Keanu Reeves chama os NFTs de 'facilmente reproduzíveis', diz que possui criptomoedas

O ator canadense e estrela da 'Trilogia Matrix' Keanu Reeves expressou ceticismo sobre tokens não fungíveis (NFTs) e propriedade digital durante uma entrevista ao The Verge.  

Quando questionado sobre sua opinião sobre os NFTs e o conceito de escassez digital, Reeves disse que eles podem ser facilmente replicados e ridicularizados.

Enquanto alguns na comunidade criptográfica também riram, mas com a resposta de Reeves, outros apontaram que não é sábio pedir "conselhos de investimento aos atores".

No início de novembro, o famoso estúdio da Warner Bros se uniu à plataforma NFT Nifty e lançou coleções digitais vinculadas a "The Matrix Resurrections". A coleção, que incluía 100.000 NFTs inspirados em Matrix e com tema de avatar, foi colocada à venda por US$ 50 cada um, teve um interesse incrível e foi conquistada logo na primeira hora de seu lançamento.

Enquanto isso, Reeves também foi questionado se ele "gostava de criptomoedas pessoalmente". O ator disse que "um amigo meu comprou alguns para mim há algum tempo", acrescentando que não fez nada com eles.

O entrevistador Alex Heath explicou a Reeves que quando você não faz nada com sua criptografia, ela é chamada de HODL. “Sim, eu tenho um pouco de HODL,” disse Reeves.

Ao tocar na ideia do metaverso e falar sobre quais poderiam ser alguns dos potenciais, Reeves perguntou: "Será que podemos simplesmente não ter o metaverso inventado pelo Facebook? O conceito de metaverso é muito mais antigo do que isso", disse ele. "Eu fico tipo, 'vamos lá, cara'."

O termo “metaverso” foi cunhado inicialmente na década de 1990 em uma obra de Neal Stephenson chamada “Snow Crash”.

Em outubro, o Facebook mudou seu nome corporativo para 'Meta' para refletir suas sérias intenções na construção do metaverso. Antes disso, o gigante da mídia social dedicou um fundo de US$ 50 milhões para desenvolver o metaverso de forma "responsável".