ETF Bitcoin no Brasil em 2024 – O que são ETFs de Bitcoin?

Gabriel Gomes
| 12 min read
Aviso: Criptoativos são uma classe de ativos de alto risco. Este artigo é fornecido apenas para fins informativos e não constitui aconselhamento. Você pode perder todo o seu capital.

Recentemente, a Securities and Exchange Commission (SEC), agência federal que regula o mercado de títulos americano, decidiu aprovar a operação de ETF Bitcoin spot.

Essa decisão, que poderá ter grande e duradouro impacto sobre o mercado de criptoativos, oferece um novo tipo de oportunidade para os investidores. Neste texto, explicaremos o que são os ETFs de Bitcoin, como eles funcionam e como investir nesses fundos.

O que é um ETF Bitcoin?


ETF bitcoin

ETF é a sigla da expressão inglesa Exchange-Traded Fund, ou seja, “fundo negociado em bolsa”. Os ETFs são, portanto, fundos de investimento cujas cotas são negociadas em bolsa de valores, similarmente a como ações são negociadas.

Os ETFs investem o dinheiro dos cotistas em ativos, por exemplo, ações, commodities, moedas e títulos. Além disso, é comum que um ETF tente organizar seu portfólio de forma a replicar ou superar o desempenho de um ativo, ou indicador.

No caso de ETFs de Bitcoin, essa criptomoeda (ou um índice baseado nela) é que serve de referência. Assim sendo, investir em um ETF de Bitcoin é uma das maneiras com que os investidores contam para exporem-se às variações do valor do Bitcoin.

Por um lado, o investimento em Bitcoin através de um ETF simplifica a obtenção de exposição à criptomoeda. Por outro, limita a flexibilidade de que o investidor desfruta, pois ele não abre mão – em favor do administrador do fundo – do controle sobre o capital que investiu. Além disso, há despesas como as taxas que o fundo cobra.

Os ETFs de Bitcoin podem ser de futuros ou de spot (à vista). Explicaremos em seguida como funcionam esses dois tipos de ETFs.

ETFs de futuros de Bitcoin

Muitos dos ETFs de Bitcoin negociam contratos futuros de Bitcoin ao invés de comprar a criptomoeda. São, portanto, ETFs de (contratos) futuros de Bitcoin. Dessa maneira, o desempenho do fundo de futuros de Bitcoin dependerá das variações das cotações dos contratos, não da variação da cotação do criptoativo em si.

Essa distinção é importante, pois podem surgir discrepâncias entre os valores dos contratos futuros e o valor presente (no mercado chamado à vista ou spot) da criptomoeda. Até recentemente, as bolsas americanas só podiam oferecer acesso a cotas de ETFs de Bitcoin que fossem de futuros.

ETFs de Bitcoin spot

ETF bitcoin spot

Diferente da atuação dos ETFs de futuros de Bitcoin, a dos ETFs de Bitcoin spot (ou à vista) consiste na negociação da própria criptomoeda, não de derivativos baseados nela. Por isso, o desempenho dos fundos spot de Bitcoin tende a seguir mais de perto o desempenho do Bitcoin do que o dos ETFs de futuros.

Com o intuito de replicar o comportamento da cotação do Bitcoin ou de um índice relacionado a ela, os ETFs de Bitcoin spot adquirem a criptomoeda (por exemplo, através de corretoras) e armazenam-no em carteiras de criptomoedas.

Em suma, no caso do investimento em ETF de Bitcoin, o investidor não compra a criptomoeda nem é responsável por armazená-la. Afinal, ele simplesmente compra cotas de um fundo que compra bitcoins, analogamente a como investiria em ações da Petrobras ou da Vale.

Atualmente, há pelo menos 11 ETFs de Bitcoin spot atuando nos Estados Unidos. Antes da liberação de sua atuação naquele país, já havia ETFs de spot em outros países, inclusive no Brasil.

Quais são os ETFs de Bitcoin?


Existe uma grande quantidade de opções de ETFs de Bitcoin. Há ETFs de Bitcoin que compram derivativos de que a criptomoeda é o ativo subjacente e outros que compram a criptomoeda diretamente.

