Bytom
Bytom
BTM

Bytom

Após o lançamento de sua mainnet em abril de 2018, o Bytom passou a se promover como uma cadeia e protocolo de ativos digitais projetado para reunir tokenização e gerenciamento simplificado de ativos digitais e do mundo real.

 

O que é Bytom?

No centro do projeto Bytom está sua cadeia homônima, que permite que organizações e usuários individuais criem e implantem aplicativos financeiros peer-to-peer voltados para o registro e troca mais fáceis de ativos físicos digitais e tradicionais. Isso deve ser alcançado com a ajuda do protocolo blockchain do Bytom e do token Bytom (BTM) – ambos sendo partes do ecossistema no qual a equipe do Bytom espera criar as bases da futura Internet “baseada em ativos”. Nessa rede global, todos os ativos digitais devem ser tokenizados e gerenciados como parte de uma única camada, enquanto os sub-ativos individuais existiriam em suas próprias cadeias operando como partes da rede Bytom mais ampla.

O que Bytom está tentando alcançar?

  • A cadeia Bytom é vista como capacitando os usuários a lidar melhor com o aumento meteórico na quantidade e na importância dos ativos digitais. O projeto da cadeia Bytom surgiu depois que seus desenvolvedores decidiram que a tecnologia blockchain emergente pode se tornar útil para ajudar os usuários a obter mais controle sobre seus ativos digitais, no momento em que estes quase eclipsaram os ativos físicos tradicionais em termos de valor e acessibilidade. Fazer a ponte entre os domínios de ativos “antiquados”, como títulos, valores mobiliários ou dados valiosos com aqueles de origem digital (como criptomoedas) é visto como a principal tarefa do projeto Bytom, que supostamente reúne o “melhor dos dois mundos”.
  • A tokenização de ativos tradicionais é uma tendência crescente que ainda é contida pela falta de plataformas que permitam um fácil mapeamento de ativos que existem simultaneamente nos mundos digital e físico. Auxiliado pelo surgimento de novas tecnologias, como big data, os ativos do mundo real são cada vez mais transformados em “tokens”, com vários títulos e livros de transações encontrando seu lar no blockchain. A cadeia da Bytom deseja que o usuário conclua todas as operações relacionadas à tokenização em uma única plataforma, seja registro de ativos, liquidação, gerenciamento de transações, etc.
  • A equipe da Bytom acredita que a descentralização, automação e segurança dos processos de gestão de ativos podem ser implementado sem custos para nenhum deles. A cadeia Bytom promete fornecer infraestrutura para a construção de um sistema de câmbio descentralizado e de um sistema de comércio descentralizado. No caso da troca, trabalhar com a tecnologia Bytom deve permitir ao usuário evitar a dependência de terceiros que se encarregariam de administrar seus fundos. Em vez disso, o Bytom permite que os clientes se envolvam na negociação direta de ativos, automatizando esse processo. Ao mesmo tempo, o sistema de negociação suportado pelo blockchain Bytom usará código aberto contratos inteligentes de para garantir custódia de ativos e compensação e correspondência de transações mais fáceis. Por fim, o sistema de verificação de identidade da plataforma usa tecnologia blockchain e seu sistema de hashing e carimbo de data/hora para proteger ativos digitais e garantir sua rastreabilidade.

Como o Bytom classifica ativos?

O principal conceito por trás do modo de operação do Bytom é o de “ativos de bytes heterogêneos”. Este é o termo pelo qual a equipe da Bytom descreveu a moeda digital indígena e/ou ativos digitais. Com base nisso, os desenvolvedores do Bytom dividem as plataformas em que os ativos existem em dois “mundos”: o “atômico” ou seja, o mundo físico e o “byte” ou mundo digital, com sua solução atuando como ponte entre os dois.

Valor de Mercado Volume 24h Suprimento Circulante Suprimento Máximo
$20,785,978 $12786637 2100000000.00000000 BTM 0.00000000 BTM

Para possibilitar o registro e a troca de ativos atômicos e de bytes, a plataforma Bytom os divide em três grupos principais:

  • Ativos de renda: esses ativos abrangem ativos inadimplentes, vários investimentos governamentais fixos, campanhas de crowdfunding, propriedades de homestay etc.
  • Ativos patrimoniais: Esta categoria inclui, entre outras coisas, patrimônio de empresas não cotadas, fundos privados ou empresas privadas, ações de investimentos não públicos, etc. Com esses ativos, os investidores geralmente são obrigados a verificar as transferências relacionadas.
  • Ativos securitizados: Esses ativos incluem dívidas e empréstimos para automóveis, bem como outros ativos com fluxos de caixa que podem ser monitorados e previstos com mais facilidade.

