27 Abr 2022 · 3 min read

2 em cada 10 pessoas em El Salvador ainda usam a aplicação Chivo Bitcoin do governo - Pesquisa

Uma pesquisa descobriu que os salvadorenhos estão usando o aplicativo estatal Chivo bitcoin (BTC) de forma parcimoniosa, com a maioria simplesmente baixando-a para receber 30 dólares em bitcoin antes de voltar a usar o dólar.

A pesquisa foi conduzida pelo Escritório Nacional de Pesquisa Econômica dos Estados Unidos, em associação com Cid Gallup. Detalhes foram publicados pela Bloomberg, que concluiu que isto era uma evidência de que a BTC não havia "criado raízes" na nação centro-americana.

A pesquisa entrevistou 1.800 adultos no país "cara a cara" em fevereiro deste ano, e perguntou como eles utilizavam a carteira. Apenas 20% dos entrevistados disseram que continuaram a usar a Carteira Chivo após fazer uso da doação de 30 dólares, os autores da pesquisa concluíram, acrescentando que "praticamente ninguém" tinha "instalado o Chivo em seu telefone em 2022".

Os autores acrescentaram:

"A razão mais importante para não baixar o aplicativo, condicionada ao conhecimento do mesmo, é que os usuários preferem usar dinheiro, o que foi seguido por questões de confiança - os respondentes não confiaram no sistema ou no próprio bitcoin".

Os autores também relataram ter encontrado "nenhuma evidência" de que a carteira Chivo estava sendo usada para pagar impostos e remessas "em uma escala significativa".


A mídia destacou que estes dados estavam "de acordo" com os dados do banco central de El Salvador que mostraram que "apenas 1,6% das remessas foram enviadas através de carteiras digitais em 2022".

No setor empresarial, 20% das empresas relataram aceitar o bitcoin como forma de pagamento, sendo a maioria delas "grandes empresas". Os autores do estudo foram citados como acrescentando que "em média, 5% de todas as vendas foram em bitcoin "e a maioria das transações foram convertidas em dólares".

O órgão de comunicação El Diario de Hoy informou que, segundo a própria Central Reserve Bank, em uma atualização feita em 25 de março, entre janeiro e fevereiro de 2022, cerca de US$ 1,1 bilhão foi enviado a El Salvador, sendo que apenas US$ 19 milhões desse valor entraram através da Carteira Chivo sob a forma de transações de bitcoin.

No Facebook, alguns tiveram uma visão mais otimista das descobertas, com um comentarista escrevendo:

"Na verdade, a porcentagem [de aceitação] é bastante incrível, apesar de toda a imprensa negativa. Muitos mais virão [a bordo]".

Em seu último post no blog, o ex-CEO da BitMEX Arthur Hayes opinou que El Salvador "ainda é um estado funcional que pode se dar ao luxo de negociar internacionalmente, mesmo que uma pequena porcentagem de suas reservas em moeda estrangeira" seja mantida no BTC.

O país, argumenta Hayes, é o primeiro caso de teste real de "uma bandeira que finalmente começou a pensar em seu melhor interesse e a fugir das políticas econômicas ultrapassadas e inúteis promovidas" pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Mundial. Ele acrescentou que está "ansioso" para ver se outros países pequenos seguiriam os passos de El Salvador.

Hayes concluiu que,

Um vírus se espalha lentamente, depois exponencialmente. Não se desanime se o ritmo de propagação da ideia parecer lento no início. Os justos devem prevalecer eventualmente. El Salvador é o primeiro passo pequeno, mas extremamente importante, no sentido de amolgar o pensamento econômico ortodoxo que o pensamento econômico tem sobre os formuladores de políticas monetárias globais.

____

Leia Mais:

- Starbucks pretende entrar em negócios NFT

- Cerca de 50% dos proprietários de criptomoedas ​​fizeram sua primeira compra em 2021 - Gemini