Os ETFs de Bitcoin spot que já conseguiram permissão para atuar no mercado americano são estes:

  • Ark 21SHARES Bitcoin ETF (ARKB)
  • Bitwise Bitcoin ETF (BITB)
  • Valkyrie Bitcoin Fund (BRRR)
  • Invesco Galaxy Bitcoin (BTCO)
  • Wisdomtree Bitcoin Fund (BTCW)
  • Hashdex Bitcoin (DEFI)
  • Franklin Templeton Bitcoin (EZBC)
  • Fidelity Wise Origin Bitcoin Fund (FBTC)
  • Grayscale Bitcoin Trust (GBTC)
  • VanEck Bitcoin Trust (HOLD)
  • iShares Bitcoin Trust (IBIT)

Só para ilustrar, podemos também citar como exemplos de ETFs de Bitcoin dignos de nota os seguintes fundos:

  • ProShares Bitcoin Strategy ETF (BITO), um ETF de futuros de Bitcoin.
  • VanEck Bitcoin Strategy ETF (XBTF), também um ETF de futuros de Bitcoin.
  • QR CME CF Bitcoin Reference Rate Fundo de Índice (QBTC11), um dos fundos de Bitcoin da B3.
  • Hashdex Nasdaq Bitcoin Reference Price FDI (BITH11), outro dos fundos de Bitcoin da B3.

Existem ETFs de outras criptomoedas?


altcoins ETfs

Embora o Bitcoin seja a criptomoeda mais antiga e continue a ser a mais célebre e a de maior valorização de mercado, há ETFs de outras moedas (por exemplo, Ether) e até mistos (por exemplo, de Bitcoin e Ether ou de uma cesta de criptomoedas).

No entanto, similarmente ao que acontecia com o Bitcoin até pouco tempo, a SEC ainda não autorizou o lançamento de nenhum ETF à vista de altcoin (criptomoeda que não seja o Bitcoin) no mercado americano.

Isso, no entanto, pode estar perto de mudar. Segundo especialistas que o site Cointelegraph ouviu para uma matéria que postou em 11 de janeiro, é provável que a SEC libere em 2024 a atuação de ETFs de Ethereum à vista nos Estados Unidos.

Além disso, é possível que já no segundo trimestre deste ano seja possível negociar suas cotas em bolsas daquele país. Veja alguns exemplos de ETFs que investem em criptomoedas que não são o Bitcoin:

  • QR CME CF Ether Reference Rate FDI (QETH11), disponível na B3, investe em Ether.
  • CI Galaxy Ethereum ETF (ETHX.B), que investe em Ether.
  • Hashdex Nasdaq Crypto Index Fundo de Índice (HASH 11), disponível na B3, investe em uma cesta de criptoativos.

Quais os efeitos desses ETFs no preço do Bitcoin?


Os ETFs podem afetar de diversas maneiras o preço do Bitcoin. Por apresentarem uma maneira mais simples de exposição à criptomoeda, eles podem atrair para o mercado desse ativo consideráveis influxos de dinheiro. Assim, contribuem para a valorização da criptomoeda.

Ademais, o grau de regulamentação e fiscalização a que os ETFs estão sujeitos pode atrair investidores mais conservadores que não se sentem à vontade para investir através de corretoras de criptomoedas.

A própria aprovação dos fundos de spot de Bitcoin pela SEC depois de anos de resistência da agência em admiti-los poderá reforçar a credibilidade desse tipo de investimento e do próprio Bitcoin aos olhos do mercado, por consequência, tornando-o mais atrativo e aumentando a demanda por ele.

É provável que o surgimento no mercado americano de ETFs à vista de Bitcoin introduza mais compradores e vendedores ao mercado dessa criptomoeda, contribuindo, dessa maneira, para o aumento de sua liquidez. Tal desenvolvimento poderia levar a preços mais estáveis e, por consequência, à redução da volatilidade do preço do Bitcoin.

No entanto, há também o risco de que as possibilidades de valorização do Bitcoin levantadas pelos ETFs dessa moeda levem a uma febre especulativa. Nesse caso, a criptomoeda pode ficar sobrevalorizada, o que, cedo ou tarde, levaria a uma correção de seu preço.

Taxas, tributações e rentabilidade


taxas

Similarmente ao que fazem os outros fundos, os ETFs de Bitcoin cobram taxas dos investidores para o custeio de despesas administrativas e para remuneração dos administradores.

