Monero
Monero
XMR

Monero

Monero é uma criptomoeda descentralizada e voltada para a privacidade, dedicada a proteger o anonimato de seu usuário, ofuscando informações sobre remetentes, destinatários e os valores apresentados nas transações.

O que é Monero?

A plataforma Monero e seu token XMR foram projetados com uma missão em mente: possibilitar que cada usuário controle o nível de visibilidade de seus dados pessoais online. Ele surgiu em 2012 com o lançamento do Bytecoin, uma criptomoeda focada no anonimato a partir da qual o Monero foi lançado como um fork em julho de 2014. A ideia do projeto nasceu da percepção de que a reputação do Bytecoin sofreu um golpe após o público descobrir que a maioria de suas moedas supostamente lavráveis ​​já existia. Apesar do fato de que a rede principal Bytecoin foi construída do zero usando CryptoNote, um poderoso protocolo de camada de aplicativo de código aberto orientado para a privacidade, os futuros designers do Monero seguiram em frente e fizeram suas próprias coisas.

Valor de Mercado Volume 24h Suprimento Circulante Suprimento Máximo
$2,200,621,889 $7439424000 18425916.00000000 XMR 18425916.00000000 XMR

Dois entre eles, David Latapie e Riccardo Spagni, batizaram sua cripto de estimação após a palavra em esperanto para “moeda”. A equipe do Monero manteve o protocolo Cryptonote do Bytecoin, emparelhando-o com assinaturas de anel, transações confidenciais de anel (RCT) e tecnologias de endereço furtivo. O objetivo era criar a primeira criptomoeda totalmente indetectável e segura, que apresentasse a proteção da privacidade como seu principal ponto de venda.

O que o Monero está tentando alcançar?

A missão do Monero dificilmente se limita a superar outras moedas orientadas para a privacidade, com seus objetivos estendidos para corrigir o que seus desenvolvedores veem como os pontos fracos das criptomoedas tradicionais, como Bitcoin:

  • Monero trata a privacidade e o anonimato como áreas essenciais a serem atendidas, se as criptos devem se tornar dinheiro eletrônico genuíno. Aos olhos dos desenvolvedores da Monero, a rastreabilidade das transações continua sendo um pecado original da maioria das criptomoedas, pois isso não permite que elas se afastem dos padrões dos bancos fiduciários tradicionais. Essas transações podem ser facilmente rastreadas até seus pontos de origem e destinatários, uma vez que a maioria das transações realizadas entre os usuários da rede permanece pública. Monero se afasta desse modelo tornando todas as transações recebidas igualmente prováveis ​​de virem de tantas fontes diversas quanto possível. Entendendo que os pagamentos peer-to-peer não devem envolver nem preocupar terceiros, a Monero se esforça para proteger o relacionamento entre seus usuários e as coisas que compram ou negociam, que é a base de seu ideal de dinheiro eletrônico.
  • A proteção da privacidade não se restringe às partes das transações, visto que também diz respeito à própria natureza da transação. Com base nesse objetivo, os livros-razão ocultos e públicos do Monero oferecem suporte para transações privadas não apenas em relação ao remetente, mas também aos destinos da transação. O mesmo vale para ofuscar as informações sobre os valores das transações. O Monero deve corrigir o “pseudonimato” do Bitcoin, que costuma ser confundido com o verdadeiro anonimato. Também promete fungibilidade, o que significa que suas moedas sejam intercambiáveis ​​e resistentes a serem contaminadas por envolvimento em hacking ou roubo. A equipe do Monero desenvolveu o Kovri como uma camada anônima descentralizada construída em torno da arquitetura I2P (Invisible Internet Project) que se assemelha ao Tor.
  • O foco de Monero na privacidade quer mudar as regras do jogo além do escopo da privacidade “virtual”. Para a equipe do Monero, fomentar a confiança dos usuários com recursos avançados de privacidade se estende à proteção de seus interesses fora do domínio de rastreabilidade e vinculação de transações. O Monero quer evitar a extração de informações ocultas de bancos de dados públicos para se tornar uma criptomoeda capaz de proteger seus usuários perante os tribunais e instituições judiciais afins, até mesmo de punições como a pena de morte. Ao mesmo tempo, os desenvolvedores não querem limitar o acesso aos benefícios de privacidade do Monero, exigindo que seus usuários conheçam seu funcionamento interno. A equipe promete submeter todas as decisões de desenvolvimento ao público para discussão pública.
  • O modelo de Prova de Trabalho de Monero é considerado mais democrático em comparação com o encontrado no Bitcoin, apoiando a oferta de Monero por um nível mais alto de descentralização. O modelo de prova de trabalho do Monero apresenta a implementação do algoritmo CryptoNight de hashing que é usado para minerar tokens XMR. Essa tecnologia deve oferecer uma abordagem mais igualitária para a mineração, uma vez que pode ser calculada por CPUs e GPUs, ao mesmo tempo que é menos amigável para aqueles que usam circuitos integrados de aplicativos específicos (ASICs).

Como funciona o Monero?

