Storj
Storj
STORJ

Storj

Storj é uma plataforma baseada em blockchain de código aberto para armazenamento descentralizado de arquivos que aguarda o lançamento completo da rede no outono de 2019. Seu token STORJ deve incentivar o compartilhamento de espaço em disco com recompensas mais atraentes conforme a demanda aumenta.

 

O que é Storj?

A plataforma Storj se apresenta como uma solução de armazenamento de arquivos descentralizada que combina os benefícios do armazenamento baseado em nuvem e da tecnologia de blockchain. No centro do projeto está a rede Storj que, entre outras coisas, permite aos usuários colocar seu espaço livre em disco para alugar. Os usuários que precisam armazenar arquivos e ativos online podem acessar a rede Storj e alugar os recursos de armazenamento disponíveis dos locatários neste ecossistema (“farmers”). O pagamento é efetuado com tokens STORJ no blockchain e seu uso deve encorajar os usuários a se tornarem uma espécie de provedores de armazenamento em nuvem de pequena escala.

O que Storj está tentando alcançar?

Para poder desafiar os provedores de armazenamento em nuvem dominantes, como Google e Amazon, o modelo de Storj teve que ser projetado para atender a vários desafios.

Valor de Mercado Volume 24h Suprimento Circulante Suprimento Máximo
$197,884,297 $1445322374 424999998.00000000 STORJ 0.00000000 STORJ

Custos mais baixos

  • Os custos de infraestrutura atuais incorridos por sistemas de armazenamento centralizado podem ser reduzidos pelo modelo descentralizado oferecido pela Storj. Com seu foco na descentralização, a equipe Storj espera apresentar sua plataforma como uma solução de armazenamento em nuvem acessível. Ao eliminar a necessidade de operação de data centers, os cortes de custos prometidos pela Storj devem reduzir os preços atuais oferecidos pelos provedores de armazenamento centralizado em pelo menos 1/3. Isso deve ser alcançado cortando os custos de manutenção, largura de banda e utilitários por meio da utilização do que a equipe do Storj descreve como recursos de armazenamento subutilizados existentes na extremidade da rede.
  • Eles devem ser particularmente benéficos para pequenas empresas que precisam de armazenamento, mas não têm a capacidade ou os fundos para construir e manter centros de dados completos, matrizes de disco rígido, etc. Os usuários finais seriam capazes de pagar pelo que realmente desejam usar, sem requisitos mínimos de uso ou taxas de instalação.

Armazenamento mais seguro e privado

  • O modelo de armazenamento proposto pela Storj operaria de forma semelhante ao da própria internet, no sentido de que não haverá controle por uma única entidade sobre bilhões de dispositivos em uso. Segundo os desenvolvedores do Storj, a descentralização da internet não atingiu o gerenciamento dos dados que passam por ela. Na verdade, esses dados são bastante centralizados e confiados para armazenamento a vários provedores globais que operam uma rede de centros de dados. Isso vem com uma variedade de riscos, incluindo violações de dados, interrupções globais na prestação de serviços e custos mais elevados de armazenamento.
  • O objetivo da Bytom é assumir os serviços populares de armazenamento em nuvem, como Google Drive e Dropbox, reduzindo sua dependência da largura de banda ou dos recursos de eletricidade disponíveis para os data centers. Ele oferecerá armazenamento temporário de arquivos grandes que podem ser compartilhados ou distribuídos como parte de transferências peer-to-peer.
  • A segurança e a privacidade seriam garantidas pela criptografia peer-to-peer, pela qual apenas os proprietários dos arquivos teriam acesso aos seus dados, em vez de as empresas exibirem controle total sobre seus documentos. Ao mesmo tempo, a distribuição global de arquivos oferecida pelo Storj também é promovida como uma solução mais confiável em comparação ao armazenamento mais centralizado.

Melhor dimensionamento

  • Em uma era de crescente demanda por recursos de armazenamento de dados, a rede Storj promete um modelo de dimensionamento mais flexível. Armazenar exabytes de dados pode ser um desafio no momento em que economias inteiras dependem de seu uso eficaz. A equipe Storj passou a projetar uma rede que promete atender à demanda por armazenamento de dados mais rápido e formatos maiores, enquanto deixa espaço suficiente para ser eventualmente expandida de acordo com a demanda popular. Com a ajuda de sua tecnologia de sharding, criptografia e distribuição de dados entre os nodes, a Storj espera superar os sistemas tradicionais de armazenamento local e oferecer melhor desempenho e confiabilidade em todos os níveis.
  • A Storj também quer se estabelecer como uma plataforma de transferência e backup de mídia. Indo além do armazenamento em nuvem comercial, os desenvolvedores da Storj estão trabalhando para oferecer serviços adicionais para sua plataforma. Seu suporte de armazenamento de longo prazo deve torná-la adequada para a criação de arquivos e armazenamento de arquivos de backup e recuperação para fins regulatórios ou de conformidade. Ao mesmo tempo, o Storj quer se tornar uma plataforma de entrega de conteúdo de mídia de propósito geral, com suporte para o armazenamento de grandes quantidades de vídeo, áudio, foto e outros arquivos. Eles estarão disponíveis para downloads simultâneos com base em sua natureza segmentada e distribuída.