Segundo matéria que o site da rede de notícias de negócios CNBC publicou pouco depois da liberação de ETFs de Bitcoin spot nos Estados Unidos, os fundos de Bitcoin tendem a apresentar taxas mais altas que as de ETFs que tentam emular índices do mercado de ações, mas inferiores às taxas dos ETFs de commodities.

Só para exemplificar, apresentamos a seguir as taxas (expressas em porcentagem do valor investido) que cobram os fundos de Bitcoin spot que recentemente conseguiram autorização da SEC para operar:

  • Ark 21SHARES Bitcoin ETF (ARKB) — 0,21%
  • Bitwise Bitcoin ETF (BITB) — 0,20%
  • Valkyrie Bitcoin Fund (BRRR) — 0,25%
  • Invesco Galaxy Bitcoin (BTCO) — 0,39%
  • Wisdomtree Bitcoin Fund (BTCW) — 0,30%
  • Hashdex Bitcoin (DEFI) — 0,94%
  • Franklin Templeton Bitcoin (EZBC) — 0,29%
  • Fidelity Wise Origin Bitcoin Fund (FBTC) — 0,25%
  • Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) — 1,50%
  • VanEck Bitcoin Trust (HOLD) — 0,25%
  • iShares Bitcoin Trust (IBIT) — 0,25%

Note-se, no entanto, que alguns dos fundos acima suspenderam ou reduziram as taxas acima temporariamente. Por exemplo, os ETFs Bitwise, ARK, WisdomTree não cobrarão taxas em seus primeiros seis meses de atuação ou sobre o primeiro bilhão de investimento. A Fidelity não cobrará taxa até 31 de julho deste ano.

Com o intuito de apresentarmos um quadro representativo, também apresentaremos as taxas (em porcentagem do valor investido) de alguns ETFs de Bitcoins que existem há mais tempo:

  • ProShares Bitcoin Strategy ETF (BITO) — 0,95%
  • VanEck Bitcoin Strategy ETF (XBTF) — 0,66%
  • QR CME CF Bitcoin Reference Rate Fundo de Índice (QBTC11) — 0,75%
  • Hashdex Nasdaq Bitcoin Reference Price FDI (BITH11) — 0,10%

É preciso lembrar que, além das taxas que os ETFs de Bitcoin cobram, os custos de investir neles incluem as taxas da corretora usada para negociar os ativos e da bolsa de valores em que a transação ocorreu.

Tributação

Outro custo a se levar em conta é o da tributação sobre os ganhos de capital. No Brasil, a alíquota de tributação sobre os ETFs que investem em ativos de renda variável (como Bitcoins) é de 15% sobre o lucro, ou seja, a diferença entre o valor de venda e o de compra.

Assim sendo, nos meses em que houver ganhos com a venda de cotas de ETF de Bitcoin, o investidor deve gerar um DARF em que calcule o Imposto de Renda a pagar. Diferente do que acontece com a negociação de ouro ou de ações no chamado mercado swing, não é aplicável isenção de até 20 mil reais aos ganhos com a venda de cotas de ETF de Bitcoin.

Rentabilidades

A rentabilidade de um ETF de Bitcoin depende do desempenho da criptomoeda e das estratégias dos administradores do fundo. Só para ilustrar, citaremos as rentabilidades de alguns dos fundos de Bitcoin que já existem há tempo considerável.

  • O ProShares Bitcoin Strategy ETF (BITO) rendeu 64,81% no último ano, mas apresentou rendimento de -0.49% até agora em 2024.
  • Antes de receber recentemente permissão da SEC para operar como um ETF de Bitcoin spot, o Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) funcionou por anos de forma menos acessível aos investidores comuns. Até o momento, sua rentabilidade em 2024 é de quase 11%. No último ano, ele rendeu mais de 200%.
  • O VanEck Bitcoin Strategy ETF (XBTF) apresenta desvalorização de pouco mais de 4% no ano, mas valorização de mais de 65% no último ano.
  • O QR CME CF Bitcoin Reference Rate Fundo de Índice (QBTC11) apresenta desvalorização de cerca de 5% no ano de 2024, mas valorização de mais de 78% no último ano.
  • O Hashdex Nasdaq Bitcoin Reference Price FDI (BITH11) apresenta desvalorização de mais de 4% em 2024, mas valorização de mais de 77% no último ano.