Como Funciona o Protocolo Bytom?

Não importa qual classe de ativo um usuário deseja colocar na cadeia Bytom, negociar com eles será uma opção, desde que seja regido pelo protocolo Bytom. O protocolo permite ao usuário registrar todas as instâncias de propriedade e transferências de ativos no blockchain, o que supostamente oferece vários benefícios:

  • Por sua própria natureza, o blockchain deve ser uma opção mais segura e precisa para manter registros confidenciais nele em comparação com outros atualmente alternativas disponíveis. Os registros mantidos no livro razão imutável do Bytom devem ser uma garantia de que nenhum terceiro terá acesso a eles.
  • Com o Bytom, as trocas de ativos e a manutenção de registros relacionados neles devem ser possíveis sem forçar o usuário a trabalhar com os intermediários. Os usuários também perceberiam o Bytom como uma solução que lhes dá um controle mais “prático” sobre seus ativos.
  • A eliminação de intermediários nos processos de registro e gerenciamento de ativos reduziria o inchaço nas plataformas anteriormente utilizadas para essa tarefa. Com base nisso, a Bytom promete oferecer tempos de transferência mais rápidos e custos reduzidos de gerenciamento de ativos.
  • Como os registros de ativos na plataforma Bytom são mantidos em uma rede global de nós, o risco de manipulação de dados deve ser reduzido ao mínimo, juntamente com o número de pontos potenciais de falha.

Recursos Cross-Chain do Bytom

O protocolo da cadeia Bytom tem outra característica importante: permite interações cross-chain, incluindo transações e distribuição de dividendos através de cadeias laterais:

  • Um dos requisitos para isso é a criação de uma versão “menor” do blockchain desejado ou um relé baseado na plataforma Bytom.
  • Uma vez que um desenvolvedor cuida disso, o usuário pode fazer chamadas de API com a ajuda de contratos inteligentes e verificar as atividades que ocorrem na cadeia principal.
  • Usando as chamadas de API, o usuário pode estabelecer comunicação entre cadeias, fazer transações com ativos entre várias cadeias e usar cadeias laterais para distribuir dividendos.

Ao mesmo tempo, o Bytom separa as assinaturas da transação do restante dos dados envolvidos em uma transação. Isso é feito por meio de um protocolo de razão distribuído que permite a interação entre vários tipos de ativos. Esse protocolo pode ser adotado por vários blockchains, permitindo que eles se envolvam em negociações entre cadeias e simplifiquem os processos relacionados ao ter vários atores usando o mesmo formato.

Além de permitir a coexistência de cadeias separadas com o mesmo protocolo, o Bytom usará a separação de assinaturas de transações de outros dados para separar o segmento de gerenciamento de ativos dos livros-razão sincronizados e distribuídos. Essa abordagem deve fornecer melhor programação e suporte de implantação de contrato e fornecer uma interface para canais de desvio.

Verificação de Transação com Bytom

Além de suportar a interação entre cadeias para o benefício do gerenciamento de ativos, o Bytom deseja apaziguar os usuários que ainda podem se preocupar com a potencial sobrecarga da rede pelos requisitos de verificação de transação. Para lidar com isso, Bytom introduziu o sistema de “verificações compactas”. Com a ajuda da tecnologia de prova Merkle, o Bytom permite a verificação apenas das transações relevantes, sem a necessidade de verificar todas as transações no bloco.

Ao mesmo tempo, o Bytom difere do Ethereum porque seu sistema BUTXO permite a verificação paralela das transações. Isso deve ser feito com a ajuda do mecanismo que permite apenas uma transação para cotar cada saída não gasta. Esse sistema também deve evitar gastos duplos e outras tentativas de manipulação. Uma vez que os participantes só precisam se lembrar das saídas não gastas enquanto o próprio processo de negociação fornece outros dados relevantes, como ID do ativo, a plataforma Bytom se apresenta como uma solução mais leve em comparação com Ethereum, por exemplo.

Por fim, a plataforma visa implementar integralmente os padrões Open Data Index Name (ODIN), que devem garantir a proteção do caráter único dos ativos em sua plataforma. O índice de nomenclatura ODIN é baseado na altura do blockchain em vez de depender de fazer um registro de uma string de caracteres.

