IOTA
IOTA
MIOTA

IOTA

MIOTA é o token oficial da plataforma IOTA e criptomoeda homônima destinada a garantir o processamento instantâneo de transações máquina a máquina entre dispositivos de Internet das Coisas (IoT), todos com escalabilidade aprimorada e taxas inexistentes.

 

Valor de Mercado Volume 24h Suprimento Circulante Suprimento Máximo
$618,223,196 $2012349572 2779530283.00000000 MIOTA 2779530283.00000000 MIOTA

 

O que é IOTA?

 

Lançada em junho de 2016, a plataforma IOTA trai seu propósito principal no próprio nome, sendo a abreviatura de “Aplicativo Internet das Coisas”. Em suma, a Internet das Coisas (IoT) é o conceito que envolve a extensão da conectividade com a Internet para incluir tantos dispositivos físicos dentro de um único ecossistema. Como tal, está no centro de muitos conceitos de alta tecnologia, como casas e cidades inteligentes, que apresentam dispositivos conectados capazes de trocar dados com o objetivo de obter sinergia operacional.

Suportada por seu token MIOTA, a principal tarefa da plataforma IOTA é permitir transações instantâneas e sensitivas entre dispositivos que fazem parte da rede IoT, não importa quão grande ou pequena ela seja. Além disso, IOTA oferece rastreamento de histórico de dados imutável e compartilhamento de recursos de computação, com planos de, eventualmente, expandir seu papel para se tornar a liquidação de pagamento e camada de integridade de dados de cidades inteligentes, redes de energia, infraestrutura, indústria financeira, etc.

A plataforma IOTA não depende da tecnologia blockchain em virtude de sua remoção de blocos, razão central e mineradores que, de outra forma, seriam necessários para executá-la. Em vez de um blockchain, a IOTA depende de sua própria solução de razão distribuída chamada Tangle, que supostamente supera as deficiências do blockchain relacionadas ao aumento das taxas de transação e escalabilidade de processamento. A plataforma surgiu como um trabalho conjunto de Sergey Ivancheglo, David Sontesbo, Serguei Popov e Dominik Schiener.

O que a IOTA está tentando alcançar?

 

Apesar de estar amplamente focada na Internet das Coisas, os desenvolvedores IOTA esperam ver sua plataforma alinhada com alguns dos objetivos mais amplos da geração atual de tecnologias cripto:

  • A Internet das Coisas é uma tecnologia emergente cujo emparelhamento com criptomoedas como IOTA deve oferecer benefícios para a economia global. Tornar as transações máquina a máquina (M2M) na plataforma IOTA automáticas e mais eficientes deve ajudar na adoção da tecnologia da Internet das Coisas, que já é uma força a ser reconhecida em escala global. Com mais de 26 bilhões de dispositivos IoT em uso em 2019, seu uso diário se tornou mais proeminente, já que vários sensores e câmeras estão sendo usados ​​para monitorar as condições nas instalações de manufatura e agrícolas, ao longo das linhas de transporte, estradas e pontes também como em lojas e residências. O IOTA é projetado para ajudar esses dispositivos a compartilhar seus recursos de maneira mais eficiente, otimizando assim sua alocação.
  • O novo modelo de transação da IOTA vem com a promessa de transações grátis e rápidas com foco em micropagamentos, tudo funcionando como a base da futura economia “baseada em máquina”. O sistema Tangle do IOTA teoricamente permite suportar transações mais rápidas e numerosas. No entanto, se isso viesse com a cobrança obrigatória de taxas de transação, isso poderia levar à situação em que os dispositivos na rede da Internet das Coisas muitas vezes seriam obrigados a pagar uma taxa que é maior do que o valor que está sendo transferido. Para contrariar isso, o IOTA leva os pagamentos de taxas para fora da equação. Com base nisso, a IOTA pode prometer que alguns micropagamentos, por exemplo, aqueles relacionados às contas de água e luz, podem ser pagos instantaneamente por dispositivos individuais, sem depender de modelos de assinatura anual ou intermediários. Dessa forma, tanto os usuários individuais quanto os dispositivos pagariam apenas pelo que realmente consomem, em vez de se concentrarem em quando precisam desses recursos.
  • Com seu sistema de transação, a IOTA promete resolver o problema de escalabilidade e segurança, que muitas vezes é o flagelo de vários sistemas baseados em blockchain. O poder de computação da rede IOTA é projetado de forma que deve aumentar com o maior número de dispositivos que se tornam partes de seu ecossistema. Todos os dispositivos conectados como partes da rede IoT requerem suporte para dezenas de transações que fazem em intervalos curtos, pois são obrigados a comprar coisas como utilitários, largura de banda ou armazenamento sempre que esses recursos forem necessários. Para dar suporte a isso, as cadeias transacionais da IOTA são interconectadas de modo que quanto mais transações ocorrem nela, mais a rede deve se tornar equipada para lidar com seu número crescente. Além disso, a conectividade constante com a Internet não é um requisito para participar da rede IOTA, o que deve promover economia nos custos de eletricidade ou internet. A enorme quantidade de verificações mútuas ocorrendo no Tangle deve proteger a IOTA de gastos duplos e outras questões de segurança.