Para alcançar os efeitos desejados no processo de transação, o fluxo de trabalho do Monero segue um caminho específico com base na implementação da tecnologia CryptoNote:

  • Na criação de uma conta Monero, um usuário receberá uma chave de visualização privada e uma chave de gasto privada, junto com uma chave pública. A chave de gasto pode ser usada para gastar pagamentos, enquanto a chave de visualização fornece informações sobre as transações recebidas. Finalmente, o endereço público é usado para receber fundos. Eles são usados ​​para criar o endereço Monero do usuário.
  • A seguir, vamos imaginar que haja uma saída que um usuário deseja gastar após ter sido enviada para a chave pública única.
  • Com a ajuda de um Extra, um TxOutNumber e a chave de conta privada, o usuário pode recuperar sua chave privada única.
  • O valor Extra para enviar uma transação para outro usuário é gerado aleatoriamente.
  • O Extra, o TxOutNumber e a chave pública da conta do destinatário são usados ​​para criar a chave pública de saída do destinatário.
  • O remetente pode ocultar o link para sua saída entre as chaves estrangeiras na entrada.
  • O gasto duplo é evitado incluindo a imagem da chave, um marcador especial que é criado a partir da chave privada única do remetente. Há apenas uma única imagem-chave para cada gasto no blockchain.
  • O remetente assina transações com sua chave privada única, todas as chaves públicas e imagem da chave e adiciona a assinatura do anel (veja abaixo) ao final da transação em questão.

Como funcionam as assinaturas de anel do Monero?

Além do protocolo CryptoNote, os designers do Monero adicionaram a tecnologia de assinatura de anel ao Monero para permitir transações mais seguras e não rastreáveis. As assinaturas de anel são assinaturas digitais e envolvem vários assinantes que precisam assinar uma transação. Isso acontece sem a possibilidade de uma parte externa detectar um remetente “genuíno”. Em linha com o fluxo de trabalho transacional do Monero, um remetente cria uma chave de gasto único, com apenas o destinatário sendo capaz de encontrar e gastar os fundos distribuídos com a ajuda de tal chave.

O “anel” no nome da tecnologia de assinatura refere-se ao anel de assinantes em potencial que é criado com a ajuda da conta do usuário e de chaves públicas selecionadas. Isso torna quase impossível determinar qual dos membros de um determinado grupo (ou anel) criou uma assinatura, tornando as saídas resistentes a serem rastreadas.

O que são transações confidenciais do anel?

Ao mesmo tempo, a rede Monero fica impedida de “aprender” informações sobre os valores que estão sendo gastos. Os usuários que desejam enviar recursos podem divulgar apenas o mínimo de informações de que as mineradoras precisam para validar a transação, sem revelar em público nenhuma informação sobre os valores gastos. Isso é garantido com o uso da tecnologia Ring Confidential Transactions (RCT).

Além de comprometer os valores a serem gastos, o RCT criptografará as informações sobre o valor de cada despesa e fará parte da transação. Essas informações serão combinadas com o segredo compartilhado que está incluído na transação. Finalmente, o valor é calculado combinando a chave privada do destinatário com a chave de exibição pública transacional.

Endereços furtivos Monero

Os endereços furtivos apresentados na plataforma Monero fazem parte do pacote de proteção de privacidade com o qual a plataforma visa proteger ambas as partes de uma transação. Isso é feito obrigando o remetente a criar endereços únicos aleatórios para cada transação. Dessa forma, apenas os usuários envolvidos na transação sabem o destino final de um pagamento.

Embora os endereços furtivos tornem mais difícil vincular os fundos do destinatário à carteira, ainda é possível verificar se uma transação atingiu um endereço específico se o remetente decidir dar acesso à sua chave de visualização pública.

Com base nisso, os usuários podem usufruir dos benefícios da transparência seletiva, o que significa que algumas transações podem ficar visíveis e outras não rastreáveis. Isso é ainda mais fácil devido à maior flexibilidade do CryptoNote com escalabilidade e gerenciamento de tamanhos de bloco, o que significa que as transações com Monero requerem mais dados e entradas cripto. Por fim, todos esses recursos levantaram algumas preocupações de que o Monero pudesse se tornar popular entre os criminosos cibernéticos.

Disponibilidade do token XMR

A quantidade de moedas Monero em estoque não é limitada. Inicialmente, 18,4 milhões de XMR serão lançados, com a produção fixa de 0,3 XMR por minuto planejada para ir indefinidamente. A capitalização de mercado da moeda em maio de 2019 era de $1,6 bilhão, abaixo do pico histórico alcançado no início de 2018.

Com base no foco da plataforma na descentralização, a mineração é feita principalmente com GPUs, sendo as CPUs uma opção menos eficiente. Para combater a mineração baseada em ASIC, Monero se dividiu em vários tokens: Monero 0 (ZMR), Monero Classic (XMC), Monero Original (XMO), MoneroV (XMV) e outros. Além da mineração, pode-se comprar facilmente o XMR diretamente nas exchanges de criptomoedas como Kraken, Binance e outras. Depois de adquiridas, as moedas podem ser gastas com a ajuda da lista de comerciantes do Monero ou armazenadas em várias carteiras.

Em março de 2019, Monero passou por uma bifurcação que deveria melhorar sua privacidade, segurança e resistência a ASIC. Nenhuma nova moeda emergiu dessa mudança no protocolo, o que significa que apenas os mineradores deveriam atualizar seu software de mineração, enquanto os titulares de XMR precisavam atualizar suas carteiras para a versão mais recente para permanecerem funcionais.

O projeto Monero contou com mais de 500 colaboradores até agora, compensando a maior parte de sua equipe de desenvolvedores.