 

Como funciona o Storj?

Determinar a maneira como a rede Storj opera começa com sua aparente semelhança com a tecnologia torrent. Torrents operam como redes peer-to-peer em que cada arquivo armazenado é dividido em vários pequenos segmentos que são então distribuídos aos usuários. Os usuários armazenam e mantêm cópias do mesmo arquivo. Quem deseja uma cópia envia uma solicitação à rede, na esperança de receber fragmentos do arquivo desejado dos usuários que o possuem (“seeds”). Finalmente, o software cliente de torrent compila as partes do arquivo de diferentes seeders e recria o arquivo original. Um sistema semelhante é empregado na rede Storj:

  • o processo de divisão de arquivos na rede Storj é chamado de fragmentação de arquivo. Em vez de obter um arquivo inteiro de uma única fonte, a rede Storj permitirá que o usuário baixe fragmentos do arquivo desejado de várias fontes ao mesmo tempo. Esse sistema de transferência de arquivos descentralizado deve permitir que o Storj se apresente como uma solução de download mais rápida em comparação com outros provedores de armazenamento.
  • Ao quebrar os arquivos em pedaços ou fragmentos, o Storj remove a possibilidade de uma única organização ou empresa ter acesso a arquivos completos. Enquanto os torrents publicam informações sobre partes do arquivo publicamente, apenas os uploaders permanecem informados sobre a localização dos arquivos no Storj. Desta forma, o Storj quer promover a proteção da privacidade das partes envolvidas no processo de transferência de arquivos.
  • Localizar os fragmentos do arquivo original na plataforma Storj é a tarefa de sua tecnologia de tabela hash distribuída Kademlia.

 

 

Sistemas de redundância e exclusão no Storj

O sistema de fragmentação implementado pelo Storj enfrenta vários riscos que os desenvolvedores tiveram que combater com as tecnologias apropriadas. Sabendo que partes do arquivo são distribuídas para vários computadores na plataforma Storj, os usuários podem se perguntar o que acontece depois que alguns usuários decidem parar de usar o Storj ou desligar seus sistemas por qualquer motivo. Para evitar a falta de acesso aos fragmentos desejados, a plataforma Storj implementou um sistema de redundância em sua rede:

  • Este sistema é baseado na utilização dos chamados fragmentos de paridade. O Storj ajudará os usuários a determinar a intensidade da redundância de cada arquivo que carreguem e a criar fragmentos de paridade. Com base nisso, o sistema deve proteger a rede contra a perda indesejada de arquivos.
  • Ainda assim, o sistema de fragmentos de paridade dificilmente pode funcionar como uma solução à prova d’água no longo prazo, quando a perda de arquivos se torna mais provável com o passar do tempo. Os desenvolvedores do Storj esperam contrariar isso organizando auditorias e verificações periódicas da rede, enquanto aconselham os usuários a fazer o mesmo com seus arquivos sempre que quiserem recarregá-los.
  • Ao mesmo tempo, há algumas preocupações de que o sistema de redundância do Storj possa fazer com que a rede fique lenta. Para evitar isso, a rede criou um conjunto de regras que regem a exclusão de arquivos que são duplicados muitas vezes como parte do sistema de redundância.

Proteção de arquivos no Storj

Uma das principais diferenças que separam a rede Storj dos sistemas baseados em torrent é a criptografia de cada parte do arquivo desejado. Este sistema foi implementado para reduzir os riscos de usuários obterem acesso não autorizado aos arquivos que são distribuídos como parte do sistema de fragmentação da plataforma:

