de tornar a localização de blocos muito mais fácil. As recompensas são divididas entre os membros do pool. O site do Bitcoin Diamond lista seis desses pools que são suportados no momento.

Segurança do Bitcoin Diamond

Inicialmente, o Bitcoin Diamond procurou solucionar as preocupações relacionadas ao que seus desenvolvedores descreveram como proteção de privacidade insuficiente oferecida pelo Bitcoin. Para esse efeito, eles expressaram o desejo de criptografar o máximo possível de informações do usuário. Ainda assim, essa estratégia foi alterada no início de 2018, quando a equipe Bitcoin Diamond anunciou a suspensão de seus esforços de criptografia de dados do usuário em favor de uma implementação mais rápida da Lightning Network. A razão para isso é a crença de que ocultar os dados do usuário se tornará impossível no futuro, pois os governos tornarão obrigatório que todas as criptomoedas revelem essas informações. A mesma tendência supostamente impedirá as empresas de apoiar moedas que permitem altos níveis de privacidade e anonimato para seus usuários, de acordo com os desenvolvedores do Bitcoin Diamond.

No entanto, isso não quer dizer que o Bitcoin Diamond não tenha trabalhado para tornar sua criptomoeda mais segura para uso. Para começar, ela se esforçou para evitar “ataques de repetição” que envolvem a repetição de transações regulares na cadeia Bitcoin daquela usada para o Bitcoin Diamond. Dessa forma, os atacantes poderiam roubar moedas BCD de seus usuários, apesar do fato de que as correntes dessas duas criptomoedas agora estão bifurcadas. Assim, o Bitcoin Diamond teve que mudar seu formato de transação para evitar que as transações com bitcoins fossem vistas como válidas na cadeia BCD.

Além disso, seu SegWit implementado serve para evitar ataques de maleabilidade que envolvem os receptores alterando o ID de transação do remetente para obter mais BCD. Com as assinaturas digitais separadas no caso do SegWit, os invasores em potencial agora precisam anular a assinatura digital sempre que tentarem modificar o ID da transação.

Disponibilidade de moedas BCD

Em novembro de 2018, a capitalização de mercado do Bitcoin Diamond era de US$ 267 milhões. Seu máximo histórico foi alcançado no início de 2018, indo um pouco abaixo de um bilhão de dólares. O número atual de moedas em estoque é de mais de 153 milhões de BCD.

Além da mineração, as moedas BCD podem ser adquiridas comprando ou negociando com elas em exchanges de criptomoedas, como Binance e HitBTC. Além de seis carteiras verificadas suportadas pelo Bitcoin Diamond, qualquer carteira Bitcoin segura pode ser usada para armazenar BCD antes de atingir a altura predeterminada no bloco 495866.