Arquitetura em Camadas do Bytom

Os recursos oferecidos pela plataforma Bytom estão intimamente ligados à sua arquitetura de três camadas:

  1. Camada de aplicativo. Essa camada suporta o desenvolvimento de dApps usados ​​para gerenciamento de ativos, dividendos, negociação e registro de ativos por meio da interação com contratos. Esta camada oferece compatibilidade com UTXO e estruturas de dados usadas com Bitcoin em uma tentativa de entregar anonimato e eficiência. Os formatos de aplicativo com suporte incluem versões para web e móvel. Esta é a camada com a qual a maioria dos usuários finais e desenvolvedores irá interagir ao usar o Bytom.
  2. Camada de contrato. Essa camada abriga o sistema de contas do Bytom e o espaço virtual dentro do qual ocorre a codificação do contrato. Os ativos são emitidos e administrados com base na utilização de dois tipos de contratos: contratos de gênese e contratos de controle. A primeira categoria é usada para emitir e auditar outros contratos inteligentes que existem na plataforma. Ao mesmo tempo, eles são responsáveis ​​pelo cumprimento dos padrões que o protocolo Bytom pode suportar. Por outro lado, os contratos gerais gerenciam a negociação de ativos entre os usuários de um mesmo protocolo. Antes da negociação, no entanto, os ativos precisam ser verificados pelo contrato de gênese. Por fim, os contratos gerais também fornecem suporte para a distribuição de dividendos e atuam como seus validadores.
  3. Camada de razão (dados). Essa camada implementa a camada de tecnologia de razão distribuída e vincula o Bytom ao blockchain, ao mesmo tempo que fornece suporte para transferência de ativos, emissão e outras tarefas relacionadas.Como Funciona o Protocolo Bytom?

Implementação do Algoritmo de Tensoridade

O blockchain vinculado ao protocolo Bytom na camada do razão é público e sem permissão. Ele usa o algoritmo de consenso de Prova de Trabalho (PoW) que a equipe do Bytom implementou como o algoritmo especial de Tensoridade. Embora o Tensority funcione como um mecanismo de prova de trabalho em sua essência, ele é, na verdade, projetado para superar algumas de suas deficiências, como ter muitos recursos de hardware e energia sendo desperdiçados.

Com Tensority, os processos de cálculo e comparação de dificuldade são os mesmos encontrados no Bitcoin. Ainda, ele também introduz cálculo de matriz e convolução no processo de hashing, tornando possível usar serviços de aceleração de hardware de IA para fins de mineração. Ao mesmo tempo, o Bytom também possui criptografia ESCDA e hashing SHA256. Combinado com computação de ponta e integração com tecnologias como nuvem e aprendizado profundo, o Tensority é visto como o caminho para a sinergia de IA com a tecnologia blockchain.

Bytom Token (BTM)

O Bytom token (BTM) suporta a operação do ecossistema Bytom da seguinte maneira:

  1. É usado para pagar as taxas de transação.
  2. O BTM permite o compartilhamento de dividendos.
  3. Os depósitos de emissão de ativos são feitos com esses tokens.

Em março de 2019, o valor de mercado do BTM era de US$ 88 milhões, com seu pico histórico atingido em abril de 2018, quando o mesmo limite foi avaliado em mais de US$ 1 bilhão. Existem atualmente mais de 1 bilhão de tokens BTM em circulação, de um fornecimento total planejado de 1,4 bilhão de tokens.

O ICO ocorreu entre junho e julho de 2017, com 30% dos tokens indo para os participantes, 33% servindo como pool de recompensas de mineração e o restante sendo reservado para a Fundação Bytom, reservas ou pool de desenvolvimento de negócios. Antes do lançamento da mainnet, os tokens BTM existiam como ERC-20 no blockchain Ethereum.

Os tokens BTM estão disponíveis para negociação em várias exchanges de criptomoedas, incluindo HitBTC e KuCoin. Os tokens adquiridos podem ser armazenados na carteira oficial da Bytom, que oferece suporte aos sistemas operacionais Windows, Mac e Linux.

Os formatos de endereço BIP32, BIP43 e BIP441 foram usados ​​no design da carteira Bytom para fornecer suporte para uma carteira com várias moedas, várias contas e vários endereços. A mineração é mais uma opção de aquisição de tokens BTM, com opção de utilização de ASIC na rede sem penalidade.

História do Projeto Bytom e Concorrentes

O protocolo Bytom foi fundado em 2017 como uma ideia de desenvolvedores chineses com uma vasta experiência na tecnologia de blockchain. A equipe incluiu Chang Jia, o fundador da plataforma de exchange de criptomoedas baseada em Xangai 8BTC, e Duan Xinxing, o fundador e CEO da Bytom que também atuou como vice-presidente da OKCoin exchange de criptomoedas. Ambos foram ativos na defesa do uso da tecnologia blockchain na China.

Quando se trata de concorrentes, o Bytom tem potencial para trilhar os mesmos caminhos que o Ravencoin, que também lida com transferências de ativos, enquanto o Enjin Coin tenta fazer algo semelhante no nicho de ativos de jogos.