  • A possibilidade de que os usuários que possuem as partes do arquivo possam obter informações sobre o conteúdo dos fragmentos pode ser problemática para aqueles que acham que isso pode comprometer informações confidenciais. Este é o ponto em que o Storj chama seus “locatários” ou carregadores de arquivo para compactar e criptografar os arquivos antes de enviá-los ao sistema de fragmentação. A criptografia é feita atribuindo uma chave exclusiva a um único arquivo.
  • Como os dados são criptografados com a chave privada do usuário em seu próprio dispositivo, os hosts de dados ou “fazendeiros” são impedidos de saber o que um arquivo completo realmente contém. Em vez disso, eles receberão uma parte de um arquivo maior que foi criptografado e, portanto, inutilizável, a menos que coloquem as mãos na chave de criptografia e nos fragmentos restantes.
  • Os hackers em potencial que desejam obter acesso ilícito a um arquivo desejado teriam que encontrar todos os seus fragmentos, o que dificilmente seria possível sem a chave privada. A menos que eles consigam persuadir os fazendeiros a enviar seus fragmentos e roubar a chave do inquilino, eles serão indiscutivelmente impotentes contra esse sistema.

 

O que é o Storj Bridge System?

 

Sendo central para os esforços de descentralização e segurança da plataforma, a rede de locatários e chaves privadas do Storj precisa ser flexível o suficiente para atender às mudanças potenciais no cenário tecnológico atual. Uma das tendências que podem ter um impacto no sistema Storj subjacente é a tendência dos usuários de trocar seus dispositivos de vez em quando. Considerando que os locatários têm suas chaves de criptografia armazenadas em dispositivos locais que podem ser alteradas, os desenvolvedores do Storj tiveram que criar a arquitetura do servidor Bridge para dar conta das situações em que os usuários não precisam acessar arquivos do mesmo dispositivo.

Com isso em mente, a equipe do Storj foi desenvolver e implementar a tecnologia de servidor Bridge. Ele permite o armazenamento seguro das chaves de criptografia em um servidor dedicado que contém os metadados relevantes. A equipe do Storj espera ver essa tecnologia implementada junto com o futuro sistema de compartilhamento de arquivos, já que a verificação de identidade e o armazenamento ocorreriam na nuvem.

 

Função do token STORJ

O token Storj (STORJ) é a moeda com a qual as operações de pagamento na plataforma Storj são gerenciadas. As taxas pagas pelos inquilinos são transformadas em fundos que o agricultor recebe para fornecer os recursos de armazenamento e largura de banda para a plataforma principal.

Para garantir que os pagamentos cheguem ao endereço correto, o Storj exige que os agricultores verifiquem a existência de fragmentos que lhes são enviados. O Storj mantém um sistema de auditoria e verificação de arquivo que envolve o envio de uma solicitação aos agricultores para a qual eles precisam responder. Esse sistema é chamado de Prova de Recuperabilidade e se baseia no envio de um desafio Merkle aos agricultores de hora em hora. Eles serão capazes de fornecer respostas apenas se os fragmentos mantidos nos discos rígidos permanecerem intactos e livres de violação.

Caso eles tentem modificar ou deletar o arquivo em questão, todos os pagamentos serão interrompidos automaticamente. Para expandir o sistema existente com incentivos adicionais para jogar de forma justa, a equipe do Storj trabalhará para estabelecer um sistema de reputação dedicado para seus nodes de fazendeiros. Em 2018, estima-se que a rede Storj tenha cerca de 40 mil nodes de fazendeiros ativos.

Em março de 2019, a capitalização de mercado da Storj era um pouco acima de US$ 30 milhões. Mais de 135 milhões de tokens estiveram em circulação no mesmo período, de um fornecimento planejado de 425 milhões de unidades. Embora a empresa Storj Labs tenha pré-minerado todo o seu suprimento de tokens, os tokens podem ser adquiridos tornando-se um fazendeiro ou por meio da negociação em exchanges de criptomoedas como Binance, Bittrex e outras. STORJ é normalmente negociado em combinação com Bitcoin, Ether, Tether e outras moedas. Como o STORJ é baseado no Ethereum, as carteiras ERC-20 são uma opção adequada para armazenar os tokens adquiridos.

Equipe Storj e concorrentes

O projeto de código aberto Storj foi iniciado em 2014, enquanto o ICO ocorreu em maio de 2017. O projeto compartilha o nome com a empresa Storj Labs, que é chefiada pelo fundador e CSO Shawn Wilkenson, Ben Golub (presidente executivo) John Quinn (cofundador) e Philip Hutchins (CTO e arquiteto principal). A equipe principal tem cerca de 45 membros com várias experiências profissionais, desde mineração de Bitcoins até gerenciamento de startups.

Além de provedores de armazenamento em nuvem, como Dropbox, Google Drive e OneDrive, os principais concorrentes da Storj incluem Siacoin, como mais uma plataforma de armazenamento em nuvem descentralizada, Filecoin e MaidSafe Coin.