Em 2023, a Levante Ideias de Investimento publicou um estudo sobre o desempenho naquele ano, até 27 de outubro, dos ETFs cujas cotas é possível comprar na B3.

As três primeiras posições foram de ETFs de Bitcoin: QBTC11 (92,80% de rendimento), BITH11 (89,60% de rendimento) e BIT 11 (85,40% de rendimento).

Os outros ETFs entre os 10 mais rentáveis investiam em Ether, em uma cesta de criptoativos, em uma cesta de ativos internacionais ou em uma cesta de ações de tecnologia.

Como investir em um ETF Bitcoin?


ETF bitcoin

As cotas dos ETFs de Bitcoin estão listados em bolsa de valores. Assim, com o intuito de investir em um deles, basta comprar cotas dele na bolsa que as lista (B3, Bolsa de Nova Iorque, Nasdaq, etc.).

Isso pode ser feito através de corretoras de títulos, da mesma forma que acontece com as ações. Só para exemplificar, podemos citar corretoras como xtb, eToro e Markets.com.

Além disso, os detentores das cotas de ETF podem vendê-las quando bem-quiserem. Se venderem por mais do que o valor por que as compraram, terão lucro. No entanto, se venderem por menos do que o valor por que as compraram, terão prejuízo.

Conclusão


Finalmente passou a ser possível a negociação de cotas de ETFs de Bitcoin em bolsas dos Estados Unidos. Longamente aguardada, essa situação tem potencial para criar uma nova etapa na história do mercado de criptomoedas.

Os ETFs de Bitcoin oferecem aos interessados uma oportunidade de investimento nessa criptomoeda mais simples do que a negociação através de corretoras e em um ambiente, o da bolsa de valores, mais bem regulamentado. Esse fato pode contribuir para a introdução ao Bitcoin de investidores mais conservadores, como, por exemplo, fundos de pensão. Por consequência, poderá ajudar a impulsionar o preço da criptomoeda e reduzir a volatilidade dele.

Ademais, a aprovação, depois de anos de espera, dos ETFs de Bitcoin spot nos Estados Unidos pode acabar sendo um importante passo na trajetória das criptomoedas em geral rumo ao mainstream dos investimentos.

Todavia, ao considerar investir em um ETF de Bitcoin, é importante levar em conta fatores como a taxa que ele cobra, a tributação sobre os ganhos, a rentabilidade que o fundo vem conseguindo, a confiabilidade de sua gestora responsável. Além disso, é preciso pesar tanto vantagens quanto a ausência de necessidade de se preocupar com o armazenamento ou a negociação dos bitcoins, quanto desvantagens como a perda de flexibilidade e autonomia.

Perguntas frequentes

Que importância têm os ETFs de Bitcoin?

Os ETFs de Bitcoin representam um modo relativamente simples para que os investidores obtenham exposição ao Bitcoin sem necessidade de negociar a criptomoeda ou se preocupar com seu armazenamento.

Quais as vantagens de usar ETFs para investir em Bitcoin?

As vantagens do investimento em Bitcoin através de ETFs incluem a conveniência de comprar e vender cotas através da bolsa. Além disso, têm a vantagem de prescindir de cuidar do armazenamento de Bitcoins, assim como também a segurança de atuar em um mercado que conta com a regulamentação e a fiscalização de órgãos como a SEC ou, no caso brasileiro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Existem contras no uso de ETFs para investir em Bitcoin?

Sim. Por exemplo, o investimento em Bitcoin através de ETFs tende a ser menos flexível do que a negociação por conta própria. O cotista do fundo necessariamente abre mão de autonomia sobre o dinheiro que investiu.

Quanto posso ganhar investindo em ETF de Bitcoin?

A rentabilidade de um ETF de Bitcoin depende da variação da cotação da criptomoeda e das estratégias de investimento dos administradores do fundo. Assim sendo, não há limite à (ou garantia da) rentabilidade no investimento nesse tipo de fundo.

Devo investir em ETFs de Bitcoin?

Os ETFs de Bitcoin são interessantes veículos de investimento. Alguns deles vêm obtendo grandes rentabilidades para os seus investidores. No entanto, é preciso lembrar que se trata de um investimento de renda variável, com os riscos que isso implica. Ademais, esse tipo de investimento baseia-se em um ativo, uma criptomoeda, consideravelmente volátil.