 

 

Como funciona o Tangle?

 

Em vez de depender de blocos e cadeias encontrados com a arquitetura padrão de blockchain, a abordagem única do IOTA sobre o processamento de transações é baseada em ter as transações transmitidas e “emaranhadas” como parte de seu sistema de criação de consenso Tangle. Ele funciona da seguinte maneira:

  • Em vez de uma blockchain global, o IOTA usa a metodologia de verificação conhecida como Directed Acyclic Graph (DAG) ou Tangle. Com base nele, as transações M2M na plataforma IOTA contam com um novo modelo de verificação em que a transação enviada depende da verificação de duas outras transações anteriores.
  • As transações são emitidas por nodes e armazenadas no livro razão denominado gráfico de Tangle. Os gráficos consistem em arestas que são criadas quando uma nova transação aprova duas transações anteriores.
  • Para cada instância de aprovação, o verificador precisa conectar as transações em questão na malha geral do Tangle. Isso significa que o consenso é alcançado com base em uma rede de verificações. Com o tempo, cada transação ficará vinculada às transações que verifica e às transações futuras que a verificarão.
  • Mesmo se não houver borda direta entre duas transações, a transação A pode aprovar indiretamente a transação B se houver pelo menos um caminho direcionado que leva de A a B.
  • As transações de origem são aprovadas direta ou indiretamente por todas as outras transações. Quando um emaranhado é criado, há um endereço com referência ao endereço com tokens relevantes que são criados como parte da transação do genesis. Eles são enviados para outros endereços do genesis. Com base nisso, a IOTA deseja se livrar da necessidade de criar novos tokens no futuro, removendo a dependência da mineração de seu modo de operação.
  • Tudo o que é necessário para participar da rede IOTA é que um usuário execute uma quantidade simbólica de computação destinada a verificar duas transações anteriores. Sua recompensa é a verificação futura de suas próprias transações como parte de uma validação baseada em transação de entrada.

 

O Projeto IOTA é financeiramente sustentável?

 

Considerando o sistema único de sensação de processamento de transações (com os únicos custos sendo aqueles relacionados à eletricidade), há uma questão legítima de como tornar o projeto IOTA autossustentável no longo prazo.

Para começar, a plataforma IOTA é executada em um protocolo homônimo de código aberto que tem como principal tarefa garantir o processamento de transações e transferências de dados de maneira segura e altamente descentralizada. Por ser de natureza aberta, o protocolo IOTA às vezes é descrito pelos desenvolvedores como um equivalente do Hyper-Text Transfer Protocol (HTTP) para sistemas de informação distribuídos e colaborativos no coração da Internet moderna.

Isso permitiu aos desenvolvedores de IOTA afirmar que seu protocolo não tem um modelo de lucro inerente, mas que funciona como um conjunto de regras para compartilhar informações comuns e transferir valor. O desenvolvimento do protocolo ficou a cargo da Fundação IOTA, que tem a tarefa de promover sua adoção e lidar com o desenvolvimento futuro. Por ser uma empresa sem fins lucrativos, o projeto IOTA teve que contar com a comunidade IOTA e suas doações simbólicas. Como o fornecimento de MIOTA deve permanecer fixo, o projeto continuará a ser financiado com base no aumento do valor dos tokens ao longo do tempo, bem como em concessões e contribuições potenciais de empresas e indivíduos.

 

Disponibilidade e parcerias do MIOTA

 

Considerando que o IOTA é construído para atender a dispositivos de diversos fabricantes por design, não é de se admirar que o projeto seja grande na construção de parcerias. Tendo recebido elogios de empresas como o Deutsche Bank em 2017, a equipe IOTA também conseguiu marcar uma parceria estratégica com a gigante japonesa de eletrônicos Fujitsu em 2018. A parceria envolve o desenvolvimento de IOTA como um meio de armazenamento de dados, com foco em sua imutabilidade, confiança e segurança de dados em toda a cadeia de abastecimento.

Em 2019, a IOTA firmou parceria com mais um player global, a Jaguar Land Rover, como parte do esforço conjunto para testar um serviço que permitirá aos motoristas ganhar tokens e fazer pagamentos em trânsito. Os motoristas poderão ganhar créditos permitindo que seus carros relatem automaticamente dados de condições da estrada, como congestionamento de tráfego ou localização de buracos, para provedores de serviços de navegação ou autoridades de trânsito locais. Como recompensa, os motoristas poderão usar tokens ganhos para pagar por café, pedágios, taxas de estacionamento ou cobrança de veículos elétricos.

Em maio de 2019, a capitalização de mercado do token era de $823 milhões, abaixo de seu valor de pico histórico de $14 bilhões, que foi alcançado no início de 2018. O fornecimento total de tokens é limitado a 2,5 bilhões de unidades.

Os tokens MIOTA adquiridos podem ser armazenados na carteira IOTA, que é recomendada pelos próprios desenvolvedores, enquanto a carteira Trinity continua sendo outra opção popular.